Amastha quer futura base de apoio mais leal

0
1816
Visando cumprir o prazo de desincompatibilização da Justiça Eleitoral para as eleições municipais deste ano, oito secretários pediram exoneração de seus cargos na última sexta-feira, 1º de abril, ou seja, seis meses antes do dia da votação. A expectativa é que os oito sejam candidatos a uma cadeira na Câmara Municipal. Deixaram a administração de Palmas os secretários: Tiago Andrino, da Integração Social e Defesa do Consumidor; Rafael Boff, da pasta extraordinária de Energias Sustentáveis; Cleide Brandão, de Desenvolvimento Econômico e Emprego; Diego Fernandes, da Habitação; Paulo César Lustosa, executivo do Desenvolvimento Rural; Warner Pires, executiva do Desenvolvimento Social;  a presidente da Fundação Municipal de Meio Ambiente, Germana Pires Coriolano; e o secretário executivo de Planejamento, Gestão e Recursos Humanos, Carão da Saneatins. As candidaturas estremecem ainda mais as relações do prefeito Carlos Amastha (PSB) com a Câmara Municipal, onde ele vem perdendo aliados desde o final do ano.
Também houve trocas de partidos dos ex-secretários e de outros aliados do prefeito Amastha. Tiago Andrino deixou o PCdoB e foi para o PSB. Outro que ingressou nas fileiras do PSB foi o vereador Major Negreiros, que deixou o PP. Germana Pires deixou o PT e ingressou no PCdoB para continuar na base de apoio a Amastha. A estratégia de Amastha é tentar eleger  vereadores mais leais à sua base e menos que dependam de negociações políticas durante a gestão num possível segundo mandato.
Surpresa
Nos bastidores políticos havia aposta que outros nomes da gestão municipal de Palmas poderiam sair candidatos a vereador.  Os nomes do secretário de Planejamento, Gestão e Recursos Humanos, Alan Barbiero, e da secretária de Desenvolvimento Social, Eliane Campos, eram dados como certos na disputa por terem sido candidatos a deputado estadual no pleito de 2014.
Outros caminhos
O vereador Milton Neris anunciou na sexta sua saída do PR para filiar-se ao PP, do deputado Lázaro Botelho. Neris diz que não seguirá junto com Amastha durante o processo eleitoral.
Oposição
O PMDB palmense também já se declarou oposição ao prefeito Carlos Amastha e assim, os vereadores Rogério Freitas e Emerson Coimbra engrossam desde o início do ano a turma contra o Prefeito.
PPS
O ex-vice-governador Tom Lyra, pré-candidato a prefeito pelo PPS, trabalha para engrossar as fileiras da legenda na Capiral. Na última semana foram filiados o ex-prefeito de Santa Fé do Araguaia e ex-presidente da ATM, Valtenis Lino, e a ex-vereeadora Vânia do Aureny III. Os dois podem disputar vagas na Câmara de Palmas.
Convite
A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) permanece como Ministra da Agricultura, contrariando decisão de seu partido tirada durante reunião na última terça, 29, de deixar o Governo Federal. Kátia recebeu convite durante a semana passada de representantes do PR Mulher para filiar-se à legenda. O convite foi confirmado e reforçado pelo presidente estadual do PR, senador Vicentinho Alves (PR-TO).
Miojo
A decisão do PMDB de sair do Governo Dilma foi resolvida durante reunião que durou oficialmente apenas três minutos. O tempo era suficiente apenas para fazer um miojo e obviamente grande parte da legenda permanece no Governo Federal. São sete ministros e mais de seiscentos cargos de chefia em ministérios e autarquias.
Invisível
Quem permanece invisível no Governo Federal é o ex-deputado Júnior Coimbra (PMDB-TO), que ocupa cargo no Ministério do Turismo. Coimbra foi um dos ardorosos defensores de Eduardo Cunha, de quem também era protegido em suas peraltices durante o tempo que foi presidente do PMDB tocantinense no período pré-eleitoral de 2014. Marcelo Miranda lembra bem disso.
Blocos na Assembleia
Depois do troca-troca de partidos formaram-se cinco novos blocos na Assembleia Legislativa. O maior dos blocos tem sete deputados e cinco partidos, PSC/PSL/PPS/PSDB/PSB, e tem como líder o deputado Cleiton Cardoso (PSL). O segundo maior bloco é composto por cinco deputados e cinco partidos (PR/PDT/PHS/DEM/PSD), liderado pelo deputado Eduardo Siqueira Campos (DEM). Outro bloco tem quatro deputados e apenas o PMDB como partido, com o deputado Nilton Franco como líder. O bloco formado SD e PROS também tem quatro deputados e Vilmar Oliveira (SD) como líder. O bloco formado pelo PT e PP tem quatro deputados e é liderado pelo deputado Zé Roberto, sendo composto também pela líder do governo, deputada Valderez Castelo Branco (PP). (Do Site Agora-TO)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here