PSDB afunila processo para sucessão municipal

0
2108
Rafael Lousa, presidente do PSDB metropolitano.

Partido promoverá nos próximos três meses encontro para tentar consenso, caso não haja, adotará prévias

Marcione Barreia  – repórter de política

Nos últimos dias o PSDB vem se reunindo frequentemente para discutir sobre eleições de 2016. A pauta tem sido explorada por lideranças tucanas especialmente porque os peessedebistas não abrem mão de lançar nome próprio para concorrer ao Paço Municipal no próximo embate eleitoral.
Tanto a cúpula estadual quanto a  direção municipal se mobilizam para chegar a um acordo. Hoje são três os nomes que não abrem mão da disputa. O presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) Jayme Rincón (PSDB), o deputado federal Fábio Sousa (PSDB), além do também deputado federal Delegado Waldir Soares (PSDB).
Outros nomes foram bastante ventilados ainda no primeiro semestre. Os deputados federais João Campos (PSDB), além do deputado federal Giuseppe Vecci (PSDB). Este aliás, já confidenciou a aliados que só participa do processo caso Jayme Rincón desista de estar nele.
Dentro do partido há um sentimento de que existe a necessidade de fazer uma grande aliança. Entretanto, a base aliada tem ao menos oito nomes que almejam disputar a vaga. Pilares da base como PSD, PTB e PP já manifestaram interesse de concorrerem à prefeitura municipal.
Fora do contexto externo, o PSDB tem que lidar com insatisfeitos dentro da legenda. Um dos que mais se queixa do tratamento dado a ele pelo partido e o deputado Delegado Waldir. O parlamentar é um dos pré-candidatos que quer igualdade no processo de escolha e pede pesquisas quantitativas e qualitativas para promover equilíbrio.
Entretanto, em reunião realizada no início da última semana ficou acertado que o partido tentará o consenso em torno de um nome, caso isso não seja possível a legenda vai optar pelas  prévias. A medida desagrada o deputado Delegado Waldir que teme que a escolha já tenha sido feita por cartas marcadas.
O Delegado Waldir não concorda com as prévias e pede pesquisas para a escolha do candidato. À Tribuna do Planalto ele deixou claro que se o partido seguir realmente este caminho ele não seguirá com os tucanos. “Assim que receber essa informação oficialmente eu estarei fora do partido. Tem que ver o que o povo quer. Tem que haver pesquisas”, disse.
Prazo
Segundo o presidente municipal do PSDB, Rafael Lousa, o partido terá que definir se haverá consenso, ou não, até o final de janeiro. Este prazo foi estabelecido pela legenda para, a partir daí, definir a data das prévias. Segundo o presidente, até maio o nome estará escolhido. “Até maio teremos que definir”, garante Rafael.
Apesar de reconhecer que o consenso seria o melhor caminho para o partido, Rafael Lousa enxerga como positiva a possibilidade de haver prévias. Segundo ele, o movimento traria mobilização para o partido visto que as eleições estarão perto. “Nós buscaremos o consenso. Apesar de não ter nada contra as prévias. Serve até para mobilizar o partido para as eleições”, declara.
O presidente faz questão de ressaltar o papel do governador Marconi Perillo (PSDB) no processo que antecede as eleições. Rafael Lousa acredita que a figura mais importante da legenda atuará como conselheiro e apoiador. “Ele tem sido ouvido constantemente. Consultá-lo é sabedoria de nossa parte”, disse.
Em relação aos nomes que hoje estão dispostos a concorrer pelo partido ,Rafael Lousa acredita na possibilidade de diálogo entre eles. Com isso o caminho ficará mais facilitado. “Tem que haver disponibilidade para o diálogo. É preciso que se tenha este espírito”, alerta.

Parcerias
Desde de 2000, quando venceu o mandato do peessedebista Nion Albernaz (PSDB), então prefeito da capital, a oposição nunca mais saiu vitoriosa na disputa pelo Paço. De lá até a última eleição, o PSDB não lançou candidato e apoiou aliados. Desta vez, os tucanos esperam apoio.
Entretanto, até aqui, não há sinal de que isso venha a acontecer com facilidade pelo menos em primeiro turno. O PTB, partido que foi apoiado pelo PSDB em 2012, tem o nome do ex-deputado Luiz Bittencourt como pré-candidato ao Paço Municipal e sinaliza, até este ponto do processo, que união só em segundo turno.
No PP o deputado federal Sandes Junior (PP), que já foi candidato por três ocasiões, tem dito que o nome está a disposição da sua legenda. Na duas últimas candidaturas o parlamentar teve o apoio do PSDB. Em 2004, ficou em segundo lugar e repediu o desempenho em 2008.
Outro partido importante dentro da base governista é o PSD. Comandado pelo secretário Wilmar Rocha a agremiação tem trabalhado para viabilizar dois nomes dentro da sigla. Os deputados estaduais Francisco Júnior e Virmondes Cruvinel.
No cenário atual, o PSDB terá que costurar não só sua candidatura internamente sem que haja atritos, mas também convencer os principais aliados que contemplam a base governista sob pena de remar sozinho.


Prévias não é bem vista, mas Delegado Waldir pode deixar partido

Dois dos deputados mais votados na última eleição. Um deles começou sua trajetória como vereador, venceu corrida para Assembleia Legislativa e agora tem uma cadeira na Câmara dos Deputados. Ou outro quebrou recorde de votos em sua segunda campanha eleitoral tendo quase o dobro de votos do segundo colocado.
Por isso, Fábio Sousa e Delegado Waldir não abrem mão do direito de disputar a eleição em 2016. Os dois pedem uma escolha justa que seja pautada pelo interesse da população. Favorável as pesquisas, o Delegado Waldir Soares acredita que  as prévias poderão não escolher o candidato que terá condições de vencer.
Já o deputado Fábio Sousa enxerga como importante o sistema que será adotado pelo partido, entretanto ressalta a importância das pesquisas eleitorais. “Acho que as prévias são importantes, mas é preciso levar em conta as pesquisas também”, comenta.
O Delegado Waldir tem reclamado de discriminação dentro do PSDB e vê nas prévias um processo manipulado. Para ele, seus votos precisam ser respeitados. “Acho que é uma falta de consideração com os votos que recebi em Goiânia”, disse deputador, que pede mais respeito como parlamentar.

Mudança
Claro em seu discurso o Delegado Waldir não descarta mudar de partido caso não veja no PSDB a possibilidade de construir sua candidatura. O parlamentar não escondeu que vários partidos já entraram em contato com ele para uma possível troca de legenda. À Tribuna do Planalto ele revelou algumas dessas legendas.
“Muitos tem me procurado aqui na Câmara. Alguns eu não posso falar, mas outros não pediram sigilo. Fui procurado por muitos, entre eles o PSL, o PEM e o PROS. Os outros eu não posso revelar agora” , disse o deputado Delegado Waldir.
O Senado está votando a possibilidade de uma janela para troca de partido e pode ser o saída para o Delegado Waldir caso veja que entre os peessedebistas não haja viabilização. “Existe uma janela que está sendo votada aqui no Senado que vai possibilitar a troca de legenda”, disse o peessedebista.

Brasília
Em termos federais o PSDB se reuniu, na semana passada, com os deputados federais que desejam se candidatar para prefeito. O presidente nacional do partido, Aécio Neves (PSDB-MG), declarou apoio ao correligionários e deixou o diretório nacional à disposição dos parlamentares.
Quem esteve na reunião foi o deputado Fábio Sousa, que declarou a reportagem que foi uma reunião tranquila. “Nos reunimos com o Aécio onde ele deixou o partido a disposição de quem tem interesse em disputar as eleições municipais para prefeito. Foi uma reunião tranquila”, finalizou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here