As lições do Enem ao Ensino Superior

0
1910

Antonio Carbonari Netto

Embora o Enem destine-se à avaliação do Ensino Médio, os seus resultados em 2015, com 53 mil alunos zerando na redação e queda da nota em três das quatro áreas do conhecimento, implicam importante lição para as universidades. Afinal, elas herdam anualmente um problema crônico do ensino brasileiro, que é a má qualidade da escola pública e o melhor nível das particulares nos ciclos da Educação Básica, gerando uma distorção: majoritariamente, os que podem pagar colégios privados ingressam nas instituições públicas de Ensino Superior; os remanescentes das redes públicas vão para as particulares, normalmente tendo de trabalhar de dia para custear as anuidades, estudando à noite.
Foi essa realidade distorcida que me levou a repensar o modelo da universidade privada no Brasil e propor em termos práticos a sua transformação, ministrando Ensino Superior de qualidade, com foco preciso na formação de profissionais e pessoas capazes de desempenhar múltiplas ocupações no mercado de trabalho, a um preço que numerosas famílias e jovens brasileiros podem pagar. Ou seja: faculdade boa e barata e, portanto, realmente transformadora das vidas dos estudantes. Inclusive, em muitas situações, ministrando conteúdo, no período inicial, que contribui para o resgate do conhecimento básico perdido ou mal assimilado no Ensino Médio.
Isso funcionou muito bem nas instituições que dirigi. A rigor, trata-se do mesmo raciocínio das cotas, mas elevado a uma dimensão imensa, jamais alcançada anteriormente no Brasil e em países com perfil socioeconômico semelhante ao nosso. Trata-se de oferecer aos alunos das escolas públicas da Educação Básica a oportunidade de acesso a Ensino Superior de excelência, capaz de promover sua ascensão econômica e a melhoria do padrão da vida de suas famílias. Universidade privada boa com preço acessível é cada vez mais pertinente e necessária no Brasil.
Esse modelo é parte da resposta óbvia a um problema muito sério, antigo e até então insolúvel da educação brasileira: o acesso de grande contingente de alunos, antes com poucas oportunidades, a um nível de Ensino Superior capaz de mudar seu futuro. É importante que todas as instituições universitárias particulares façam uma profunda reflexão sobre o tema. Ao mesmo tempo, o governo não pode desmobilizar ou reduzir programas como Universidade para Todos (ProUni) e FIES (Financiamento Estudantil), que cumprem missão relevante na democratização da academia. O contingenciamento de verbas da educação, no âmbito do ajuste fiscal, tem levado a um equívoco na gestão dos dois projetos.
Por outro lado, o esforço das universidades particulares não dispensa a mais importante de todas as soluções para as deficiências apontadas pelo Enem: Educação Básica de qualidade nas escolas públicas, em suas três etapas, ou seja, a Infantil, o Ensino Fundamental e o Médio. O Brasil não pode seguir relegando essa prioridade a segundo plano. Atendê-la significa mobilização ampla e políticas públicas eficazes da União, estados e municípios, assumindo a responsabilidade constitucional que lhes cabe na formação escolar, com excelência, de todos os brasileiros.

Antonio Carbonari Netto é matemático pela PUC-Campinas, mestre em Administração, Educação e Comunicação pela Universidade São Marcos,  MBA em Gestão Universitária pela Universidade São Francisco, membro da Academia Brasileira de Ciências da Administração e vice-presidente do Sindicato das Entidades Mantenedoras de Ensino Superior do Estado de S. Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here