Concurso dá mais liberdade para alunos

0
1417
Estudantes da Escola Estadual Pedro Gomes, em Goiânia estão unidos para combater o Aedes . Além das práticas de combate, os alunos já estão adquirindo experiências para produzir material do concurso

Além de terem mais opções para usar a criatividade, estudantes estão se sentindo à vontade para produzir o material para a 12ª edição do certame

Fabiola Rodrigues

A 12ª edição do concurso Goiás na Ponta do Lápis continua com as inscrições abertas até o dia 15 de maio. Este ano, diferentemente das outras edições, os alunos que desejam participar precisam realizar a inscrição pelo site www.tribunadoplanalto.com.br. Vale lembrar aos estudantes que fazer o cadastro no site garante a participação no concurso. Agora falta menos de um mês para o encerramento das inscrições. O maior concurso de redação, desenho, fotografia e vídeo do Centro-Oeste pretende alcançar 1,8 milhões de estudantes dos 246 municípios goianos.
Para participar, é preciso estar regularmente matriculado nas redes de ensino estadual, municipal ou particular em qualquer cidade do estado de Goiás. Realizado pela Tribuna do Planalto com apoio do Governo estadual através da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte e Secretaria de Saúde, o certame está com novidades este ano. Ao contrário das edições anteriores, os alunos a partir da edição deste ano podem produzir, além das redações, trabalhos nas categorias Desenho, Fotografia e Vídeo.
O tema do concurso é “Histórias reais de combate ao Aedes” e tem como intenção envolver e conscientizar toda a comunidade escolar, para que se tornem rotina às ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, causador de doenças como dengue, chikungunya e zika. Os alunos devem relatar ações reais de combate ao mosquito e as melhores produções serão premiadas com notebooks, tablets, smartphones, bicicletas, medalhas, certificados e bolsas de estudo.
Os estudantes da Escola Estadual Pedro Gomes, em Goiânia estão unidos para combater o Aedes e evitar que o ambiente escolar se torne local de proliferação do mosquito. Além das práticas de combate, os alunos já adquirem experiências para produzir material do concurso. A aluna Riziery Souza, de 16 anos, fica contente em ajudar no combate.
“Nós estamos fazendo mutirão dentro da escola. Tiramos dias para aparar a grama, a horta, retirar todos os sacos e latinhas do nosso ambiente de estudo. É ótimo fazer isso com o envolvimento dos meus colegas de sala. Estamos ajudando a erradicar o Aedes”, diz a estudante.
As novidades do concurso, como a produção de desenhos, fotografias e vídeos, estão motivando ainda mais os alunos a participarem da edição inovadora do certame. A estudante Riziery Souza, conta que as novas possibilidades de criar os trabalhos foi motivador.
“Achei muito bom não ter só a opção de redação. Vamos poder produzir vários tipos de trabalhos relacionados ao tema. A paródia que foi o gênero textual escolhido para o ensino médio teve ótima repercussão aqui na nossa escola, gostamos muito. Vai dar para fazer muitos materiais legais. Podemos usar vários ritmos musicais e criar novas músicas”, diz, animada, a estudante.
Riziery Souza faz o terceiro ano do ensino médio e conta que seu trabalho está quase pronto. Ela vai brincar com um ritmo musical infantil envolvendo o combate ao mosquito Aedes.
A estudante Juliana Porto, de 15 anos, faz o primeiro ano do ensino médio. Ela adora escrever e diz que as novidades do concurso vai envolver mais alunos na nova edição.
“Escrever é uma paixão minha, mas existem pessoas que não gostam. E as vezes nem participavam do concurso porque não tinha outra opção. Com as novas modalidades, muitos estudantes estão me falando que vão participar”, conta a estudante.


Brincando com a criatividade

Nathalya Rodrigues: “Vou apresentar um ótimo trabalho”
Nathalya Rodrigues: “Vou apresentar um ótimo trabalho”

Além ter mais chance de usar a criatividade, na 12ª do certame os alunos estão se sentindo à vontade para produzir o material, de forma educativa e saudável. Os alunos da Escola Estadual Pedro Gomes estão brincando com as palavras e o diretor está motivando eles a produzir os trabalhos.
“Nosso diretor vem nos ajudando nessa jornada de produção do material para o concurso. Até os vídeos, ele vai nos ajudar a criar. Queremos todas as edições dessa forma”, pede Juliana Porto.
Para a estudante Nathalya Rodrigues, de 15 anos, o concurso vai servir para ela colocar no papel as práticas que vem usando no combate ao Aedes.
“Eu tenho praticado o combate ao Aedes e a escola tem me orientado como fazer isso com frequência. Vou apresentar um ótimo trabalho a partir da minha experiência. As produções além vão privilegiar muitos alunos e isso é motivador”, diz Nathalya Rodrigues.


Subsecretarias já têm o material de divulgação

A entrega do material de divulgação do Concurso de Redação, Desenho, Fotografia e Vídeo Goiás na Ponta do Lápis já foi realizada em todo o estado de Goiás. As 40 subsecretarias de Educação já receberam o material, composto de cartazes, fôlderes, proposta de organização geral e regulamento. O gerente de Projetos da Tribuna do Planalto, Enoel Júnior, concluiu essa fase de entrega do material de divulgação na semana passada.
O professor Juliano Avelar, diretor do Núcleo Pedagógico na Subsecretaria Metropolitana, diz que os folderes já foram entregue nas mãos dos estudantes das 130 escolas estaduais da capital.
“Esta edição vai proporcionar um grande debate no ambiente escolar. Acreditamos que muitos alunos vão adquirir aprendizado após a participação do concurso. Isso é o mais importante”, observa o diretor.
As Subsecretarias Regionais de Educação de todo o estado são responsáveis pela entrega do material às unidades escolares da rede estadual e também para as secretarias municipais de suas jurisdições.


 

“Já participei de outras edições ainda como aluna”

Professora de português, Ludimla Macedo: Se orgulha em trabalhar com os alunos sobre o concurso
Professora de português, Ludimla Macedo: Se orgulha em trabalhar com os alunos sobre o concurso

As novidades da 12ª do concurso Goiás na Ponta do Lápis estão despertando nos professores desejo maior ainda de orientar os alunos nas diversas formas de produzir os trabalhos. Essa oportunidade é observada pelos educadores como uma maneira de avaliar os alunos nas diferentes formas de criatividade.
Para a professora de português Ludimila Macedo, que dá aula na Escola Estadual Pedro Gomes, o concurso acrescenta muito conhecimento para os estudantes. Ela lembra que já participou de outras edições ainda como aluna. Ela se sente privilegiada em saber que quem participa do certame de alguma forma sai vencedor, pois é um aprendizado.
“Tenho orgulho de trabalhar com os alunos sobre o concurso e saber que ele tem resultados. Eu achei muito interessante as novidades das produções dos trabalhos, porque como professores vamos avaliar os estudantes de diversas formas. Estamos incentivando eles a apresentarem bons materiais”, diz a professora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here