Uma declaração de amor à Capital

0
3716
Corrida de motovelocidade na Praça Bandeirante, 1961

Página do Facebook, mantida de forma colaborativa pelos internautas, reúne centenas de imagens e informações sobre a construção e o desenvolvimento de Goiânia. Registros históricos fazem sucesso na rede

Daniela Martins

Que o goianiense é apaixonado por sua cidade, apesar de todos os problemas enfrentados diariamente, todos já sabem. Agora essa paixão está devidamente registrada em imagens e melancólicos depoimentos via internet. Um grupo de anônimos – que preferem não se identificar para dar total destaque apenas ao projeto – criou uma página no Facebook com o intuito de “resgatar a memória fotográfica da paisagem urbana da cidade de Goiânia” e transformou a iniciativa numa verdadeira declaração coletiva de amor à Capital.
A página intitulada “Goiânia Antiga” foi criada em 6 de janeiro último e, em pouco mais de um mês, já chama atenção pelos números alcançados. São mais de 27 mil seguidores, quase 150 fotos divulgadas, milhares de compartilhamentos e comentários. Para se ter uma ideia, a fotografia da avenida São Paulo, no Jardim Esmeralda, um registro da década de 1980, já conta com mais de 600 compartilhamentos.
A página é feita de forma colaborativa. Qualquer interessado pode enviar uma fotografia antiga da Capital com a devida identificação, e o material é divulgado pelos administradores. Os envios devem ser feitos por mensagens na própria página. E os internautas têm participado, inclusive personalidades goianienses ilustres, como Mauro Borges Teixeira Neto, neto do ex-governador do Estado Mauro Borges Teixeira; e o jornalista Iuri Godinho.
Muitos enviam fotografias de autoria de Hélio de Oliveira, o primeiro repórter fotográfico de Goiás, que recentemente lançou sua obra Eu vi Goiânia Crescer, em dois volumes, pela Editora Kelps, com registros da Capital das décadas de 1950 a 1980.

Resgate histórico
Nos registros da página Goiânia Antiga, há fotografias da construção de Goiânia, de Campinas, das avenidas do Centro, do início da Feira Hippie, da primeira feira livre realizada na cidade, além de atividades curiosas como corridas de velocípedes. Uma imagem, de 1961, mostra uma verdadeira multidão acompanhando a corrida de motovelocidade na Praça Bandeirante.
Os mais jovens visitantes da página comentam que sempre chamam seus pais e avós para conferirem as imagens, o que tem rendido muitas histórias e até lágrimas, segundo os comentários. Há também, entre os comentários, muitas informações que complementam as imagens e ajudam a construir a memória histórica da Capital.
Berço de Goiânia, Campinas é tema constante das fotografias publicadas e arranca sempre memórias saudosas dos internautas. Um deles, Edson Freitas, conta num comentário que, apesar de Campinas hoje estar sendo engolida pelo comércio, no passado, o bairro era totalmente residencial e um expoente da cultura. Em 1973, ano em que Edson se mudou para Campinas, o bairro contava com cinco cinemas.
Na página há registros mais recentes, da década de 1990, como as fotos de vista aérea da região onde hoje está o Parque Vaca Brava, cartão-postal da Capital.
Sejam mais antigas ou mais recentes, todas estas imagens que antes ficavam esquecidas em arquivos pessoais e em acervos de institutos históricos agora estão disponíveis na rede social. Além de nos fazer recordar, são imagens que nos fazem refletir sobre o quanto a cidade de Goiânia tem se transformado ao longo dos anos, seja para o bem ou para o mal.


Registros históricos de Goiânia

Igreja Matriz de Campinas, 1952, a velha instalação e, à frente, a fundação para construção da nova igreja
Igreja Matriz de Campinas, 1952, a velha instalação e, à frente, a fundação para construção da nova igreja
Populares acompanham a Corrida de Velocípedes na Praça do Trabalhador, foto de 23 de outubro de 1966
Populares acompanham a Corrida de Velocípedes na Praça do Trabalhador, foto de 23 de outubro de 1966
Avenida São Paulo, no Jardim das Esmeraldas, início dos anos 80, foto mais compartilhada pelos internatos
Avenida São Paulo, no Jardim das Esmeraldas, início dos anos 80, foto mais compartilhada pelos internatos
Feira Hippie, um dos poucos registros do início da feira. Foto de 16 de janeiro de 1972
Feira Hippie, um dos poucos registros do início da feira. Foto de 16 de janeiro de 1972
Getúlio Vargas em visita à Escola Técnica Federal no início da década de 1940. (Foto: Antonio Pereira da Silva)
Getúlio Vargas em visita à Escola Técnica Federal no início da década de 1940. (Foto: Antonio Pereira da Silva)
Transporte coletivo feito por jardineira, no trajeto Campinas-Goiânia, foto de 1958
Transporte coletivo feito por jardineira, no trajeto Campinas-Goiânia, foto de 1958
Primeiro Mercado Municipal de Goiânia (1936), este é o rancho onde funcionava a feira livre de Goiânia
Primeiro Mercado Municipal de Goiânia (1936), este é o rancho onde funcionava a feira livre de Goiânia
A prefeitura de Goiânia, em 1936, funcionava em uma das seis primeiras casas construídas na Rua 24, Centro
A prefeitura de Goiânia, em 1936, funcionava em uma das seis primeiras casas construídas na Rua 24, Centro
Primeiros materiais de construção de Goiânia vindos de carro de Boi, anos de 1930. (Foto: Alois Feichtenberger)
Primeiros materiais de construção de Goiânia vindos de carro de Boi, anos de 1930. (Foto: Alois Feichtenberger)
Goiânia, 1933, registro  das seis primeiras casas feitas pelo governo para serem sede da construção da Capital
Goiânia, 1933, registro das seis primeiras casas feitas pelo governo para serem sede da construção da Capital

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here