Crise sufoca classe empresarial

0
1657
Em Goiânia, o comércio sente a retração da economia: em tradicionais redutos de movimentação muitas lojas estão fechando as portas

Sem perspectiva de reaquecimento no curto prazo, comerciantes tentam sobreviver em meio à depressão econômica que assola o país

Daniela Martins

Sobreviver à crise econômica não tem sido tarefa fácil para o brasileiro. Todo dia é uma nova notícia desanimadora. Valor do dólar nas alturas, índice de desemprego batendo recordes, gasolina com aumentos contínuos, o fantasma da volta da CPMF e a crise política servindo como combustível interminável para tudo isso.
“A situação econômica de 2015 foi de recessão forte e 2016 será de continuidade”, sentencia o economista e professor universitário Jeferson de Castro Vieira. Serão ao menos dois anos consecutivos de recessão, com aumento de desemprego, o que leva, reforça o economista, à chamada depressão econômica.
“É uma terra arrasada”, simplifica o empresário Camilo Crisóstomo de Castro, que há 40 anos está no setor de máquinas agrícolas e afirma nunca antes ter vivenciado uma crise tão intensa como a que o país atravessa atualmente.
“2015 foi um ano diferente, tivemos de 35% a 40% de queda nas nossas vendas e estamos procurando sobreviver até a coisa melhorar”, explica o empresário.
E olha que, conforme o presidente da Associação Comercial e Industrial do Estado de Goiás (Acieg), Euclides Barbo Siqueira, o setor de agronegócio é o que tem “segurado Goiás”, quer dizer, teria sido o setor que menos sentiu os efeitos devastadores da crise econômica nacional.
Todavia, como todo bom brasileiro, Camilo mantém a esperança. A tendência para a economia em 2016, segundo sua opinião, “é estacionar e começar a melhorar a partir da ‘terra arrasada’”.
Se a economia vai mal, o comércio não tem como prosperar. Nesse diapasão, o comércio de produtos e serviços foi amplamente atingido pela crise. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam para uma queda de 4,3% nas vendas do varejo no acumulado de 2015. A prática desses números é facilmente percebida pelo goianiense. Por toda cidade, há placas e mais placas de lojas fechadas e imóveis para alugar. Até mesmo em regiões de comércio forte e tradicional, como o bairro de Campinas, e a Avenida Bernardo Sayão, antigos polos atacadistas da Capital.
Quem não fecha as portas, luta para manter o negócio de pé.
“Tenho procurado gastar menos, cortar meu custo operacional e continuar oferecendo um bom serviço”, comenta o empresário Camilo. Na sua loja não houve demissões, mas aquelas vagas abertas com a saída de alguns funcionários por conta própria também não foram preenchidas.


 

P 9 RAW_5807
Euclides Barbo, presidente da Acieg: “Retração natural”

Crise política empurra economia para baixo

O grande problema que está por trás de toda essa crise é a falta de credibilidade do governo. É o que aponta Euclides Barbo Siqueira, presidente da Acieg.
“Enquanto você não conseguir estruturar uma credibilidade no governo, há uma retração natural dos empresários, que não investem. O medo faz isso”, avalia.
Como consequência, há uma retração generalizada. Com as retrações, esclarece, há demissões; e com as demissões, a crise só vai aumentando, por conta da diminuição do consumo.
“E só vai retroalimentando a crise”, assinala.
É exatamente o que tem ocorrido agora, uma redução no comércio em razão do medo de ambos os lados, tanto do empresário quanto do consumidor.
“Uma coisa que sempre falo: o brasileiro é consumo puro. Se você der um salário pra ele, uma estrutura, ele gosta de consumir. Prova disso é que nos anos de 2004 até 2012, 2013, nós estávamos no auge, o Brasil era a bola da vez, o celeiro do mundo”, defende o presidente da Acieg.
Jeferson Vieira segue uma linha de pensamento semelhante. Para ele, a crise é uma conjuntura de vários fatores.
“O país vinha com crescimento forte, estados e União se endividaram. Veio a crise, e houve baixa na arrecadação de impostos e os governos foram obrigados a fazer ajustes”, pondera o economista. Ao passo que, continua ele, houve a queda na credibilidade política, “um descrédito total nos parlamentares”.
Os especialistas reforçam que há uma série de medidas necessárias à retomada do crescimento econômico do país, mas cuja tramitação não anda no Congresso Nacional. Na lista estão as reformas política e tributária.

UNIÃO
União tem sido a palavra-chave empregada por José Carlos Palma Ribeiro, presidente do Sindicato do Comércio Varejista no Estado de Goiás (Sindilojas-GO), na luta pela retomada do crescimento.
“É hora de nos unirmos e procurar nossas lideranças para pressionar a classe política. Nossos representantes devem nos representar, mas a política hoje virou balcão de negócios”, critica.
Ele reforça que todas as atitiudes que deveriam ser tomadas, os empresários já fizeram: quem tinha de cortar custos, cortou; fez economia de energia; otimizou gastos…
“Aí vieram os aumentos de gasolina, energia e cortaram o fôlego que havíamos ganhado”, protesta.
“Em jogo de futebol, se seu time não está ganhando, você troca o time. Agora, não estamos perdendo uma partida. Estamos perdendo o campeonato”, enfatiza José Carlos.
“Nós temos que mostrar para o governo que nós somos fortes”, reforça Euclides Barbo, da Acieg.


P 9 José Carlos Palma Ribeiro
José Carlos Palma, presidente do Sindilojas: “É hora de união”

Até julho, momento é de cautela

O presidente da Acieg, Euclides Barbo, acredita que 2016 será um ano de retomada.
“A gente tem que começar a pensar que não podemos ficar desta forma por muito tempo”, considera.
Porém, para ter uma confirmação dessa melhoria só em meados do mês de julho.
“2016 é um ano que vai ser marca, ou positiva ou negativa. Só em julho para sabermos, mas tenho esperança de ser a reviravolta”.
Ele aponta o crescimento dos microempreendedores como algo positivo nascido desse momento de crise. “Esses empreendedores forçados estão tentando sair da crise”, sugere. Segundo o presidente da Acieg, tem diminuído o número de empregos formais, com carteira assinada, por outro lado, muitos brasileiros estão tentando sobreviver. “E estão sobrevivendo. É só ir na Rua 44 (novo centro popular de Goiânia), que você vai ver que o comércio de quarta a domingo é uma loucura. Cada vez estoura mais e mais”, destaca.
No entanto, é preciso ficar de olho na chamada concorrência desleal, gerada pelos informais que não pagam impostos e conseguem vender a preços bem menores que o comércio formal. “É claro que lá existe uma informalidade que precisa ser combatidaa, é aí que o governo tem que atuar”, pondera.
Assim, tudo começa e termina nas mãos dos parlamentares. Mas Euclides também é otimista. Segundo ele, o Congresso já começou a perceber que do jeito que está não pode ficar, “já está tendo um borburinho pra gente tentar fazer algumas mudanças”, considera.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here