Candidatos correm atrás do apoio de Maguito e Marconi

0
3143

Nomes da situação e da oposição correm atrás do prefeito e do governador visando consolidar seus projetos eleitorais em Aparecida de Goiânia

Ronaldo Coelho

Aparecida de Goiânia tem, no mínimo, uma dúzia e meia de pré-candidatos a prefeito nas eleições do ano que vem. Até há pouco tempo apenas a base do prefeito Maguito Vilela (PMDB) apresentava uma variedade de nomes para sucedê-lo, enquanto que a oposição, aliada ao governador Marconi Perillo (PSDB), permanecia inerte e apenas assistia à movimentação dos maguitistas no município.
Chegou-se a dizer que a base do prefeito estava fragmentada e que permaneceria assim depois que fosse escolhido o cabeça de chapa da situação, o que, sem dúvida, favoreceria a oposição. Mas favorecer em que se essa mesma oposição não existia?
Pois é. Em política tudo é muito dinâmico. Muda rapidamente. Só para ilustrar o que queremos dizer basta lembrar uma célebre frase conhecida dos políticos. “Política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”, dizia o ex-banqueiro Magalhães Pinto, velha raposa da política mineira. O que significa diz que a cada olhar, enxerga-se um novo formato.
E é justamente isso que aconteceu em Aparecida. A oposição, que estava paralisada e desestabilizada, resnasceu da noite para o dia e, assim como situação, hoje já apresenta vários nomes como pré-candidatos a prefeito. Assim, a praga rogada anteriormente na base de Maguito, que tinha e tem muitos nomes, pode pegar na oposição que agora também tem muitos nomes.
Mas tudo isso é discurso de adversários, faz parte do processo. A política no município está efervescente. Todos os partidos e todos os políticos estão de olho na prefeitura. E agora com um cenánrio diferente. Maguito já não é mais candidato e, sendo assim, todos os pré-candidatos se sentem em condições de vencer, pois o grande nome da política do município não pode ser reeleito mais uma vez.

Mesmas chances
Talvez seja justamente a ausência de Maguito dos palanques como candidato a prefeito que esteja incentivando muitos políticos a se lançarem pré-candidatos. Todos “são japoneses”, o que na política significa dizer que são iguais. Têm as mesmas chances de vitória.
“Está é uma chance que todos os políticos querem”, afirmou Ozair José, vice-prefeito de Aparecida. Assim como Ozair, a maioria dos pré-candidatos pensa assim. Mas tem um agravante. Essa maioria também é dependente de políticos de maior expressão. “Aqui é assim. O pré-candidato da base do prefeito quer o apoio do Maguito. Já o pré-candidato da oposição quer o apoio do governador Marconi Perillo”, lembrou o atual presidente da Agência de Saneamento de Aparecida (ASA), Léo Mendanha, que é ex-deputado estadual, peemedebista histórico e profundo conhecedor da política do município.
Se todos são iguais, ou estão em pé de igualdade na disputa, porque então esta dependência do prefeito e do governador? “Todos precisam de respaldo político para formar alianças, além de facilitar a obtenção de recursos para a campanha”, afirmou um dos pré-candidatos da situação que pediu anonimato.
Na base do prefeito Maguito Vilela são, pelo menos, 10 pré-candidatos. Na lista figuram o presidente da Câmara Municipal, Gustavo Mendanha (PMDB), os secretários Euler Morais (Governo e Integração Institucional), Jório Rios (Adminsitração), Mário Vilela (Infraestrutura e Obras), Valéria Pettersen (Projetos e Capitação de Recursos), Rodrigo Caldas (Desenvolvimento Urbano), todos do PMDB, Adriano Montovani (Trabalho, Emprego e Renda), do PT, Vilmar Mariano (Esportes, Lazer e Juventude), do PR, e os vereadores Ezizio Barbosa e Edilson Ferreira, os dois do PMDB.
Pela oposição, pelo menos quatro nomes já estão colocados como pré-candidatos. Os do Professor Alcides Ribeiro Filho, do vice-prefeito Ozair José e do vereador Manoel Nascimento, todos pelo PSDB, e do deputado estadual Marlúcio Pereira (PTB, de saída para o PRB).
A esta lista podem ser acrescidos mais alguns nomes nos próximos meses, como o do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Sílvio Benedito Alves, que pode se filiar ao PSDB ou ao PP, e do empresário e presidente da Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia Osvaldo Zilli, que tem convite de vários partidos, inclusive do PSDB, do vice-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Goiás (Codego) Chico Abreu (PSDB), do ex-prefeito Ademir Menezes (PSD), entre outros.
As opções são muitas, mas qualquer desses nomes citados dependem de aprovação junto aos grupos políticos que pertencem e ainda deverão ser abençoados pelo prefeito Maguito Vilela ou pelo governador Marconi Perillo.
O fato é que todos estão de olho na prefeitura de Aparecida, assim como Maguito e Marconi. Por isso, o candidato que quiser ser apadrinhado por um dos dois deverá contar mais do que apenas com a sorte. Os ungidos por eles devem mostrar ser competentes para aglutinar as forças políticas em torno de seus nomes, devem estar bem com o eleitor, o que deverá ser demonstrado através de pesquisa quantitativas e qualitativas, além de serem bons arrecadores de doações financeiras para a campanha.

Independente
Mas há também quem não quer ser candidato nem de Maguito, nem de Marconi. É o caso do vereador William Ludovico (SD), que confirmou sua pré-candidatura prefeito. Ele diz que, ao contrário dos concorrentes, trabalha junto às bases eleitorais e quer ser o candidato do povo.
Diferentemente de Veter Martins, atual diretor Administrativo/Financeiro da Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC), que também é pré-candidato, mas busca o apoio de Maguito, William Ludovico diz que é o único independente e que vai fazer campanha com projetos para o município na esperança de conquistar o eleitorado. O apoio de Maguito e de Marconi ele diz que não abre mão, mas depois da eleição, quando estiver governando Aparecida, se for eleito.


Nomes da situação

54

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here