“Eu sou um bom aluno do prefeito Maguito Vilela”.

0
1250
"Não sou favorável a prévias, quem tem que definir é o nosso general, é o prefeito Maguito"

Presidente da Câmara Municipal de Aparecida de Goiânia, o vereador Gustavo Mendanha fala à Tribuna do Planalto sobre a sucessão no município. Entre outras coisas, ele diz que o nome da base do prefeito Maguito Vilela precisa ser definido até o final de março ou início de abril. Diz ainda que, apesar de ter vários nomes, o grupo permanecerá unido no município. A escolha do nome, declara, terá vários critérios, mas sem prévias no PMDB.

Ronaldo Coelho, Manoel Messias e Marcione Barreira


Vereador, o prefeito Maguito Vilela pediu, em reunião, para que todos os candidatos conversassem para já darem inicio ao afunilamento. São nove os pré-candidatos, como é que está essa questão, isso complica um pouco a base do prefeito?
Acho que não. Acho que é o momento dos candidatos, de fato, conversarem entre si. Entenderem quem tem mais chances e começarem o afunilamento naturalmente. O prefeito pediu para que nós colocássemos critérios para que acontecesse esse afunilamento e uma das coisas que ficou acertado é que nós devíamos conversar entre nós.

Já houve o início dessa conversação entre os pré-candidatos?
Eu, particularmente, estou conversando com todos. Entendo que todos tem  a prerrogativa de colocar o nome. Todos vem contribuindo com a cidade, mas entendo que tem que começar definir logo o nome. Aqui na capital o PSDB já escolheu seu candidato eu acho que o PMDB também já está definido, o candidato é Iris Rezende. Lá em Anápolis o PSDB já indicou seu candidato e eu acho que Aparecida também tem que começar a definir. A oposição também vai definir o deles e nós também temos que fazer isso.

Até para dar prazo de aglutinar, para preparar a campanha, fazer o discurso e discutir  o projeto de governo…
Eu particularmente já tenho o apoio maciço dos vereadores. Semana que vem a gente começa trabalhar para que esses vereadores comecem a anunciar o apoio. O presidente dos partidos eu tenho conversado também no dia a dia e também vou procurar o pré-candidatos que hoje estão aí na nossa base. Eu busco até a oposição. Estou conversando com todo mundo.

Agora, dentro da base do prefeito Maguito são nove nomes. Há a possibilidade de algum nome desses desistir a partir dessas conversas e anunciar apoio ao seu nome?
Acho que se der continuidade ao trabalho, alias esse sempre foi o meu forte. Eu sempre fui muito forte nas conversações, no diálogo, tenho trânsito livre com todos eles. Acredito que até a semana que vem, quem sabe sdá para apresentar aí, um ou outro nome que venha  dar a apoio a minha candidatura.

O senhor falou em critérios, objetivamente quais seriam?
Na verdade, cada um ali vai querer estabelecer critérios do seu perfil. Mas acho também importante escutar o vereadores, as entidades classistas, os presidentes de partidos, os lideres religiosos, os secretários. Eu acho que tudo isso faz parte dessa definição. Agora, eu defendi, na reunião com o prefeito, que seja formado um conselho que seja isento para que dentro desses critérios que já estão estabelecidos possa escolher quem será o próximo candidato para que isso não fique só nas costas do prefeito.

Quais são os critérios que foram estabelecidos?
Pesquisa quantitativa, ou seja, quem tiver mais bem colocado, pesquisa qualitativa e essa já mostra mais qual é o perfil que o eleitor quer votar, e o prefeito disse que estaria escutando a base, os presidentes de partidos, os presidentes dos bairros, lideres religiosos e escutando os secretários.

O senhor propôs no início que a definição deve ser acelerada. Acha que no mês de março isso ocorre?
Eu acho que não deve passar muito disso ou meados de abril para descobrir quem será de fato o candidato. Nós teremos tempo, não só para poder aparar algumas arestas que poderão ficar nesse processo agora, como também fazer uma preparação de elevar o nome nessa pré-campanha para que se tenha condição de chegar na campanha com seu nome mais em alta.

O senhor acha que no frigir dos ovos vai sair a unidade ou pode ter algum problema?
Eu acredito na unidade. Toda disputa pode deixar uma ou outra aresta. Agora, acredito que a escolha pode ser feita justamente num nome que menos aresta deixa e que possa trazer mais união. Eu acredito que esse nome seja o meu. Eu acredito que sou o nome que mais tem tido afinidade com todos os pré-candidatos.

O prefeito tem pedido há muito tempo para que a pré-campanha não interfira nas ações da gestão e o senhor, como presidente da Câmara, tem responsabilidade com a gestão. Vocês conseguiram durante esse processo todo evitar a contaminação da administração?
Eu não sou funcionário do prefeito, então eu venho fazendo a pré-campanha minha há dois anos. Secretário é que tem que ter sua obediência ao prefeito. Talvez isso tenha me credenciado, estou aí já há um longo tempo fazendo um trabalho e me preparando para quem sabe ser o candidato a prefeito.

O prefeito tem deixado claro que ele vai apoiar, mas não vai tocar a campanha de ninguém financeiramente…
Nenhum prefeito banca a campanha. Acho que quem banca a campanha é o próprio candidato e alguns parceiros. Essa campanha é um pouco atípica. Na verdade, você não vai ter a figura do empresário bancando as campanhas. Eu não tenho grandes recursos, mas tenho grandes amigos, inclusive eu gostaria de pedir para você uma doação de campanha, não precisa ser muito alta não.

A campanha mais curta, na sua opinião, ela pode beneficiar o candidato que tem mais densidade eleitoral?
Ela favorece quem é mais conhecido, favorece quem está mais tempo na praça. Ela favorece quem já vem ao longo dos anos fazendo um trabalho. Eu acho que é por isso que o meu nome melhor se adéqua a tudo aquilo que o prefeito espera do próximo candidato. Por outro lado vai ajudar e beneficiar quem não tem recurso.

Você foi secretário de Esporte e teve outro cargo no executivo?
Não. Fui só secretário de esporte.

Qual o senhor acha que vai ser o maior desafio, caso o venha ser o nome escolhido?

Nós tivemos um grande professor que foi o Maguito Vilela. Ele saiu de uma posição muito tranquila, vice-presidente do Banco do Brasil para ir para Aparecida de Goiânia disputar um pleito que poderia ser a redenção dele ou poderia ser o final de uma carreira.  Para mim são duas as características que melhor representam o prefeito Maguito Vilela. Primeiro, o fato de saber montar uma boa equipe, e depois a forma que ele aglutina em torno de Aparecida de Goiânia. Essa característica eu tenho. O prefeito ele caminha bem no Estado, caminha bem no Governo Federal. Saber fazer uma boa equipe e buscar relações que venha trazer benefícios para Aparecida de Goiânia.

Vereador, suceder o Maguito, que é considerado o melhor prefeito da história do município, tem um bônus porque muitas coisas foram feitas, mas muitos projetos estão em andamento e acaba que tem um ônus grande também. Essa é uma das preocupações que são discutidas em Aparecida. Como é que o senhor avalia isso?
Eu acho que a cidade se desenvolveu muito nos últimos anos. Teve um trabalho brilhante do prefeito e dar continuidade no trabalho de Maguito Vilela de certa forma não vai ser uma tarefa fácil. Por isso, a importância de tê-lo como conselheiro e embaixador e de dar continuidade também a essa equipe.

Uma das características marcantes dessa administração foi o incremento do PIB do município. Subiu muito através da política de atração de empresas. O senhor acha que esse é o caminhoa para a cidade. Tem como evoluir sempre, há espaço para isso?
Essa é a grande vocação de Aparecida de Goiânia. Nós saímos de 6 mil empresas ativas para 32 mil empresas ativas. Tem uma política fiscal muito forte implantadapelo  prefeito, mas que tem ali o Carlos Eduardo de Paula que é um grande secretário, um pensador. Buscar a ampliação dos pólos, facilitar a vida daqueles que querem empreender  em Aparecida de Goiânia. Eu acho que é fundamental para o crescimento da cidade e também investir na educação.

Continua se abrindo novos loteamentos em Aparecida de Goiânia?
Não. Nós temos o Plano Diretor de Aparecida de Goiânia, existem alguns loteamentos que estão para serem abertos, mas serão condomínios fechados. Já terão toda a infraestrutura e de certa forma facilita o trabalho da prefeitura.

Como o senhor imagina que vai ser essa campanha, será a defesa da gestão de Maguito contra o ataque a essa mesma gestão?
Acho que depende de quem será o candidato para saber quais serão as armas que serão usadas. Tem um candidato que tem um tom mais agressivo. Mas acredito que nós temos muita coisa para mostrar.

Esse discurso de descontrução da da oposição não preocupa o senhor?
Não. De forma alguma. Eles tem que mostrar o que eles fizeram e nós vamos mostrar o que nós fizemos. Nós temos muito o que mostrar. Vai ficar o discurso sobre se as pessoas querem continuidade do progresso ou querem voltar para o passado.

O discurso da continuidade contra o discurso do passado, o senhor entende mais ou menos dessa forma?
Com certeza.

O senhor já conversou com o governador Marconi Perillo (PSDB) e com o secretário Vilmar Rocha (PSD)  sobre Aparecida. Como é que foram essas conversas ?
Há um tempo eu estive com o governador, ele me convidou para ir para o seu partido, para quem sabe ser o candidato dele e do Maguito, mas eu não quis sair do PMDB. É um partido que eu milito há muitos anos porque é um partido super importante no contexto nacional e principalmente em Aparecida de Goiânia. E o Vilmar Rocha é um amigo que eu tenho como vários outros que fazem parte do governo estadual. Eu encontrei com ele num almoço. Estava almoçado e ele chegou ali. Alí um jornalista perguntou se o PSD tinha possibilidade de caminhar junto com O PMDB e ele disse que estava aberto, mas que a decisão estava nas mãos de Ademir Menezes (PSD).

Mas esse tipo de aliança tem condições de ser feita?
Política é a arte de conversar. Você imaginava que Iris Rezende e Ronaldo Caiado pudessem fazer política juntos? Na arte de conversar eu sou um bom aluno do prefeito Maguito Vilela.

Existia uma conversa de que o deputado Marlucio Pereira tinha o compromisso de apoiar o nome do senhor e ele lançou a candidatura dele. Houve um rompimento entre vocês.
Não.

O que houve?
Pela indecisão que estava ocorrendo o deputado acredita que eu posso não ser candidato e que se eu não for candidato ele não apoiaria outro nome dentro dos quadros do PMDB. Então é o plano B dele de se lançar como candidato. Tudo indica que se eu for o candidato ele me apoiará.

Em relação a composição de chapa, muita gente acha que é o PMDB na cabeça de chapa e o PT na vice. Isso vai se configurar ou essa conversa tem que ser refeita?
Entendo que o PT em Aparecida de Goiânia é um parceiro natural do PMDB. Agora, tanto a escolha do nome quanto a escolha do vice passará amanha pelo crivo do prefeito e dos partidos. Pelo que eu vejo o PT leva vantagem para ser escolhido como vice da chapa do PMDB.

Sendo definido como candidato a prefeito, o que o senhor vai dizer para a população, já sabe o que vai dizer durante a campanha?
Tudo isso é construído ao longo do processo eletivo. Dia 15 de agosto que vai ser as convenções e daqui até lá tem muita coisa a ser feita, tem muita coisa para ser discutida, mas eu tenho o desejo de ser escolhido candidato e de ser substituto do prefeito Maguito Vilela.

Nós falamos de critérios, mas prévias não passa pelos planos do PMDB?
Não. Não vai ter prévias e se tivesse eu acho que levaria uma pequena vantagem, mas eu não sou favorável a prévias, quem tem que definir é o nosso general, é o prefeito Maguito.

O senhor tem ideia do perfil do eleitor de Aparecida, se ele mudou durante os anos. O sr tem esse perfil de eleitor?
Existe hoje um perfil de uma nova liderança, que é a liderança digital. As coisas de fato são muito rápidas. Algumas são negativas e outras são positivas, né. Na política hoje você tem uma facilidade muito grande de informação. Diferente dos outros anos quando era muito difícil de você passar a informação. Hoje a mídias sociais são uma grande ferramenta. O grande perfil da cidade de Aparecida hoje são os jovens.

Você acha que ele está mais crítico com essas ferramentas?
Os jovens tendem a ser mais críticos. Isso é importante. Mas é o momento de colocar a sua cara e mostrar. Eu tenho essa cara. Eu acho que isso é uma vantagem ao meu ver do meu nome.

Um dos grande problemas de Goiânia e Aparecida é questão da mobilidade. O que pode ser feito para melhorar isso?
Eu sou favorável a municipalização do transporte em Aparecida de Goiânia. Agora, é algo que tem que ser discutido com a população e com meus conselheiros, porque realmente alguns bairros de Aparecida estão ilhados.

Com relação a crise, em Goiânia já é possível ver algumas lojas com portas fechadas, lá em Aparecida a crise é visível?
A crise é visível, mas eu acho que Aparecida tem conseguido passar de uma certa forma mais tranquila por essa crise.  Ela atinge todos os níveis, sobe tudo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here