Rede em movimento

0
840

E8 e E9 01Cerca de 130 mil alunos da rede municipal de Educação da Capital goiana retornam às aulas a partir desta segunda-feira, 3. Para o segundo semestre, a Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) programa uma série de ações para colaborar com o trabalho pedagógico desenvolvido nas 360 instituições educacionais.
Programadas em diversas áreas do conhecimento e múltiplas linguagens, a Gerência de Projetos Educacionais (GPE) tem, no cronograma até o final do ano letivo, atividades que contribuem para fortalecer o processo de ensino aprendizagem dos educandos.
Um dos projetos propostos é a formação de um coral com educandos de nove escolas. “Esta iniciativa visa promover o acesso a essa expressão artística, além de estimular o talento musical por meio da prática do canto coral, contribuindo para a educação integral do indivíduo”, afirma o apoio técnico-pedagógico Adriana Goulart.
O incentivo ao contato com a arte contribui para avanço do senso crítico e criativo do educando e do interesse pela leitura. Esta é a visão do apoio técnico-pedagógico Valquíria Duarte que considera importante o projeto Arte em Movimento que faz intervenção direta nas instituições com contação de histórias, brinquedos cantados e oficina de dança.
Os jogos matemáticos são alternativas para as instituições que buscam melhorar o rendimento do raciocínio lógico dos educandos. “A proposta é que ocorra uma oficina por semana com o objetivo de ampliar a capacidade de concentração, de organização e de socialização dos alunos”, destaca o apoio técnico-pedagógico Humberto Nunes Rodrigues.
Especificamente para a Educação de Adolescente, Jovens e Adultos existe a oferta do projeto que utiliza o cinema como ferramenta pedagógica. Os filmes têm o perfil de curtas ou médias metragens, selecionados pela GPE em acordo com a instituição solicitante. Eurim Pablo Borges, apoio técnico-pedagógico, ressalta que, paralelamente a esta intervenção, ocorre também a formação deprodutores de audiovisuais.

Dois projetos compõem o quadro de opções para que unidades educacionais possam participar de iniciativas de educação ambiental. A Vila Ambiental, localizada no parque Areião, e o Parque Zoológico, no Setor Oeste, são alternativas de espaços preparados com o objetivo de dar aos educandos condições de refletirem sobre o meio ambiente. O apoio técnico-pedagógico Sílvia Freitas Alves destaca que os projetos contam com equipes de especialistas em educação ambiental e que buscam motivar o debate dentro das unidades educacionais sobre a sustentabilidade no mundo atual.
“Entendo todas estas atividades como ampliação do currículo, pois promovem a valorização da cultura e do contexto no qual os educandos estão inseridos”, enfatiza Ronyson Camilo Soares, Gerente de Projetos Educacionais.

Espaço Formativo
Outra equipe que colabora na continuidade das atividades desenvolvidas no segundo semestre pelas instituições é o Centro de Formação dos Profissionais da Educação (Cefpe). O Centro, com a oferta de cursos que abrangem professores e servidores administrativos, propicia formação atualizada às novas necessidades surgidas nas escolas e Cmei.
O Cefpe tem como princípio colaborar com a prática e reflexão pedagógica que favoreça a qualidade do processo de ensino-aprendizagem. “O cronograma na continuidade do ano letivo visa possibilitar acesso dos profissionais da educação a cursos compatíveis com demandas provenientes do universo escolar”, ressalta o diretor do Departamento Pedagógico, Marcos Pedro da Silva.
Ações formativas da segunda metade do ano letivo visam fortalecer práticas pedagógicas contextualizadas. “A cada participação nos cursos promovidos pelo Cefpe, percebo meu amadurecimento em várias dimensões, como por exemplo, a ampliação da minha visão sobre a importância de melhor compreender a realidade cultural e social dos educandos”, destaca a educadora Ana Mônica Macedo de Oliveira, da Escola Municipal João Clarimundo de Oliveira.

Calendário
O calendário escolar prevê 200 dias letivos e carga horária mínima de 800 horas. Dentro deste período, estão garantidos os momentos em que as unidades fazem os planejamentos pedagógicos. Até dezembro serão quatro dias de planejamento, reuniões que proporcionam aos profissionais das instituições o tempo necessário para avaliar o desenvolvimento do trabalho pedagógico, assim como a organização de novas atividades e projetos.
“Ter esta condição de planejar coletivamente o trabalho pedagógico faz toda diferença, porque os educadores conseguem propor atividades interdisciplinares, além de aproximar mais da realidade dos educandos”, destaca Ana Cristina de Souza, Gerente de Planejamento e Gestão Educacional da SME. (Luiz Fernando Nunes Hidalgo)

Â

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here