Caldeirão do PMDB está fervendo

0
1517
José Nelto mudou estratégia e fechou com Daniel Vilela

Presidência do partido em Goiás pode ser disputada por duas chapas. Apesar do racha, peemedebistas ainda falam em consenso até o dia 24

Marcione Barreira – repórter de política

A disputa pelo comando do PMDB de Goiás está a pleno vapor. Até agora foram formada duas chapas que tentam ganhar terreno daqui até o dia 24 de outubro. De um lado o ex-prefeito de Bom Jardim de Goiás, Nailton Oliveira, e de outro uma chapa formada pelos deputados federal e estadual Daniel Vilela e José Nelto (PMDB).
Neste momento, o cenário é completamente diferente do desenhado ao longo do processo. Especulava-se que o deputado federal Daniel Vilela formaria uma chapa, Nailton Oliveira encabeçaria outra, além de José Nelto e o ex-deputado federal Sandro Mabel (PMDB) também com possibilidades.
O cenário mudou após reunião no início da noite de quinta-feira, dia 15, no diretório estadual do partido. Estavam na reunião o presidente estadual da legenda Samuel Belchior (PMDB), o presidente metropolitano do partido e deputado estadual Bruno Peixoto (PMDB), Sandro Mabel, o ex-prefeito de Trindade, Ricardo Fortunato, e o presidente da juventude do PMDB, Pablo Rezende.
Muitos foram pegos de surpresa com o fato de a chapa encabeçada por Nailton e Sandro Mabel já estar em configuração e praticamente formada. A reunião tinha o intuído de afunilar o consenso em torno do nome do deputado José Nelto, que tem apoio dos colegas da Assembleia Legislativa.
Sem consenso na reunião e com a surpresa da chapa de Nailton, os deputados Daniel Vilela e José Nelto, na manhã seguinte, articularam e decidiram por formar mais uma chapa, que ele denomina de “Chapa do PMDB”. As duas chapas foram homologadas na tarde da última sexta-feira, dia 16, na sede do diretório estadual. Entretanto, o consenso ainda será buscado.
Ideal
Dentro do partido há um sentimento de que o consenso seria o ideal, uma vez que uma disputa poderia gerar um racha no ninho peemedebista. Apesar das duas chapas terem sido homologadas, o que vislumbra uma iminente disputa, um entendimento ainda pode acontecer com prazo mínimo de 48 horas antes data da eleição.
Certo é que o próximo mandatário do PMDB terá pela frente o desafio de levantar a agremiação que tem sofrido com desgastes internos. O mais recente deles envolvendo o empresário Junior Friboi, que foi expulso do partido, além de prefeitos peemedebistas que apoiaram o maior adversário da legenda na última eleição para governo, Marconi Perillo (PSDB).
União
O discurso de união é encampado pela maioria dos pretendentes à vaga no comando da agremiação. O deputado José Nelto elogiou trabalho do atual presidente e declarou que vai trabalhar para que o partido aumente sua participação nos diversos segmentos do Estado. “Eu estou no projeto onde a juventude pode participar”, disse.
Para Nelto, o trabalho do novo presidente deve visar o crescimento do partido e recuperar o comando do Estado, que segundo ele, esta nas mãos de um modelo esgotado. “Nós vamos buscar um projeto novo. Um modelo que venha mudar o modelo de gestão em Goiás”, finalizou.
O ex-prefeito Nailton Oliveira é bastante próximo a maior liderança da legenda, Iris Rezende (PMDB), assim como José Nelton, mas é tido por muitos como de temperamento mais moderado que a liderança peemedebista na Assembleia. Nailton declara que vai fazer o possível para que haja um consenso. “Estou para somar, não quero dividir o partido”, garante.
O prefeito de Aparecida de Goiânia, Maguito Vilela, e  o ex-governador Iris Rezende estão apenas observando. O provável que aconteça nesta semana é que Maguito se mobilize e apoie a ala ligada a seu filho, caso não haja consenso.
Iris Rezende, segundo informações de pessoas ligadas ao partido, tem hoje a preferência por Nailton, com quem possui relações estreitas há bastante tempo. Dentro do partido, Iris e Maguito são alçados como as maiores lideranças da legenda e na disputa cabe a eles o papel de orientar.
Torcida
Na bancada estadual a maioria torce pelo consenso. O deputado estadual Adib Elias (PMDB) disse acreditar e torcer para que isso aconteça. Para ele, entretanto, caso não haja consenso, o comando do partido estará em boas mãos. “Todos são gente do bem. Todos terão condições de comandar. Acho que vai ter consenso”, pensa Adib.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here