Comurg, 100% transparente

0
1648

Ronaldo Coelho e Marcione Barreira

Presidente da Companhia Municipal de Urbanização de Goiânia (Comurg), o advogado Edilberto Dias explica à Tribuna do Planatlo como funciona a Comissão de Situação de Risco criada pela prefeitura da capital. Fala ainda sobre as duras medidas de contenção de gastos que adotou na Companhia, sobre a melhoria dos serviços prestados à população e da na criação da Comurg Express. A meta, diz Edilberto, é tornar a Comurg numa empresa lucrativa. Sobre política, ele defende a manutenção da aliança do PT com o PMDB até o final da gestão e não esconde que fez demissões de indicados por vereadores que se rebelaram contra o prefeito Paulo Garcia na Câmara Municipal.

Presidente, o prefeito criou a Comissão de Situação de Risco que é composta por vários órgãos da prefeitura. O comando está com o presidente da Comurg?
Sim. Nessa situação hoje a Comurg tomou frente. A Comurg funciona 24h , então a Comurg já estava com seus homens na rua. Tenho cerca de 2 mil trabalhadores que já estavam na rua e assumimos esse serviço.

Essa comissão é permanente ou ela foi criada só para este momento?
Já era um Comissão criada para situações de risco. A gente tem um grupo no Whatsapp com secretários, uma sala lá no Paço Municipal com telões e tudo que a gente vê é o que está acorrendo na cidade toda. Nesse caso especifico a chuva piorou muito a noite. A gente já estava com ela a tarde, foi a maior chuva dos últimos 10, 20 anos. No domingo, lá na Rua da Divisa, tinha ocorrido outra situação também, tinha inundado, então nós da Comurg e da Seinfra fomos pra lá e interditamos parcialmente a avenida. No outro dia teve aquela situação falando que a Marginal Botafogo tinha caído eu estava com 150 homens trabalhando lá porque nós já estávamos refazendo a marginal. E é um obra que está causando ciúmes na oposição, ou não sei em quem porque foi no prazo de três dias apareceram boatos. Primeiro pelo whatsapp dizendo que tinha caído, mas não tinha acontecido nada, depois apareceu um vídeo que foi vinculado até na TV, uma montagem. Então nós ficamos muito preocupados e com essa mobilização nós corremos todo mundo para resolver os problemas.

O Sr. citou que tem aí gente que parece estar com ciúmes, isso prejudica também quando se coloca na rede social…
Nós entramos com uma investigação na política para descobrir quem está inventado esses boatos. São boatos contra a administração do prefeito Paulo Garcia e contra a Comurg.

Isso é perigoso porque você manda um pessoal para atender uma situação e…
Aconteceu isso porque o povo da Comurg toda parou outro serviço para ir à Marginal Botafogo que não estava tendo nada e aqui ficou desguarnecido, aí, até o povo voltar…Mobilizar o trabalhador é difícil, tem que ter veículo, então é complicado e houve uma situação de risco causada por esses boatos.

Mas nessa chuva de 99 milímetros, qual foi o estrago provocado?
13 bairros foram atingidos, 700 pessoas ficaram desalojadas, cerca de 300 casas foram atingidas, mais ou menos. A Comurg monitorou o tempo inteiro junto com a Defesa Civil. Eu fiquei lá até 3h da manhã mobilizando transporte para todas as famílias, mobilizamos o nosso pessoal, mas ninguém aceitou porque todo mundo tem parente.
Qual bairro foi mais prejudicado?
Vila Roriz  e Vila São José, mas a São José foi o principal ponto. Lá rodou muito carro, lá fica a confluência do Anicúns com o Cascavel, a água voltou e subiu demais, ela ultrapassou e subiu mais três metros acima da ponte. Temos que parabenizar o Corpo de Bombeiros que socorreu todo mundo.

Qual a estrutura desta força-tarefa?
Ela tem 600 homens, 80 caminhões e 15 pá carregadeiras. Nós já limpamos 100% dos locais e agora que secou nós estamos tirando os barros e lavando com os caminhões pipa.

Não dá para mensurar o prejuízo que cada família teve com essas chuvas, mas a prefeitura teve prejuízos?
O prejuízo que nós tivemos é que tivemos que interromper alguns trabalhos que estavam sendo feito para utilizar os trabalhadores para trabalhar nessa áreas. Nós estamos com uma grande frente de serviço na região Norte e tivemos que trazer a maioria desse homens para cá.

O Sr. assumiu a Comurg há pouco tempo e disse que está fazendo mais com menos. Com é que está sendo isso?
Nós estamos numa época de crise. Crise no governo federal, crise no estado, crise nos municípios. Eu fui Controlador-Geral do Município, então eu conheço as finanças da prefeitura profundamente, conheço as finanças da Comurg antes de entrar lá, pelo menos no papel. Então, com esse intuito, juntamente com o secretário Jeovalter Correia (Finanças) nós fizemos um planejamento de economizar. Então, eu quero fazer mais gastando menos. Eu fui lá pra enxugar e o prefeito me determinou que eu fizesse muitas coisas e eu estou surpreendido com a capacidade  de resposta que os trabalhadores da  Comurg dão. Então, nós estamos fazendo mais, estamos tendo ideias e a Comurg está fazendo esse trabalho bom. Agora nós diminuímos os salários, diminuímos as gratificações em R$ 500, tanto dos comissionados quanto dos efetivos. Com esse dinheiro nós vamos reaparelhar a Comurg.

Então, o problema na Comurg era de gestão? Porque o Sr. está fazendo mais com menos, um sistema próprio de gestão?
Cada um tem sua forma de gerir. Quando que entrei lá a Comurg tinha uma imagem e a própria imprensa exigia que a Comurg limpasse tudo. A antiga administração priorizou a fiscalização e eu estou priorizando a fiscalização e a limpeza. E agora nós temos mecanismos melhores para poder autuar as pessoas. Logo que eu entrei nós fizemos um convênio com o ministério público que determina que se o cidadão não limpar seu lote, a gente limpa e manda a notificação por edital e em 30 dias o contribunte não pagar a Secretaria de Finanças notifica o nome do proprietário no SPC  e no Serasa. Então, o cara vai descobrir que está negativado quando vai comprar alguma coisa.

Com é que é feita essa cobrança?
Tem uma tabela lá por m² e dos valores de multas também, geralmente é em torno de R$ 2.500.


Contenção passa por cortes de gratificação e chefiasP 5 EDILBERTO DIAS-PRESIDENTE DA COMURG-FOTO PAULO JOSE (26)

Presidente, o Sr. tomou medidas duras lá, cortou gratificação, está reduzindo gastos…
Lá tinha um chefe para cada quatros limpadores de rua, agora tem um chefe para cada oito. Então eu cortei 200 e tantas chefias e também diminui o salário deles.

Estas medidas foram bem assimiladas pelo pessoal ou o Sr. tem algum problema interno?
Nenhum problema. Ninguém reclamou até agora. Nós estamos numa época de crise e os trabalhadores lá são CLT. Eles sabem muito bem como está o mercado de trabalho. Então, os trabalhadores pela CLT, mesmo sendo concursados, sabem muito bem a facilidade que eu tenho para demití-los. O prefeito Paulo Garcia elegeu duas prioridades principais, uma delas é pro Jeovaltar pagar os funcionários em dia, que é a minha também, e a outra é manter a cidade limpa e embelezada, o que eu estou fazendo.

Essas medidas…
Essas medidas foram todas concordadas pelo sindicato.

O sindicato concordou?
Sim. Claro. Não tem lógica uma empresa gastar 75% do seu capital só com folha de pagamento.

E agora, resolveu, deu resultado?
Nós estamos numa fase de transição. Esse é o primeiro mês, nós vamos ver como vai ficar a folha mais na frente. Eu também determinei que o ônus de todos os servidores da Comurg à disposição seja colocado para o órgão que eles estão trabalhando. Então, hoje não tem mais servidor lotado em outro lugar com a Comurg pagando. Isso já foi tudo combinado.

Qual é a expectativa de economia. O Sr. tem?
Eu vou ter uma redução assim, até baixa, porque a gente não sabe qual o impacto na folha.Toda folha de pagamento tem tendência sempre de aumentar. Eu tenho uma perspectiva de R$ 500 mil, mas com essa transferência do ônus a gente espera baixar a folha em mais de R$ 3 milhões. Eu estou esperando fechar a folha para saber, vou te dar o número certinho.


“Eu defendo a manutenção da aliança nesse mandato”

Presidente, surgiu uma noticia de que o vereador Clécio alves (PMDB) teria perdido os cargos que indicou na Comurg. Isso procede?
Procede. Ele votou contra o IPTU e aí os outros vereadores exigiram os cargos dele e da Célia Valadão. De quem votou contra o IPTU. Ele tinha indicações, ele tinha alguns cargos comissionados e tinha alguns cargos de chefia. As chefias foram trocadas, algumas. Se o cara for competente eu não troquei.

O Sr. está filiado ao PT há muito tempo, como é que está vendo essa relação PT-PMDB?
Olha, eu defendo a manutenção da aliança nesse mandato. Por que nós vamos eleitos juntos e devemos permanecer juntos, se possível até o final do mandato, sem briga, sem nada. O prefeito não é candidato à reeleição, eu não sou candidato a nada, pode botar aí. Eu defendo que a gente mantenha essa relação política o quanto der.

Para a eleição desse ano o Sr. acha que não dá mais?
Eu acho que está muito cedo ainda. Não sei quais serão os candidatos, o prefeito não indicou ainda quem será. Então eu estou aguardando ele para tomar uma posição.

O Sr. acha que o PT tem que ter candidato próprio a prefeito?
Eu acho que… não, eu não seria tão radical não. Acho que uma composição política seria interessante.

O PT hoje tem o prefeito, o Sr. admite que o PT abra mão da cabeça de chapa?
Eu acho que se fosse interessante para a gente permanecer no nosso projeto de governo e se tivesse um candidato viável poderia abrir mão.

Esta crise de relacionamento entre PT e  PMDB tem prejudicado o trabalho da gestão?    
Não, porque o secretários que tem cargos são leais ao nosso governo. Não existe nenhuma rixa entre os secretariado. Todo mundo quer um governo melhor.

A convivência é boa?
É uma convivência tranquila, amigável. Tem ótimos secretários que são amigos nossos. Essa briga é mais para quem está de fora.

Mas existe uma briga já declarada.
Nós estamos num ano político. O vice chutou o balde, ele que veio para cima do prefeito. Ele não foi provocado, não foi nada. Isso até nos surpreendeu.

O prefeito passou por um momento muito difícil de gestão. Qual é avaliação que o Sr faz da gestão hoje?
Hoje eu dou uma nota 8,5 para a gestão. Nós já tivemos nota 3,0. Foi quando nós tivemos o problema do lixo. A prefeitura teve uma crise muito grande, só que nós já saímos da crise. Nós estamos muito mais preparados para enfrentar a crise hoje do que o governo federal e o estadual. Tanto que hoje em dia a prefeitura tem suas contas saudáveis.

Paga em dia?
Paga em dia. Pagamos o 13º no dia 23 de dezembro. Vamos pagar a data-base em dia, sem choro nem vela, não tem ninguém fazendo greve, os funcionários estão todos recebendo, estão todos tranquilos.

Dentro do PT o Sr. é da linha mais dura ou light?
Sou da linha light, não, sou da linha jurídica.

Este desgaste do PT pode refletir na eleição?
Pode. Acho que vai refletir bastante aqui a nacionalmente.


Projeto propõe criar a Comurg Express

Quando assumiu a Comurg, o Sr. falou que está entrando limpo e quando sair quer estar limpo também. Por que o Sr. disse isso?
O lema da Comurg agora é: Comurg, empresa 100% transparente. Eu levei pra lá os melhores procuradores do município, eu levei os auditores da Controladoria, montei uma Corregedoria, uma Ouvidoria, estamos mudando todo o organograma da empresa, reduzi as diretorias, fizemos uma redução geral nos quadros. Hoje não se paga um parafuso sem o devido processo legal. Quando chega no presidente tem que chegar redondo.

A Comurg tem um histórico complicado no passado né…
Lá tem um histórico de descaso processual, não se fazia o processo legal, as vezes não era nem desvio. Era feito sem um ordem programática. Agora não. Precisou de qualquer coisa é só com processo. Tudo certinho, tudo redondo. Eu também encontrei muita coisa organizada pelo Ormando. Então assim, essa cultura desde o presidente Ormando vem melhorando.

Essa nova mentalidade vai salvar a Comurg, transformá-la numa empresa saudável economicamente em todos os sentidos?
Meu trabalho é esse. Eu não sei se vou ter é tempo. Falta só um ano para i final da gestão. A gente quer tornar a Comurg uma empresa lucrativa. Uma empresa que, além de prestar serviço para a prefeitura, vair serviço para particulares com competitividade.

Quais seriam esses serviços?
Lixo hospitalar que não era cobrado e vai ser cobrado a partir de agora, e eu vou criar a Comurg Express que vai funcionar da seguinte maneira: o cara quer plantar uma arvore? A Comurg vai lá e planta para ele. Quer comprar uma lixeira padrão? A gente vai lá e vende para ele. Quer limpar o lote? Nós limpamos.

A Comurg Expres já está…
Esse projeto é só meu. Já está quase pronto.

Como é que vão funcionar esses Ecopontos?
A ocupação dele é temporária. Nós escolhemos primeiro uma área alí do Setor Sudoeste. Era um  quarteirão. Lá nós tiramos 400 caminhões de lixo. Eu vou usar um pedacinho da quadra, vou cercar com madeira tirada das árvores que caíram, colocar umas caçambas que foram apreendidas pela Amma e que mandei reformar. Três caçambas de lixo, três caçambas de galhada e duas de entulho. Vamos fazer uma guaritinha de R$ 1 mil só para o cara não molhar a cabeça dele lá, vamos botar o funcionário o dia inteiro lá. Abre 8h da manhã e fecha às 18h. A pessoa vem com sua carroça, joga lá dentro, vai ter o caminhão e ele vai levar para o aterro gratuitamente. Eu não estou criado lixão. Eu estou otimizado o serviço de onde já era depósito de resíduo.

Quantos Ecopontos?
São 12. Olha lá na Comurg nós estamos fazendo uma gestão 100% transparente. A pessoa pode solicitar serviço pelas redes sociais através do Facebook, Twitter, Whatsapp (8596-8555) e pelo telefone 3524-8555.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here