Câmaras vão monitorar trânsito em toda a cidade

0
1442
Entrevista Andrey Azeredo/Secretário Municipal de Trânsito

Peemedebista, Andrey Azeredo assumiu o cargo de secretário Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade de Goiânia no dia 2 de junho deste ano e já se destaca pelo trabalho que faz na área de mobilidade urbana, especialmente a abertura de espaço para circulação de bicicleta no trânsito da cidade dominado pelos carros. Formado em Direito pela Universidade Federal de Goiás e especialista em Política e Estratégia pela UEG, já ocupou o cargo de auditor-geral do Município de Goiânia (2005), controlador-geral do Município (2009), além de secretário de Compras e Licitação (2011/2012). Após passar pela Secretaria de Comunicação (2012), assumiu a Secretaria da Casa Civil (2014), cargo que ficou até maio de 2015, quando deixou a pasta para assumir a Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade. Na entrevista ele fala sobre mobilidade e os desafios para gerir o complicado trânsito da Capital do Estado.

Com quatro meses à frente da SMT, já se ambientou e levantou quais são os maiores desafios?
Sim, a adaptação foi tranquila, até pela boa receptividade que eu recebi aqui por toda equipe, do servidor mais graduado ao mais humilde, todos me acolheram de braços abertos. É uma equipe aguerrida, competente, determinada. Também temos todo o apoio do Paulo Garcia e dos demais secretários. Tudo isso possibilita atingirmos resultados que saltam aos olhos. Nós temos incrementado muito na recuperação da sinalização diária de toda cidade, o centro já está pronto. Estamos agora nos bairros, mais especificamente hoje nós estivemos no Jardim Novo Mundo, segundo maior bairro da cidade; já fizemos em toda Campinas, Vila João Braz, Parque Atheneu, Conjunto Mariliza, fora intervenções pontuais em ruas de grande fluxo, em todas as áreas de nossa capital.

Para melhorar o trânsito, a tendência é mesmo diminuir o espaço para o veículo individual?
Temos inovado, seguindo essa tendência mundial de retirar veículos das ruas, permitindo a melhor fluidez no trânsito. Por isso, temos empenhado em gerar um ambiente adequado e seguro para as bicicletas e pedestres. A ciclofaixa de lazer é um exemplo concreto disso, surgiu em julho, já temos hoje 14,3 km de circuito demarcado que tem tido uma receptividade enorme por parte de toda a sociedade goianiense, o que demonstra que é desejada essa opção pelo cidadão, para que ele possa escolher entre os variados meios de transporte qual ele pode usar de acordo com a sua necessidade de momento. Nós começamos com a ciclofaixa de lazer no intuito de resgatar o hábito da família goianiense de usar a bicicleta, bem como estimular as crianças a fazer desse meio de transporte um hábito mais frequente. Dando a oportunidade do condutor de uma moto/carro readquirir o hábito de observar mais o ciclista na rua para que todos tenham segurança.
Tem novidade para quem anda de bicicleta?
Agora já neste mês nós entregaremos a primeira ciclorrota, que é a demarcação e compartilhamento permanente da via entre todos os modais, carros, motos, bicicletas, permitindo que o trabalhador em especial que usa a bicicleta como meio de transporte tenha mais segurança no dia-a-dia num ambiente com mais tranquilidade na rua, melhor sinalizado, dando a ele segurança, orientando melhor o condutor e, com isso, buscamos retirar cada vez mais automóveis para que o trânsito flua melhor gerando menos poluição e ter mais qualidade de vida

Qual vai ser o percurso dessa ciclorrota?
O percurso é da Praça Cívica até a Avenida T-63, passando pela Avenida Cora Coralina 1132, 1137, Ricardo Paranhos até chegar a T-63 e no sentido inverso, pegando o Córrego Areião, avenidas 90 e 84. Não vamos segregar a via com a demarcação ao longo de toda a extremidade direita da via em vermelho, teremos desenhos de bicicletas de 25 a 25 metros com um fundo vermelho, sinalização sobre a via como acontece nos corredores preferenciais, com uma seta indicando: ‘Aqui é via de ônibus”. ‘atenção com as bicicletas’. E assim faremos nos quatro cantos da cidade. Até o final do ano, que é o nosso desejo.

Essas novas ciclofaixas, como a que foi implantada em volta do Zoológico, estão sendo monitoradas para saber se os motoristas estão respeitando?
Nós temos um respeito muito grande. Existem alguns, infelizmente, que insistem em estacionar o carro sobre a ciclofaixa no domingo. Esses carros são autuados. Quando o condutor está próximo, ele mesmo faz a retirada do veículo; quando não está, a via é desobstruída com nosso guincho e o carro é levado. Tem sido a cada domingo um número menor, com algumas variações, o que demonstra que já há uma percepção e respeito cada vez crescente em todo o trajeto. Trajeto este que ampliou muito, começou com 6,6 km do Parque Vaca Brava até o Parque Areião e hoje temos 14,3 km e não temos nenhum relato de acidente no período entre as 7h da manhã e as 16h do domingo, que é a hora que funciona a ciclofaixa, e um apoio grande da sociedade, que tem sido fiscal da ciclofaixa não permitindo que veículos parem nem pra conseguir informação. É interessante, demonstra que era um anseio muito grande.

Esse tipo de ação vai ser ampliada na cidade?
Sim. Está sendo elaborado um projeto para que a gente possa fazer uma ciclofaixa (ou uma via ciclável) na Região Noroeste, que tem muita demanda, buscando atender tanto o trabalhador como as famílias aos finais de semana.

Quando se fala em melhorar o trânsito, pensa-se logo em retirar veículos das ruas, mas uma das coisas que também podem ajudar é a melhoria do transporte coletivo público. Como está a obra do Corredor Norte-Sul?
A melhora efetiva e significativa do transporte em qualquer parte do mundo em grandes metrópoles passa pela melhoria da qualidade do transporte coletivo, restrição do uso de veículos particulares do transporte individual e o incentivo a meios alternativos, como a bicicleta e caminhada. No caso de Goiânia, já implantamos três corredores, avenidas Universitária, T-63 e 85, com faixas preferenciais para os ônibus. Nesses três corredores, pesquisas realizadas demonstram melhorias significativas para usuários do transporte coletivo. Já está em execução o corredor da Avenida T-7 e a licitação mais três corredores (T-9, Independência e 24 de Outubro) foi concluída na semanada passada bem como a ampliação do corredor da 85 e T-63. Assim, teremos uma rede de corredores preferenciais que, somando-se à obra do BRT Norte-Sul, gerará uma malha viária mais rápida para o transporte coletivo. O BRT, especificamente não é uma obra coordenada pela SMT e sim pela CMTC e pelo Núcleo de Mobilidade vinculado ao Paço Municipal. O objetivo, de acordo com palavras do prefeito Paulo Garcia, é no final do ano de 2016 entregar essa obra à população, dando mais rapidez e qualidade ao transporte coletivo, já que os ônibus ali serão diferenciados.

A SMT está investindo em tecnologia para melhorar o trânsito?
Goiânia já tem a sincronização semafórica, ou onda verde, em várias avenidas. Agora estamos preparando um procedimento licitatório para fiscalização eletrônica nas vias.  Em breve, as ruas de Goiânia vão receber 100 câmeras que vão ajudar a monitorar e melhorar o trânsito, mas que também poderão ser utilizadas para fiscalização.

A SMT vai expandir as vagas de estacionamento regulamentado, hoje restritas a partes do Centro e de Campinas?
Nós temos duas áreas, que é a Área Azul no Centro e a região de Campinas, com pouco mais de 2 mil vagas no total. A nossa intenção é colocar em licitação para uma empresa gerir esse o sistema de estacionamento rotativo pago da cidade de Goiânia. A empresa administraria e, constatando descumprimento da regra, acionaria nossos fiscais da SMT para efetuar a autuação. A ideia é que tenhamos no total 10 mil vagas de estacionamento rotativo, com expansão no Centro e Campinas e no denominado Centro Expandido (Marista, Oeste, Bueno, Jardim América)

A violência no trânsito está sendo enfrentada em Goiânia?
O trânsito no Brasil é a segunda causa de mortes e, no mundo, é a primeira causa, o que demonstra a gravidade do problema. Por isso, precisamos melhorar o nível dos novos condutores e investir em educação para o trânsito. A SMT realiza campanhas periódicas de orientação e instrução para quem já tem a CNH e para os novos e futuros motoristas, porque acreditamos que formar uma criança com novos valores é mais fácil do que tentar mudar o comportamento de um adulto. A faixa de pedestre é uma questão emblemática em Goiânia, onde já tivemos no passado recente um respeito maior pela faixa. Mas parece que parte do goianiense desaprendeu a respeitar a faixa. Por isso nós já apresentamos ao prefeito Paulo Garcia e ele já  autorizou a realização de campanhas publicitárias intensas e massivas para conscientizar a população a usar e respeitar a faixa de pedestre. Mas nos corredores preferenciais temos constatado uma redução expressiva de mais de 50% nas multas nessas vias.

O Sr. está indo para o Rio de Janeiro participar de um encontro sobre mobilidade…
Sim. É um encontro promovido pela Fundação Getúlio Vargas e que irá discutir os principais temas sobre mobilidade e soluções adotados no Brasil e em vários locais do mundo, com apoio técnico e qualificado de membros da FGV e convidados, para que a gente possa trazer novidades que são aplicáveis à realidade de Goiânia buscando a melhoria do nosso trânsito.


 “Solução para a crise das prefeituras é mudança no pacto federativo”

Boa parte das prefeituras fecharam as portas fechadas em protesto com relação à falta de recursos para cumprir suas obrigações.o enfrentar essa situação, tem saída?
Tem saída e ela passa pela alteração do pacto federativo. Ocorre que os municípios estão recebendo atribuições, obrigações, responsabilidades, mas não tem a fonte de recursos para custear. Isso está acontecendo com a Guarda Civil, que está realizando ações de segurança pública, mas que não tem verba para essa finalidade. Colocar responsabilidades para os municípios e deixar o dinheiro concentrado nos estados e na União é um desrespeito com o cidadão, que mora no município. Ninguém mora no estado ou na União, mora na cidade. E sem dinheiro não há mágica a ser feita. Precisamos melhorar a distribuição das receitas no País. Em Goiânia, o prefeito Paulo Garcia tem feito o dever de casa, com a reforma administrativa, extinção de cargos, além disso, precisamos melhorar a divisão da arrecadação nacional.

Apesar de alguns altos e baixos, PT e PMDB estão juntos há uns bons anos em Goiânia. Essa aliança deve ter continuidade?
Acredito que a discussão sobre a eleição de 2016 tem que se dar no momento adequado.  O que asseguro é que o PMDB, como o maior partido do estado, terá candidato próprio nas eleições de 2016.

O parceiro preferencial do PMDB continua sendo o PT ou pode ser o DEM?
O PMDB trabalha em cima de projetos. O projeto do PT com o PMDB, em execução em Goiânia, é um bom projeto. Se o DEM ou outro partido puder vir somar a esse projeto, não vejo restrição alguma, porque queremos o melhor pra Goiânia. O único partido que temos restrições claras é o PSDB, que possui ideias totalmente diferente no tocante a gestão pública.

Como está hoje a relação entre petistas e peemedebistas na administração de Goiânia. Aquele clima tenso acabou?
Eu posso falar por mim. Nunca sofri retaliação, agressão por parte de qualquer companheiro do PT, muito pelo contrário, tenho o sentimento de que sou bem tratado, querido, e que faço parte de uma equipe que busca o melhor para Goiânia. A forma que o secretário Andrey Azeredo é recebido dentro da Prefeitura de Goiânia eu posso te assegurar que é a melhor possível.

A gestão de Paulo Garcia até pouco tempo esteve bastante tumultuada, em baixa, derrotas importantes no Legislativo. Esse quadro está sendo revertido?
Sim. Veja o exemplo da SMT, que tem trabalhado muito e os resultados têm aparecido, o que reflete de fato na melhor aceitação desse grupo político que está gerindo a cidade. Isso ocorre não só com a SMT, mas com outras secretarias, que estão trabalhando dia e noite para melhorar a vida do goianiense. Essa recuperação efetiva nós avaliaremos com maior detalhamento no processo eleitoral do ano que vem, que é o momento adequado que a população reconhece que se o que tem sido feito merece continuar ou não.

Pelo que o Sr. fala, PT e PMDB devem continuar juntos…
Não vejo problema. Time que está ganhando não precisa de grandes mudanças, mas pode sempre ser aperfeiçoado. Ideias novas, companheiros novos que comungam no mesmo projeto serão sempre bem-vindos, mas esse é um fato que será discutido num melhor momento, que são as convenções municipais.

A aproximação do prefeito Paulo Garcia com o governador Marconi Perillo nos últimos dias preocupa o PMDB?
Eu não participei de nenhum desses momentos e lhe asseguro que o PMDB não comunga dos mesmos ideais de administração que o PSDB no Estado .

Qual o projeto de Andrey Azeredo para 2016?
Ser o melhor secretário de Trânsito, Transporte e Mobilidade que Goiânia já teve.

Até abril?
Até o momento que eu estiver na prefeitura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here