Sim, é só uma interrupção temporária

0
970

E1 02.jpg escola

Quando a Tribuna do Planalto (TP) encerrou o 11º concurso de redação Goiás na Ponta do Lápis no ano passado, o sentimento de toda a equipe do jornal era um misto de satisfação pela conclusão com sucesso de mais uma edição com incertezas para o próximo ano. Incertezas porque já em 2014 o cenário era de grandes dificuldades para a TP, sobretudo a financeira, até mesmo para a conclusão daquele evento, cujos preparativos foram iniciados ainda em 2013.
Isso sem falar que a inflação, juros altos, juntamente com a crise política que o país enfrentava durante o ano eleitoral, eram o prenúncio de muitos meses de estagnação econômica e desemprego para os brasileiros, trazendo para 2015 impactos em todos os setores da sociedade.
E a chegada de 2015 trouxe a comprovação do que era temido pela Tribuna: a 12ª edição do Goiás na Ponta do Lápis teria de ser adiada. Seria preciso dar uma pausa em 11 anos ininterruptos de eventos memoráveis, para garantir, nesse período, os ajustes e reformas necessárias à adequação estrutural da empresa, tendo como meta a retomada do concurso, que durante todo esse tempo conquistou a comunidade escolar, sendo ferramenta pedagógica em sala de aula para estimular o gosto pela leitura e escrita.  
E essa decisão não foi fácil para todos nós da Tribuna, por isso não faltaram tentativas de alavancar a 12ª edição, mesmo com a perda de meses de preparação. Porém, ao atropelar importantes fases para dar sequência ao evento, poderíamos ocasionar um erro maior, com a descaracterização de tão importante projeto, o que não justificaria a angustia de não realizá-lo neste ano de 2015.
No meio educacional, a notícia também causou tristeza aos alunos e professores ansiosos pela participação de mais um certame, que sempre envolve também pais e familiares nos diálogos e leituras, em busca de acrescentar conhecimentos para a produção das redações pelos estudantes.
“É com coração cheio de tristeza e desesperança que fui informada da não realização do concurso. Considero de grande importância o Goiás e o Goiânia na Ponta do Lápis como instrumentos de incentivo ao meio educacional. Incentivo que vem colaborar com o desenvolvimento da leitura, escrita e da criatividade dos nossos alunos”, lamenta a professora Neuza Maria Miranda, do Colégio Estadual José Lobo.
Para ela, a premiação oferecida pelo evento também é esperada pelos alunos como um sonho a ser conquistado: “Muitos desses alunos veem na participação a oportunidade de conseguir a premiação e realizar o sonho da bicicleta e até mesmo do tablet. E o prêmio também acaba por valorizar nosso trabalho, pois, ao participarmos da possível realização do sonho de alguém (alunos), nos sentimos imensamente gratificados e felizes”, conclui Neuza.

Parceria e estímulo
Entre os subsecretários regionais de Educação, parceiros incondicionais do concurso e peças-chaves para motivação de participação dos professores e alunos, a não realização do evento transformou-se em solidariedade e confiança de todos de que a decisão tomada é, sem dúvida, a mais correta.
De acordo com a subsecretária regional de Anápolis, Sonja Maria Lacerda, embora com sentimento de tristeza pela interrupção, a opinião geral dos subsecretários é de que, em 2016, o Goiás na Ponta do Lápis voltará fortalecido.
“Ficamos muito abatidos com o comunicado que diante da crise instalada no país não seria possível realizar a 12ª edição do Goiás na Ponta do Lápis. Porém, acredito na sabedoria Divina e creio que a pausa irá acontecer para que vocês voltem ainda mais fortes, com redesenho muito melhor.” E acrescenta: “Tenho certeza que, para o ano que vem, com uma nova proposta, a equipe do projeto, nós educadores e os alunos da rede estadual de ensino faremos juntos uma nova edição, mais abrangente do que as que já foram realizadas nas edições anteriores. Contem conosco para o ano de 2016.”
Marcilene Martins de Freitas, subsecretária regional de Santa Helena, também partilha da mesma opinião, reforçando a convicção que diante desse cenário de crise vivenciada em todos os setores da vida social do país, a pausa no evento é a mais sensata decisão por hora.
“Quero reiterar o apreço a vocês e parabenizar por todas as edições do Goiás na Ponta do Lápis, após questionamentos sobre a realização deste ano, e também depois de ouvir a equipe de diretores concordamos de esperar para o próximo ano, para não descaracterizar um evento tão marcante”, reforça.   
Nas palavras do diretor-presidente da Tribuna, o tempo é de aprendizado e aprimoramento, num despertar para a grande importância dos valores sociais, que vão direcionar o futuro do país, que estará nas mãos desses hoje jovens estudantes.
“Sabemos bem do compromisso que temos com a informação e formação de cidadãos e da importância de levarmos adiante esse concurso, grande legado da Tribuna à Educação em Goiás. O Goiás na Ponta do Lápis não somente abre o debate social para questões importantes do dia a dia, colocando-se a serviço da Educação no estímulo à leitura e escrita dos alunos, como também promove a apreensão do saber crítico, ferramenta fundamental para o desenvolvimento da cidadania”, enfatiza Barbosa.


Uma belíssima trajetória de onze anos de sucesso ininterruptos

 

 

Há doze anos a Tribuna do Planalto deu início a uma das mais importantes ações da iniciativa privada de estímulo à leitura e escrita dos alunos das redes pública e particular de ensino de Goiás, numa parceria com a Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte (Seduce).
E como nada na história da Tribuna acontece por acaso e em nenhum momento fora de sintonia com a sociedade, como bem mesmo afirma o diretor-presidente, Sebastião Barbosa, o Goiás veio complementar o Goiânia na Ponta do Lápis, projeto primeiro da Tribuna (que se encontra na sua 16ª edição), que abrange as unidades de ensino da capital.
Hoje, consolidados, os dois concursos dão a dimensão do compromisso do jornal com os grandes desafios da Educação e com o pleno exercício da cidadania, sendo agentes provocadores, para que alunos, professores e dirigentes e tantos outros envolvidos com o processo educacional de alguma maneira cooperem para apreensão do conhecimento e do saber crítico, tão necessários à formação de cidadãos conscientes de seus direitos e deveres sociais.
E nenhum dos 247 municípios fica fora do projeto. As 40 regionais que compõem a rede de ensino do Estado, além das unidades escolares das redes municipal e particular, participam do concurso pelo debate, leitura e escrita de temas relevantes, que influenciam a vida da sociedade.
E nesse tempo todo, o concurso alcançou dimensão especial e grande sucesso, oferecendo aos alunos, por meio das subsecretarias regionais de ensino, a oportunidade de produzirem seus textos, alcançando, como consequência, o desenvolvimento da criatividade, da reflexão e do saber crítico, em que o diálogo dentro das salas de aula estimula a autonomia dos estudantes, abrindo caminhos para melhoria da Educação em Goiás.

Florescendo talentos
Além de ser uma oportunidade para que estudantes possam aprimorar a leitura e escrita a partir de assuntos de interesse coletivo, o Goiás na Ponta do Lápis também dá aos jovens a chance de se expressarem artisticamente. E que, durante a entrega de premiações, a festa se transforma em um grande palco, em que não somente os que produziram seus textos podem expressar seu conhecimento sobre o tema.
Muitos outros talentos são revelados pela dança, música, teatro e contação de histórias, entre outras apresentações artísticas, que encantam pelo esmero e satisfação que são preparadas em cada detalhe. São verdadeiras surpresas que emocionam a comunidade escolar, pais, familiares e amigos que comparecem aos eventos para prestigiar os alunos classificados. As festas de premiações são de encher os olhos!
E é por essa e várias outras respostas positivas, embasadas em debates dos temas nas escolas, nas pesquisas e até em experiências das famílias, professores e amigos para a produção das redações é que o Goiás na Ponta do Lápis atinge o seu essencial objetivo, o da formação cidadã, onde a escola oferece oportunidades iguais a todos os estudantes.


Saiba mais

Temas das onze edições do Goiás na Ponta do Lápis
1º – Minha Cidade Melhor, com trabalho e paz e Os Caminhos da minha cidade: desenvolvendo e preservando.
2º – Eu Aprendi com o Esporte!
3º – Comer Bem, Viver Melhor.
4º – Ser Cidadão na Minha Comunidade…
5º – O Que Posso Fazer na Minha Comunidade Para Ajudar o Planeta
6º – Cerrado, o Berço das Águas.
7º – Novas Tecnologias da Comunicação: Aliadas ou não da Educação?
8º – Goiás sem Drogas: A Responsabilidade é de Todos Nós!
9º – Valores Familiares: Como é Possível Resgatá-los?
10º – A Juventude e as Mídias Sociais.
11º – Queimadas: Crime Contra a Vida.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here