Fera ao volante

0
723

 

Quem nunca acelerou quando o condutor na via ao lado sinaliza para entrar na frente, que atire a primeira pedra. Não é preciso trafegar muito por Goiânia para ver um monte de irregularidades nas ruas. Não utilizar a seta é uma das mais comuns, mas as faltas vão desde carros estacionados em lugares inapropriados a pedestres atravessando fora da faixa – que, às vezes, está até próxima.

Buzina, então, nem se fala. Como se não bastassem, muitas vezes, os gritos e xingamentos. Até as rótulas, tão comuns na cidade, têm sido substituídas por semáforos, nos lugares de maior fluxo, porque ninguém mais está disposto a ceder a vez ao próximo. O que também não impede que os apressadinhos furem o sinal vermelho.

Motociclictas, cada vez mais abusados, andam sobre calçadas, ameaçando pedestres, para evitar a fila de veículos à sua frente. O sentido de coletividade, solidariedade e respeito no trânsito parece estar fora de moda.

A cultura do transporte individual que tem dificultado a implantação de medidas em favor da mobilidade urbana, nos últimos tempos, também tem sido uma das grandes vilãs em termos de violência no trânsito. A cada dia, vê-se o aumento de infrações cometidas não só pelos condutores, mas também por pedestres e ciclistas – estes em menor grau, claro. Tudo graças a um comportamento que tem se tornado comum na sociedade: o individualismo.

Essa é a opinião da cientista social Sílvia Rosa da Silva Zanolla, que é docente na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás e pós-doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano. A pesquisadora acredita que o trânsito reflete o comportamento social. Logo, se o indivíduo comporta-se socialmente de uma forma individualista, dificilmente ele irá pensar no coletivo ao tomar decisões ao volante.

“Uma pessoa nunca é em casa o que não seria no carro. Uma pessoa que não tem educação e não pensa no próximo, sempre vai levar esse comportamento para os ambientes. Ela entra no carro e é ela e o carro”, expõe Zanolla. De acordo com ela, todavia, o problema não está somente no indivíduo, mas em toda a estrutura sobre o qual a sociedade ergue-se, atualmente, o que passa pelos sistemas de produção e criação do desejo.

“As questões econômicas e estruturais influenciam muito no que diz respeito à violência. A visão que a indústria vende do automóvel fortalece a violência e a competição no transito. Por exemplo, por que se fabrica um carro que pode ir acima de 100km/h, se existe uma lei que limita a velocidade?”, questiona a pós-doutora. Para ela, o automóvel tem uma representação muito idealizada pela indústria cultural, o que fortalece um ideal individualista.

“As indústrias não estão preocupadas em produzir um produto educativo, mas um que venda. Isto traz consequências, pois as pessoas não refletem sobre suas ações, mas competem o tempo inteiro”, comenta Zanolla. Essa competição impele as pessoas a deixarem de pensar no bem maior, pré-requisito para a harmonia no convívio social, para o qual é necessária a renúncia das vontades imediatas em prol do coletivo.

A docente apoia-se na teoria psicanalítica elaborada pelo psicanalista Sigmund Freud. “Freud parte do pressuposto que todos nós que vivemos em sociedade, para sermos aceitos e conviver socialmente, precisamos renunciar nossos instintos mais primitivos. O ser humano precisa tentar equilibrar esses instintos”, argumenta. De acordo com ela, esse equilíbrio está na capacidade de reflexão sobre o coletivo e o individual, no sentido de uma harmonização.

“Atualmente, as pessoas estão muito voltadas para o que é mais prático. Elas não estão sendo formadas para esse sentido de reflexão, mas para atender as satisfações imediatas. Ou seja, para ganhar dinheiro, eu me corrompo, ou faço qualquer coisa”, observa a pesquisadora. Para ela, este é um fenômeno que tem atingido todas as camadas da sociedade e que, se não for revertido, poderá levar não apenas ao aumento da violência, mas a uma autodestruição.

“Uma pessoa corrupta, psicologicamente, só pensou em satisfazer suas necessidades mais imediatas. Se não houver uma mudança de mentalidade das pessoas individualmente e coletivamente podemos cair na barbárie”, analisa. A única saída, neste sentido, seria o investimento em uma formação ampla para o cidadão, que englobe não só direitos e deveres, mas a humanização e a ética.

“A ética é isso, o sujeito sofre com a dor do outro, ele tem uma alteridade. E quem pode dar isso é a educação, a formação, a cultura. A gente vive um mundo sistêmico, então a minha ação reflete sobre o outro”, expõe.

Educação que transforma

Não é raro ouvir argumentações que defendam a educação como o princípio para a mudança. No trânsito, ocorre da mesma forma. A diferença é que o investimento nos condutores e usuários das vias não trazem tanto retorno, quanto o tempo dedicado à formação na infância. Por essa razão, as escolas são um dos principais públicos-alvo da Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade de Goiânia (SMT).

De acordo com Andrey Azeredo, titular da pasta, a SMT tem trabalhado em dois campos, em termos de ações educativas para o trânsito: o motorista do futuro, e o usuário da via. No segundo caso, as campanhas são periódicas e regulares, mas no primeiro as ações tem caráter permanente. “Realizamos semanalmente palestras e eventos nas escolas que vão permitir uma melhor formação desse futuro condutor”, explica o secretário.

Do outro lado, as ações temporárias também tem surtido efeito no trânsito, mesmo que em menor escala, na avaliação de Azeredo. “Geralmente, são ações temáticas, apresentadas pelos próprios técnicos da secretaria e que podem ser permanentes ou pontuais. Por exemplo, o Maio Amarelo, desenvolvida em parceria com a Secretaria Municipal de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida (Semped)”, exemplifica.

Neste caso, cadeiras de rodas com o aviso de “É só um minutinho” são espalhadas pela cidade em vagas não destinadas a Portadores de Necessidades Especiais (PNE), como uma forma provocativa de alertar os condutores que costumam usar essa desculpa para estacionar nas vagas especiais. “Busca-se despertar no condutor o mesmo incômodo que os PNE têm quando as vagas preferenciais são usadas irregularmente”, explica.

Para Sílvia Zanolla, o investimento maior deveria ser na educação permanente, vez que a formação a longo prazo poderia modificar este cenário. A docente defende, inclusive, a inclusão de uma disciplina específica no currículo escolar do ensino fundamental. “No trânsito, se não há uma visão consciente da função do automóvel e das normas, não vai adiantar fazer um cursinho no Detran, em que ele decora o livretinho e aí acabou”, critica.

“Realmente, a chave para conseguir superar toda essa situação está justamente no incentivo e investimento à formação desde a infância”, orienta a psicóloga. “Essas campanhas temporárias, muitas vezes, acabam deseducando o condutor. Lembro que há seis ou sete anos, fez-se um comercial em que o pai estava com a criança no carro e era ultrapassado e a criança xingava o motorista que tinha ultrapassado. Então, traz uma visão contraditória”, nota.

Para o doutor em Transportes Willer Carvalho a culpa é da falta de interesse do Poder Público em investir em medidas de formação. “É um processo de educação que tem que ser amplo. Não é só o motorista, precisa atingir todos os usuários da via, incluindo pedestres e ciclistas. Eu acho que as campanhas educativas são importantes e tem um papel, mas sozinhas não conseguem atingir o objetivo maior que é o de formação”, diz.

O público-alvo, Carvalho aponta que, preferencialmente, são as crianças, porque além de serem o futuro do trânsito, tem o poder de influenciar os condutores de suas casas. Ainda na opinião do pesquisador, as multas têm resultados imediatos, mas não são eficazes na formação. “A lei seca que já trouxe alguns resultados, por exemplo, é punitiva, não é educativa. A pessoa não parou de beber porque põe em risco a vida de outras pessoas, mas pela dor no bolso”, observa.

Punir ou não?

No senso comum, o comportamento só muda, quando se mexe no bolso. Bem, a SMT acredita nisso. Pelo menos, em parte. “É uma forma até jocosa de dizer, mas alguns só se incomodam quando provocados na parte mais sensível do corpo, que é o bolso”, provoca o secretário Andrey Azeredo. Para ele, a atuação mais eficiente da secretaria por meio da fiscalização eletrônica tem resultado em saldo positivo para a cidade.

“Eu acredito que um exemplo, com resultado positivo e numericamente comprovado, são os corredores preferenciais fiscalizados eletronicamente pelos nossos agentes. Quando da implantação dos primeiros na Rua 10 e na Avenida T-63, o número de autuações foi enorme. Hoje, se mantém num patamar bem abaixo do original. Isso quer dizer que o cidadão respeita, observa e sabe que será multado se cometer a infração”, avalia.

Nestes termos, os números podem até ser representativos, mas não representam uma mudança de comportamento real, na análise de Sílvia Zanolla. De acordo com a cientista social, a indústria da multa instaurada na cidade, não promove uma conscientização, pelo contrário. “Ela desinforma. A pessoa vai lá pagar a multa, ou até sonega. E não é que a pessoa seja ruim, é porque é ignorante, no sentido de não ter conhecimento”, explica.

“Pode até resolver em um sentido mínimo. Mas, não acreditamos em medidas paliativas, sem o cunho da formação pedagógica e cultural. É preciso investir na formação do sujeito”, assevera Zanolla. “Eu concordo que, como a educação leva um tempo maior, a punição faça parte desse processo. O que não concordo é que as autoridades encarem essa concepção como uma forma de educação, o que não é”, comenta.

Na opinião da psicóloga, a defesa da resolução do problema pela punição tem se tornado comum. Mas, por mais que surta efeito a curto prazo, não irá resultar em uma sociedade mais humana, ética e com alteridade. “Na punição o efeito é mais rápido, mas isso tudo é ilusão. É totalmente insuficiente. A continuarmos a investir em punição, sem investir na educação, a tendência é piorar a violência no trânsito. Isso é um prognóstico meu”, critica.

Para Willer Carvalho a lei é até rigorosa, mas a sua aplicação não é efetiva, principalmente pelos instrumentos de fiscalização que são falhos na cidade. O docente aponta que um dos fatores que pode influenciar neste sentido é um efetivo formado por um número de agentes de trânsito inferior ao que a demanda de Goiânia necessita. Por essa razão, a punição tem deixado muito a desejar.

“A legislação é correta e rigorosa, mas não atinge seu objetivo por falta de fiscalização. Os órgãos responsáveis não tem a estrutura necessária para atender a região metropolitana de Goiânia”, expõe Carvalho. Para ele, o misto entre a falta de conscientização dos condutores e demais usuários das vias públicas, em relação ao coletivo, aliada à falta de punição, com relação às penalidades estabelecidas, são uma fórmula para o desastre.

Alguns números de Goiânia

1,23 habitante/carro

1,14 milhões de automóveis registrados

120 pessoas já morreram em 2015 em acidentes de trânsito

Em 2014, foram 269 pessoas

84% das vítimas fatais estavam em motocicletas

27 morreram após atropelamento

Fonte: DICT

Andrey Azeredo titular da SMT diz que a agência faz sua parte de orientação fiscalização e punição quando necessárioInfrações como esta são cada vez mais comuns e mostram o nível de individualismo no trânsitoPara Willer Carvalho todos - pedestres ciclistas e motoristas - precisam passar por um processo educacional

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here