Brincadeira consciente

0
608

E6 e E7 01

O combate ao uso do cerol foi intensificado pela Prefeitura de Goiânia nas últimas semanas. A campanha “Pipa Sem Cerol” ganhou as ruas para incentivar crianças e adolescentes a brincar de forma consciente, sem correr riscos ou provocar acidentes.
A iniciativa atua em toda a cidade com a finalidade de alertar para o perigo da mistura de cola com vidro moído e informar sobre a Lei Municipal nº 8.832, de 2009, que proíbe o uso de material cortante em linhas de pipa.
Outro foco da ação é incentivar a população a denunciar situações envolvendo o uso de cerol pelo Disk Denúncia: 3524-8290. Segundo dados da Central de Controle Ope­ra­cional (CCO) da Guarda Civil Metropolitana (GCM), até o mo­mento, foram atendidas 250 ligações e realizadas cerca de 160 apreensões entre materiais como linhas com cerol, chilenas (tipo de linha) e pipas.
A campanha está em sua oitava edição e prevê ações durante dois meses. A iniciativa conjunta envolve a Guarda Civil Metropolitana (GCM), secretarias municipais de Educação e Esportes (SME), de Assistência Social (Semas), de Trânsito, Transporte e Mobilidade, de Saúde, Agência de Turismo e Lazer (Agetul); além das polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, Juizado da Infância e Juventude e iniciativa privada.
Neste ano, a programação inclui a­tividades em escolas e centros mu­ni­cipais de Educação Infantil da re­de pública municipal, núcleos de As­sistência Social (NAS) e centros de Referência de Assistência Social (Cras). Os locais recebem palestras, ex­posições de trabalhos sobre o ce­rol e apresentações do grupo Anjos da Guarda e profissionais da Polí­ti­ca Ar­ticulada de Educação da Paz (Epaz).
Segundo o presidente da GCM, Elton Magalhães, o objetivo é acabar com a prática do uso do cerol nas pipas. “Não queremos proibir ninguém de brincar, mas precisamos alertar a sociedade, orientar para que a brincadeira seja feita sem prejudicar ninguém”, declarou.

Pipa Sem Cerol
No período de ventos e de férias, a proposta da Prefeitura é fazer com que a brincadeira com a pipa não pas­se de um momento de diversão para de um ato que pode gerar perigo. Para alcançar este objetivo a or­ganização da Campanha aposta em ações educativas e preventivas. Com o início da campanha, este trabalho é intensificado nas unidades e­ducacionais da rede pública de Goiânia.
De acordo com a pedagoga Aline dos Santos Vieira, o projeto leva a mensagem da brincadeira livre de riscos até as crianças, que multiplicam as informações. “Depois de co­nhecerem o perigo, acho que não vão mais querer soltar pipa com cerol.

Crianças são agentes que le­vam o recado”, avalia a professora.
Para o diretor da Unidade Regional de Educação (URE), Paulo Lelis, a parceria tem repercutido junto à sociedade e alerta para uma atenção ainda maior nos períodos recreativos e de férias. “É importante que a sociedade participe da ação, levando os ensinamentos sobre os perigos do uso do cerol, no sentido de amenizar os possíveis danos à vida”, comentou.
O aluno Arthur Guilherme Freitas Martins, 12 anos, relata prefere não correr riscos. “O cerol é muito perigoso. Melhor ficar sem a pipa.”, concluiu após participar das ações da iniciativa.
Outro exemplo de atividades educativas e preventivas são os encontros realizados nos Creas. Em uma destas ações, ocorrida no Cras do Jardim Curitiba, as crianças participaram de palestras com o grupo Anjos da Guarda, confecção de pipas com o grupo Brinquedo de Papel, apresentação de música com a banda da GCM, atividades recreativas e receberam brindes. As unidades de assistência social atendem famílias e crianças em situação de vulnerabilidade.
A assistente social, Valéria Ferrei­ra, gerente do Cras, destacou que a brincadeira de soltar pipa com cerol é crime. “Pessoas estão perdendo a vida por causa de uma brincadeira irresponsável”, ressaltou.
Segundo Ferreira, é importante conscientizar as crianças para uma nova atitude. “Devemos também lembrar os pais e responsáveis que agora, em meados de julho e agosto, os ventos são fortes e as crianças estão em período de férias escolares. Solte pipa, mas solte sua pipa com segurança. O vidro do cerol é altamente cortante e pode colocar em risco muitas vidas”, alertou.


Retrospecto

 

Nos últimos anos, os dados da Campanha Pipa Sem Cerol apontam diminuição no número de vítimas. Em 2010, o cerol fez 47 vítimas, com quatro mortes; em 2011 houve uma morte; em 2012 não foi registrado nenhum caso com vítima fatal. Já em 2013, apesar de poucos casos de acidentes com cerol, houve registro de um óbito na Região Oeste. No ano passado, foram contabilizados cerca de 320 denúncias e nenhum caso de morte ou ferimento grave em decorrência do cerol foi registrado. Em 2015, até o momento, foi registrado um caso com vítima fatal em Goiânia. Até o encerramento das atividades haverá um balanço final das ocorrências. As últimas ações do projeto ocorrem no dia 17 de agosto, na Estação Digital, localizada na Praça do Trabalhador, no Setor Central.


 

Dicas de Segurança

Não use linhas com fio de cobre, cerol ou linha chilena. Somente as de algodão
Não solte pipas perto da rede elétrica, locais próximos à antenas e fios telefônicos
Dê preferência a locais abertos
Não faça pipas com papel laminado. O risco de choque elétrico é grande
Não brinque em cima de lajes ou telhados
Evite brincar em lotes baldios, pois podem haver cisternas ou fossas abertas
Tente soltar pipa sem rabiola. Na maioria dos casos, a pipa se prende no fio devido à rabiola
Olhe bem onde pisar, especialmente ao andar para trás
Instale antenas de seguranças nas motocicletas
Ande com a viseira do capacete abaixada
Caso encontre alguém utilizando cerol, acione a Guarda Civil Metropolitana

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here