Educação se mobiliza contra o Aedes aegypti

0
2531
Ministra Kátia Abreu (entre o prefeito Paulo Garcia e secretária Neyde Aparecida)

Ações de controle de criadouros e conscientização englobam as redes municipal, estadual e federal de ensino

Roseneide Ramalho, Com assessorias

Instituições representativas de todos os níveis de ensino em Goiás participaram na última sexta-feira, 19, da Mobilização Nacional da Educação, em que estudantes e profissionais da área uniram esforços para o combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti. A ação que marcou o início da campanha teve a participação da ministra de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, na Escola Municipal Professora Maria Nosídia Palmeiras das Neves, no Residencial Barravento, onde foi lançado o Comitê da Educação Goiana Contra o Aedes. Em seguida, o Colégio Estadual Francisco Maria Dantas, no setor Mansões Paraíso, recebeu a comitiva para visitação.
Além de buscar a mudança de atitude com a promoção de ações educativas, a iniciativa tem o objetivo de intensificar o controle e a prevenção de criadouros do mosquito com vistorias e recolhimento de materiais que possam acumular água parada nas dependências e proximidades das unidades das redes municipal, estadual e federal de Educação. A mobilização envolve a Secretaria Municipal de Educação e Esporte de Goiânia (SME), Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), Instituto Federal Goiano (IF Goiano), Instituto Federal de Goiás (IFG) e a Universidade Federal de Goiás (UFG).
A proposta tem ainda a colaboração da Secretaria de Estado de Saúde (SES) que disponibilizou material educativo audiovisual e gráfico, além de luvas para o trabalho dos estudantes. Já a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) vai realizar a coleta e destinação dos recicláveis distribuídos pela cidade e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) distribuirá kits informativos.
A secretária de Educação e Esporte de Goiânia, Neyde Aparecida, traçou estratégia de envolvimento das 360 unidades escolares e 130 mil alunos da Capital.
“Já no início do ano letivo, iniciamos esse trabalho. Com a campanha nacional, nossas atividades serão intensificadas. Mais agora, com o foco de vistoriarmos as nossas unidades, fazendo o dever de casa para eliminarmos focos e conscientizarmos professores e funcionários da rede. Em parceria com a Comurg, vamos estabelecer pontos de coleta de recicláveis nas escolas, motivando os estudantes a desenvolverem consumo consciente e descarte responsável”, ressaltou.
Em diversos municípios, a Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte (Seduce) está preparando uma estratégia para envolver cerca de 600 mil estudantes, além dos professores, para buscar a mudança de atitude.
“Educar é um esforço permanente de formar um cidadão, alguém consciente e responsável pelo meio em que vive e isso envolve o respeito ao meio ambiente”, explicou Raquel Teixeira.
A Universidade Federal de Goiás (UFG) realizou a terceira edição da “Caminhada Contra o Aedes aegypti” com o envolvimento de toda a comunidade universitária. A UFG também desenvolveu um aplicativo para mapeamento dos focos do mosquito dentro da Universidade.
“Estamos buscando atuar de forma criativa para sensibilizar os estudantes e a comunidade a pensar sobre o assunto e estimular a promoção da saúde”, afirmou a diretora da Faculdade de Enfermagem da UFG, Virgínia Visconde Brasil. O Instituto Federal de Goiás (IFG) instituiu comitês internos para diagnóstico e elaboração de planos de ação.
Já o Instituto Federal Goiano (IF Goiano) mobilizou servidores e alunos para orientações de combate ao mosquito, realizou distribuição de material educativo, fez vistoria e limpeza dos ambientes internos e imediações das unidades. A instituição providenciou, também, a criação de comissões geral e local para coordenar ações de sensibilização, mobilização, vistoria e limpeza. De acordo com reitor, Vicente de Almeida, os 12 campus estão envolvidos na ação.
“Estamos comprometidos com o Ministério da Educação no combate ao Aedes aegypti”, declarou.


 

Controle mostra resultados positivos

Do dia 3 de janeiro a 06 de fevereiro deste ano, foram notificados, em todo o Estado, 19.762 casos de dengue, dos quais 2.421 foram confirmados. As cidades com o maior número de casos são Goiânia, Anápolis, Aparecida de Goiânia, Luziânia, Rio Verde, Valparaíso, Santo Antônio do Descoberto, Senador Canedo, Trindade e Goianira.
O esforço de eliminar criadouros do mosquito traz resultados positivos – apontam dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Na quinta semana de 2015, foram notificados, em todo o Estado, 5.371 casos de dengue; na quinta semana de 2016, foram 2.846 casos. A redução – entre uma semana e outra, no mesmo período – é de 47,01%. O índice de infestação também diminuiu. De janeiro para fevereiro deste ano, caiu de quatro para três, ou seja, em janeiro, de cada 100 imóveis, quatro tinham focos do mosquito da dengue. Agora, em fevereiro, esse número já caiu para três.

Zika

Estudantes de escolas municipais: engajados contra o Aedes
Estudantes de escolas municipais: engajados contra o Aedes

De acordo com informações da SES, em 2015 foram confirmados 13 casos de zika em Goiás. Este ano, até o dia 12 de fevereiro, foram confirmados 8 casos. Até o momento, nenhum caso de microcefalia com possível relação com zika vírus foi confirmado em Goiás. O levantamento abrange 2015 e 2016, até o dia 12 de fevereiro). A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem uma previsão inicial de 4,0 milhões de pessoas, sendo 1,5 milhão delas no Brasil, que poderão ser afetadas pelos riscos dessa epidemia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here