Lançada 12ª edição do concurso Goiás na Ponta do Lápis

0
6734

Realizado pela Tribuna do Planalto com apoio do Governo estadual através da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte e Secretaria de Saúde, o certame nesta edição terá algumas novidades: alunos terão que relatar uma experiência prática, que pode ser contada em formato de redação, desenho, fotos ou vídeo, relacionada diretamente com o combate ao mosquito Aedes aegypti

Fabiola Rodrigues e Manoel Messias
Com o tema “Histórias reais do combate ao Aedes”, foi lançado na quarta-feira passada, dia 9, a 12ª edição do concurso Goiás na Ponta do Lápis. O lançamento ocorreu no Centro de Convenções de Goiânia, durante solenidade da segunda etapa da força tarefa ‘Goiás contra o Aedes’, com a presença do ministro da Saúde, Marcelo Castro, do governador Marconi Perillo, do secretário estadual de Saúde, Leonardo Vilela, prefeitos e secretários municipais de Saúde de praticamente todos os 246 municípios goianos. A secretária Estadual de Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, que participou do evento especialmente para apresentar o projeto e fazer o lançamento do concurso, lembrou o quanto é importante envolver o ambiente escolar no combate ao mosquito transmissor de doenças como dengue, chikungunya e zika.
Realizado pela Tribuna do Planalto com apoio do Governo estadual através da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte e Secretaria de Saúde, o certame nesta edição terá algumas novidades. Ao contrário das edições anteriores, quando os alunos faziam pesquisa sobre o tema proposto e escreviam suas redações, este ano eles terão que relatar uma experiência prática, que pode ser contada em formato de redação, desenho, fotos ou vídeo, relacionada diretamente com o combate ao mosquito.
O ministro da Saúde elogiou a Tribuna do Planalto e o Governo Estadual por escolher um tema de redação considerado por ele da máxima importância para todos os brasileiros. Marcelo Castro ressaltou que, desta forma, Goiás está atingindo 100% do que ele gostaria que todos os estados fizessem para combater o mosquito.

Ministro da Saúde Marcelo Castro com o governador Marconi Perillo. Foto: Paulo José/Tribuna
Ministro da Saúde Marcelo Castro com o governador Marconi Perillo. Foto: Paulo José/Tribuna

“É fundamental tratar sobre o combate ao Aedes aegypti dentro do ambiente escolar, o jovem tem facilidade em aprender. Nós estamos intensificando muito o Programa Saúde na Escola exatamente para combater o mosquito. Não temos a menor dúvida de que as crianças e os adolescentes têm uma força imprescindível para ajudar a erradicar a proliferação do mosquito”, disse Marcelo Castro.
Raquel Teixeira destacou que todas as escolas da rede estadual, neste momento, já realizam algum tipo de ação no combate ao Aedes e que o concurso vem reforçar, ainda mais, a campanha de erradicação do mosquito em todo o território goiano.
“Ninguém acaba ou erradica efetivamente uma epidemia se não passar pelas crianças. Foram elas que mudaram o comportamento de seus pais em relação ao uso do cinto de segurança e agora é, a partir das escolas, que nós vamos realmente apagar o mosquito de nossas vidas”, disse Raquel Teixeira, se referindo ao cartaz que divulga o concurso, no qual o mosquito da dengue é apagado por uma borracha.
“Nós não queremos que os alunos façam cópias na internet sobre o que é o mosquito Aedes aegypti. Queremos que eles contem histórias reais vividas por eles ou pelos familiares no combate ao mosquito”, diz a secretária.
De acordo com o diretor-presidente da Tribuna do Planalto, Sebastião Barbosa, o tema “Histórias reais de combate ao Aedes” foi especialmente escolhido com a intenção de envolver e conscientizar toda a comunidade escolar, para que se tornem rotina às ações de combate ao mosquito Aedes aegypti. Os alunos devem relatar histórias reais de combate ao mosquito e as melhores produções serão premiadas.
O governador Marconi Perillo destacou que a mobilização dos estudantes é fundamental para a conscientização de toda a população. Ele disse que o concurso vem reforçar a campanha “Goiás contra o Aedes” a alcançar seu objetivo de combate ao mosquito mais rápido.
“É fundamental o engajamento de toda a comunidade escolar nesse projeto de conscientização de todos para conseguirmos atingir a meta de erradicar o Aedes aegypti”, diz o governador, frisando que o concurso é “importantíssimo” no esforço que toda a máquina administrativa estadual está empenhada para a erradicação do mosquito.
Poderão participar do Goiás na Ponta do Lápis estudantes das redes estadual e municipais, além das escolas particulares, de todos os 246 municípios goianos. O objetivo é contar com a participação de cerca de 1,8 milhão de estudantes.
As redações, desenhos, fotos e vídeos serão selecionados em três etapas: escola, regional (Subsecretarias) e estadual. Os vídeos finalistas, segundo Raquel Teixeira, serão disponibilizados em uma fanpage e serão selecionados em primeiro, segundo e terceiro lugar pela quantidade de curtidas e compartilhamentos.
O presidente da Associação Goiana de Municípios (AGM), Cleudes Baré, elogiou a iniciativa de unir todos os estudantes goianos no combate ao Aedes aegypti. Ele lembrou que o lugar mais apropriado para mudar o comportamento social é justamente o ambiente escolar.
“Quero parabenizar a Tribuna, que há mais de 10 anos realiza esse concurso, uma iniciativa que estimula a cidadania, trazendo para discussão temas atuais e de grande relevância para toda a sociedade”, diz o presidente da AGM.


 

Veja como é fácil participar

Secretária Raquel Teixeira: “A partir das escolas, vamos apagar o mosquito de nossas vidas”
Secretária Raquel Teixeira: “A partir das escolas, vamos apagar o mosquito de nossas vidas”

A 12ª edição do tradicional concurso Goiás na Ponta do Lápis tem como tema este ano “Histórias reais de combate ao Aedes” e vem com muitas novidades. Além das redações, os estudantes poderão produzir desenhos, fotos e vídeos para concorrerem aos prêmios, que incluem notebooks, tablets, smartphones, bicicletas, medalhas, certificados e bolsas de estudo. As histórias podem ser contadas de diferentes formas, desde que sejam reais.
Para participar do concurso, os estudantes precisam estar regularmente matriculados nas redes de ensino estadual, municipais ou particular de todo o estado e fazer sua inscrição através do site: www.tribunadoplanalto.com.br a partir do dia 21 de março, prazo que se estende até 15 de maio. O tema “Histórias reais de combate ao Aedes” serve para todas as categorias.
O certame começa este mês e termina em novembro. As premiações dos melhores trabalhos serão divididas por categorias e em duas etapas, regional e estadual, na fase regional a equipe da Tribuna do Planalto visita entre os meses de setembro e novembro as 40 Subsecretarias Regionais, premiando os melhores em cada uma delas. Já na fase estadual as melhores produções serão premiadas em evento realizado na capital.

Critérios de avaliação
Para a escolha dos melhores textos, serão utilizados os seguintes critérios: ortografia, concordância verbal e gramatical, capacidade de organização do pensamento, originalidade, ineditismo e pertinência ao tema, gênero textual, conforme categorias.
A análise para a escolha dos melhores desenhos serão: cada estudante participar com apenas um desenho. O desenho deverá ser apresentado em papel branco A4 com margens de 2 cm. Cada desenho deverá ser entregue em envelope craft natural; a identificação do estudante, turma, escola deverão constar somente no verso do trabalho e no envelope. Serão observadas na apresentação do trabalho, originalidade e pertinência ao tema.
Para a classificação das melhores fotografias, os alunos deverão apresentar duas fotografias por estudante. Uma relacionada a um ambiente que possa conter focos de contaminação do mosquito Aedes aegypti e outra relacionada a uma situação oposta. As fotografias devem ser impressas em papel fotográfico tamanho 10×15 cm e entregues em envelope craft natural. A identificação do estudante, turma, unidade escolar, local e data da fotografia e título da produção textual deverão constar no verso do trabalho e no envelope. As fotografias devem ser inéditas e de autoria do próprio estudante. Nesta categoria, o gênero da produção textual é livre.
Os alunos que forem produzir os vídeos devem observar a duração máxima admitida, que será de cinco minutos. Devem conter título apresentado no início e créditos no final, com o nome da unidade escolar, município, subsecretaria, nome do professor/orientador, nomes dos estudantes participantes e suas respectivas funções na produção. A originalidade e pertinência ao tema devem prevalecer. Os gêneros aceitos serão: ficção, documentário, videoclipe e animação. Serão aceitos apenas vídeos em formato .AVI ou .MKV.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here