Educação em todo tempo

0
808

E1 04

Com modelo educacional que dá condições ao educando de desenvolver suas potencialidades, a Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) possui 22 unidades na capital com atendimento em tempo integral para o Ensino Fundamental. Nessas instituições, os alunos chegam às 7h e permanecem até as 16h, com acesso a três refeições diárias, durante nove horas de atendimento contínuo.
As escolas em tempo integral em Goiânia possuem estrutura física que garante a logística para seu funcionamento. Variados ambientes são ofertados dentro da escola com o objetivo de favorecer a continuidade das atividades com conforto e segurança. “O espaço que temos aqui na escola nos ajuda a ter condições para desenvolver nosso trabalho, lembrando que é perceptível a satisfação deles estarem aqui”, ressalta Rafael Maga­lhães Cavalcante, diretor da Escola Municipal Paulo Teixeira de Men­donça, localizada no Setor Negrão de Lima.
O aumento da jornada escolar é um dos princípios que compõe a proposta da educação em tempo integral. ”Com o aumento do período de permanência das crianças e adolescentes no interior das escolas, as atividades pedagógicas se qualificam no sentido propiciar uma formação mais crítica e criativa”, afirma Milene do Amaral Ferreira Vicente, apoio técnico-pedagógico da SME.
Além das 22 unidades que atuam em tempo integral, outras 95 instituições ampliam o tempo de permanência dos alunos nas escolas com a participação em atividades extracurriculares por meio do Programa Mais Educação. Atual­mente, 9 mil alunos são atendidos na Educação Integral de Goiânia.
Múltiplos saberes
Um dos diferenciais da proposta da educação das escolas em tempo integral é a aproximação entre as ações pedagógicas desenvolvidas como parte do currículo obrigatório e as atividades específicas. “Essa relação entre saberes escolares, dentro do viés curricular, e as atividades específicas favorecem a uma aprendizagem mais viva, porque o educando ao trabalhar as várias linguagens consegue dar mais sentido ao que aprende”, destaca a coordenadora pedagógica, Lorena Rodrigues Soares.
As atividades específicas contempladas em período integral na Es­cola Municipal Paulo Teixeira de Mendonça são desenvolvidas com o uso da sala de leitura, sala de pintura, sala de recursos multifuncionais, es­paço para a dança e música e a produção de jornal. Para desenvolver esse trabalho os profissionais permanecem os dois períodos na escola, os quais têm garantido o tem­po de planejamento. “Esta for­ma de organizar o trabalho pedagógico favorece a identificação do educador com a instituição, levando a um avanço considerável no processo de aprendizagem dos educandos”, afirma Ellen Cristiane Lima Go­mes Pereira, professora da instituição.
A integração entre as diversas ações favorece o relacionamento dos educandos, ao possibilitar o exercício da troca de experiências de forma continuada. “Gosto de estar aqui na escola durante todo o dia, porque as atividades não são repetitivas. A produção de jornal me chamou atenção e meus colegas gostaram também. Trabalhamos juntos e isso é legal, porque a gente ajuda e é ajudado pelos colegas. Outra coisa que eu gosto muito é a pintura, porque além de pintar aprendemos sobre os artistas, como o Antônio Poteiro”, ressalta o educando Breno Lima de Carvalho, 12 anos.     
As atividades específicas não se restringem às linguagens da arte. Ações formativas que possibilitam conhecer e pesquisar com profundidade determinada temática têm sido valorizadas na rotina escolar. “É importante destacar que o processo pedagógico deve estar aberto para novas formas de se constituir, porque são múltiplas as maneiras de propiciar ao educando a formação integral”, afirma Marcos Pedro da Silva, diretor da Diretoria Pedagógica da Secretaria Municipal de Educação e Esporte.

Ser Integral
A proposta político-pedagógica para a educação em tempo integral na SME foi fruto de ampla discussão com a sociedade organizada. Caracterizada pela participação  democrática, as reuniões definiram princípios a serem valorizados no processo de ensino aprendizagem. “Nesta visão os saberes escolares se apresentam enquanto ferramentas de emancipação, onde se busca oportunizar uma educação mais efetiva do ponto da autonomia, da participação coletiva e de intervenção do educando dentro e fora da escola”, afirma Milene Vicente, apoio técnico-pedagógico da SME.
Nesta concepção o educando é reconhecido de forma ampla. “O grande avanço da escola em tempo integral é que ela se tornou um instrumento facilitador para uma formação integral dos educandos. A educação não é mais vista apenas no plano cognitivo. Fatores como cultura, o corpo e as emoções do educando são considerados aspectos importantes também e tudo dentro de um ambiente que contextualiza os saberes”, pondera Silva, diretor da Diretoria Pedagógica da SMEE. (Luiz Fernando Nunes Hidalgo)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here