Educação espacial

0
544

Com o propósito de despertar o interesse dos estudantes pelas atividades aeroespaciais, a Agência Espacial Brasileira (AEB) passou a disponibilizar em seu site ações da sua Diretoria de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento. Conhecido como E2T – Educação, Espaço e Tecnologia, a intenção do programa é atrair o interesse dos jovens para a educação, desenvolvimento, tecnologia e a formação de recursos humanos.

De acordo com informações da AEB, o  E2T é um ponto de união das informações dos projetos das universidades e outras instituições que exercem o ensino e execução das atividades aeroespaciais. E está orientado para auxiliar a qualificação de recursos humanos e o desenvolvimento tecnológico para o segmento espacial, com apoio do sistema educacional, além de contribuir para a instalação de inovações tecnológicas nas atividades aeroespaciais.
O espaço online E2T tem como parceiros os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Educação (MEC), e apresenta projetos dos nanossatélites NanosatBR1, o AESP-14, e diversos outros projetos experimentais.

Características
Os nanossatélites têm diversos tipos de aplicações e pesam entre 1 e 5 quilos. Segundo informações da Agência Espacial Brasileira, em geral são usados para o sensoriamento remoto – tecnologia que permite a obtenção de imagens e dados da superfície terrestre por meio de fotografias de alta resolução – , objetivando a coleta de dados meteorológicos e hidrográficos. Os equipamentos também são utilizados como instrumento de medição do desmatamento. Com vantagens em relação aos satélites normais, os nanossatélites têm menor custo para manutenção e produção, menor dimensão e são mais fáceis para colocação em órbita.


Aprimoramento

 

Recentemente, a Agência Espacial Brasileira informou que desde 2004 o E2T direcionado para a linha de educação continuada tem desempenhado um importante papel na divulgação e popularização do setor espacial. E que a AEB está estruturando, em conjunto com o ministério da Ciência e Tecnologia e o MEC ,o primeiro Centro Vocacional Tecnológico da área espacial, o CVT-Espacial. Ele será instalado no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), em Natal (RN), ainda este ano, segundo previsões. O local será o primeiro de uma série de espaços que devem vir a ser instalados em regiões com vocação tecnológica espacial.
Além da vertente educacional, o CVT-Espacial também terá a função de ser um polo de atração turística para a localidade onde for implementado bem como de capacitação de pessoas da comunidade com vistas ao mercado de trabalho. Mais informações sobre as ações educacionais da Agência Espacial Brasileira (AEB) podem ser acessadas nos sites http://aebescola.aeb.gov.br/ e www.aeb.gov.br.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here