App do bem

0
523

O Brasil foi o primeiro país do mundo a criar um aplicativo para tablets e smartphones que auxilia no combate à violência contra crianças e adolescentes. Com o nome de “Proteja Brasil”, a iniciativa está prestes a ser exportada, em negociações avançadas com Costa Rica, Irã, Jamaica e República Dominicana.

O aplicativo foi criado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) e a ONG Cedeca-Bahia. Ao todo, já foram feitos aproximadamente 30 milhões de downloads do software.
O “Proteja Brasil” faz parte das ações da Agenda de Convergência do Brasil. Essa é uma iniciativa nacional criada para proteger crianças, adolescentes e jovens. O projeto envolve, além do governo federal, os estaduais, municipais, a sociedade civil, o setor privado e órgãos internacionais em luta pelos Direitos Humanos, como o Unicef.
O “Proteja Brasil” é gratuito e está disponível nas lojas App Store (para usuários Apple) e Google Play (para usuários An­droid). Ainda não há disponibilidade para dispositivos que usam outros sistemas operacionais, como Windows Phone. Segundo dados da assessoria de imprensa da Se­cre­ta­ria de Direitos Humanos, 18.562 dos usuários são Android, enquanto 11.279 são iPhone.
Algo que permite o sucesso no objetivo da Unicef com o app aqui no Brasil é o fato de sermos o quarto país do mundo com o maior número de smartphones, soma que chega a quase 70 milhões. Isso sem contar o número de tablets, dispositivos cada vez mais populares em mãos tupiniquins.

Iniciativa bem sucedida
A ideia do “Proteja Brasil” veio do próprio Unicef, em parceria com o governo brasileiro e a sociedade civil. O objetivo é transformar a iniciativa em um modelo internacional e fazer com que os números obtidos aqui no Brasil sejam repetidos lá fora.
Com a ajuda do aplicativo, a Secretaria de Direitos Humanos obteve o quantitativo de 4.129 denúncias. De acordo com a SDH, 3.231 dessas foram ligações para o Disque 100 e um total de 898 denúncias foram telefonemas para conselhos ou delegacias de todo o Brasil.


Olhar redobrado

 

A denúncia pode ser feita de forma rápida e fácil através do aplicativo. Mas, antes, é necessário ficar atento aos vários tipos de violência que podem ser praticadas contra a criança. De acordo com informações do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), além da violência física, existem outros sete tipos de maus tratos.
Podem ser denunciados casos de tráfico de crianças e adolescentes, trabalho infantil, tortura, negligência e abandono e violência sexual. Sem contar a violência psicológica, que, de acordo com o órgão, pode vir de uma relação de poder com abuso de autoridade.
Também é possível denunciar atos de discriminação. Isso implica casos de distinção, segregação e tratamento diferenciado de um adulto com uma criança ou adolescente devido a características pessoais, raça, etnia, gênero, crença, idade ou origem social. Além de um grande leque de fatores que podem gerar bullying.


Como funciona o aplicativo?

 

Com uma interface colorida e bem explicativa, ao abrir o “Proteja Brasil”, o usuário se depara com um mapa da cidade em que está. Através de um sistema de GPS, o aplicativo localiza todas as delegacias e conselhos perto de onde se está. Além de um grande banner escrito “Denuncie”. Além disso, a plataforma ainda traz informações sobre os pontos de denúncia de cada Estado, os tipos de violência e o telefone das instituições de apoio ao jovem mais próximas. Dá para ver o telefone, o endereço e até pode-se traçar uma rota até o local.


Há outras maneiras de denunciar

 

A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH) também mantém o Disque 100, usado para denunciar quaisquer tipos de violência. Em 2013, o canal de antendimento recebeu mais de 124 mil denúncias de casos de maus tratos contra crianças e adolescentes. E, em 2014, foram registrados 91.342 denúncias sobre violação de direitos de crianças e adolescentes, com o relato principalmente de casos de negligência, violência psicológica, física e sexual.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here