Mal alimentados desde o berço

0
2881
Pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano de 2015 apontou que uma entre três crianças brasileiras está acima do peso

O ritmo acelerado da vida moderna tem afetado, além dos pais, também as crianças, que cada vez mais estão sendo atingidas pelos padrões do comportamento dos adultos, inclusive a má alimentação
Fabiola Rodrigues

Uma pesquisa de orçamento  familiares(POF)feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano de 2015 apontou que uma entre três crianças brasileiras está acima do peso e que 15% das crianças brasileiras entre 5 e 9 anos sofrem de obesidade, atualmente. A má alimentação das crianças está relacionada com os hábitos errados dos pais, já que eles têm influência direta sobre os filhos.
A alimentação regular começa na infância e os pais precisam dar o exemplo para os filhos adquirirem hábitos saudáveis. O número de crianças que chegam aos consultórios dos nutricionistas com maus hábitos alimentares aumentou nos últimos 10 anos. Quase sempre a reeducação alimentar precisa ser feita com a criança e também com os pais.
O ritmo acelerado da vida moderna tem afetado, além dos pais, também as crianças. Cada vez mais crianças estão sendo atingidas pelos padrões do comportamento dos adultos e recebendo diagnósticos de doenças que já foram exclusivas deles. Muitas vezes os pais por verem menos os seus filhos tentam agradá-los oferecendo alimentos que não são saudáveis – conta a nutricionista Amanda Goulart.
“Atendi uma criança certa vez em meu consultório, ela não tinha nem quatro anos, e como o pai e mãe dela eram donos de lanchonete, sempre davam fritura para a menina. Isso só complica a saúde de uma criança”, lembra a nutricionista.
A alimentação errada e o excesso e peso estão levando crianças para os consultórios médicos. Muitas reclamam chegam tristes reclamando que na escola colegas ficam chamando-as de gorda ou de apelidos ofensivos.
“Tem crianças que sofrem com o excesso de peso na escola, são acometidas de bullying pelos colegas de classe”, diz a nutricionista.
O diagnóstico de obesidade, no entanto, não é irreparável. Com o envolvimento da família na reeducação alimentar, é possível reverter o quadro e fazer com que a criança tenha uma vida adulta livre de complicações. Doenças como anemia, diabetes, colesterol alto, hipertensão e doenças cardiovasculares são patologias que também estão relacionadas com a má alimentação da criança – explica a nutricionista.
“Alimentos industrializados como batata frita, salgadinhos, bolachas recheadas, docinhos, suco de caixinha, apesar de terem muita energia, quase sempre não têm vitaminas nem minerais e possuem muito açúcar, gordura e conservantes artificiais que viciam o paladar da criança, diminuindo a vontade de comer ou experimentar alimentos naturais”, observa Amanda Goulart.
O primeiro passo para a criança ou adolescente mudar os hábitos da alimentação e diminuir os riscos à saúde começa pela mudança de atitude dos pais.
“Antigamente, as famílias comiam refeições como arroz, feijão, carne, vegetais, uma fruta de sobremesa. Hoje se consomem mais comidas semiprontas, industrializadas e fast foods, o que só complica a saúde”, afirma Amanda.
Mudar a alimentação da criança não depende somente dela, exige esforço dos pais no processo de reeducação alimentar. Amanda conta que, sempre que atende uma criança no consultório, a vida dos pais também precisa mudar. O processo para a criança começar a se alimentar de forma correta leva no mínio seis meses com a ajuda da família.

Atividade física
A diminuição da atividade física é apontada pela como outro problema. As crianças passaram a brincar menos de brincadeiras que exigem esforço físico. Muitas vezes, ficam dentro de casa entretidas em atividades que consomem pouca energia, passando a maior parte do tempo em frente ao computador ou TV.
Caminhar com a criança e estimular ela a praticar a exercícios ou brincadeiras que exigem movimentação é um caminho para ter uma vida mais saudável. “Uma alimentação regular para a criança é importante, mas precisa ser acompanhada de atividades físicas também”, frisa a nutricionista.


Lancheira da escola pode ser mais saudável

Alimentação das crianças no ambiente escolas também deve ser uma preocupação dos pais, já que ficam boa parte do dia nesse local. Por isso, é fundamental na escola ter alimentos saudáveis na lancheira.
Muitos pais têm optado pela praticidade na hora de preparar o lanche dos filhos, o que, segundo a nutricionista, tem levado crianças e adolescentes a comerem mal. Sucos de caixinhas, bolachas, achocolatados, salgadinhos, frituras devem ser excluídos da lancheira.
“O pai coloca um achocolatado e uma bolacha na lancheira e acha isso normal. A alimentação dos filhos exige dos pais um pouco mais de atenção”, afirma Amanda Goulart.
A nutricionista dá algumas dicas que são importantes na hora de escolher o lanche dos filhos. Mesmo com pouco tempo, vale a pena preparar uma comida saudável para os filhos.
As lancheiras térmicas são ótimas para aumentar as opções, já que permitem um melhor acondicionamento da comida. Segundo a nutricionista, é importante combinar três grupos alimentares ao preparar o lanche: os construtores de proteínas como queijos, iogurtes, carnes, atum, frango desfiado. Os reguladores como frutas, legumes e verduras; e os energéticos, carboidratos, como pães, biscoitos e bolos.
Levar bebidas saudáveis na lancheira pode parecer um desafio, mas há opções.
“Os sucos de polpa são uma boa opção, o suco de uva integral, que é vendido em garrafas no supermercado, a água de coco pasteurizada também faz bem. Hoje existem alguns sucos de caixinha integrais mais saudáveis. Só é preciso ficar atento aos rótulos e escolher produtos livres de corantes, acidulantes, sódio e açúcar. De qualquer forma, eles devem ser consumidos com moderação”, orienta a nutricionista.
Para levar suco natural na lancheira, a dica é escolher frutas como goiaba, acerola, abacaxi e maracujá, que têm menor oxidação e ficam conservadas por mais tempo.
E para quem não leva o lanche para a escola, na hora do recreio, a recomendação é escolher na cantina sempre comidas mais naturais; caso for comer algum tipo de salgado, que não seja frito; o salgado assado é menos prejudicial à saúde.

O lanche dos filhos deve ter alimentos construtores de proteínas (queijos, iogurtes, carnes), reguladores (frutas, legumes e verduras) e os energéticos, carboidratos (pães, biscoitos e bolos)
O lanche dos filhos deve ter alimentos construtores de proteínas (queijos, iogurtes, carnes), reguladores (frutas, legumes e verduras) e os energéticos, carboidratos (pães, biscoitos e bolos)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here