FCO vai liberar empréstimos de R$ 191 milhões

0
507

O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) aprovou, em reunião ordinária realizada nesta quinta-feira, dia 21, na Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SED)– comandada pelo vice-governador José Eliton -, 100 cartas-consulta para as áreas Empresarial e Rural, que vão proporcionar investimentos na ordem de R$ 191,5 milhões para o setor produtivo goiano.

A assembleia foi presidida pelo superintendente-executivo da SED, Luiz Maronezi, e contou com a coordenação do secretário-executivo do FCO, Orcino Gonçalves Júnior. Também participaram, pela SED, os superintendentes executivos de Indústria, Victor Hugo de Queiroz, de Agricultura, Antônio Flávio de Lima, e o superintendente de Comércio Exterior, Luiz Medeiros.

Do total dos recursos, R$ 144,4 milhões foram destinados para empresas de porte pequeno, R$ 23,1 milhões; pequeno-médio, R$ 11,9 milhões; médio, R$ 41,3 milhões; e de grande porte, 68 milhões. A área rural receberá aportes de R$ 47,1 milhões, subdivididos nos grupos: Mini, R$ 9 milhões; Pequeno, 27 milhões; Pequeno-Médio 5,5 milhões; e Médio, R$ 5,4 milhões. As empresas contempladas estão instaladas em 22 municípios goianos. Elas atuam no segmento industrial, de comércio e serviços, infraestrutura, turismo, rural e integração rural e vão gerar 878 novos empregos em Goiás.

Maronezi ressaltou a importância do FCO como instrumento de desenvolvimento do Estado: “Nesse momento delicado da economia é que precisamos injetar recursos no setor produtivo, para que os efeitos da crise sejam amenizados”, diz. O superintendente Antônio Flávio de Lima disse que entende a importância dos demais segmentos, mas defendeu o fortalecimento da cadeia do agronegócio: “O Brasil foca muito no setor automobilístico. Entendemos que todos os segmentos precisam de apoio, mas devemos dar especial atenção no que somos mais competentes”, ponderou.

Banco do Brasil

O gerente de Negócios do Banco do Brasil, Giovanni Chaves, representando a instituição bancária, informou que 200 dos 246 municípios goianos já foram atendidos, neste ano, com recursos do programa. “97,6% já receberam investimentos e acreditamos que até o encerramento do semestre todas as cidades serão contempladas”, informa.

Questionado por Orcino Júnior sobre o programa do Banco do Brasil BB Convir, Chaves se comprometeu a fazer uma apresentação para os presentes no próximo encontro do Conselho. Mas adiantou que o BB Convir é um convênio de integração rural entre o Banco do Brasil e empresas integradoras ou cooperativas de produção agropecuária que beneficiam ou comercializam produção agropecuária. Pelo convênio, o banco financia os produtores rurais integrados a essas empresas em custeio e investimento com as diversas linhas de crédito rural. “É uma linha de crédito com inadimplência zero em Goiás. Por isso, temos o maior interesse em aumentar essa parceria que tem dado certo”, esclareceu.

A baixa inadimplência no regaste dos financiamentos do Fundo também mereceu registro. Segundo o Banco do Brasil, a taxa de inadimplência em Goiás está na casa de 0,4%, uma das mais baixas do país.

ÂÂ

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here