Espaço garantido para novas formas de expressão

0
1387
Os alunos que produzirem os melhores trabalhos de cada categoria receberão prêmios como: bicicletas, notebooks, smartphones, bolsas de estudos, certificados e medalhas

12ª edição do concurso Goiás na Ponta do Lápis oferece sete categorias para estudantes realizarem suas produções conforme sua aptidão, abrindo mais espaço para a criatividade e uso de novas tecnologias

Fabiola Rodrigues

A 12ª edição do concurso Goiás na Ponta do Lápis está mobilizando estudantes por todo o estado no combate ao mosquito Aedes aegypti. Com o tema “Histórias reais de combate ao Aedes”, os alunos podem desenvolver diferentes produções aproveitando as novidades incorporadas ao certame. Este ano, além das redações, poderão ser produzidos desenhos, fotografias e vídeos.  Nesta edição    os estudantes devem desenvolver seus  trabalhos de acordo com o gênero textual .Conforme regras estabelecidas no edital do concurso.
Diferentemente dos outros anos, nessa edição os alunos precisam apresentar os trabalhos conforme especificado em cada categoria. No total, sete foram estabelecidas, sendo elas: categoria A, estudantes do 2º e 3º anos do ensino fundamental que produzirão desenhos relacionados as práticas de combate ao Aedes através desenhos.
A categoria B engloba alunos do 4º e 5º anos, que produzirão fotografias, imagens fotográficas acompanhadas de um relato. O estudante dessa categoria pode brincar com as variadas formas te tirar foto. O uso da tecnologia neste momento poderá ser usada para favorecer o aluno. O gerente de Projetos da Tribuna do Planalto, Enoel Júnior, diz que o uso dos aparelhos tecnológicos veio para envolver ainda mais os estudantes nas várias formas de produzir os trabalhos.
“Usar o celular ou uma câmera fotográfica é uma das maneiras de envolver essa nova geração de alunos com a tecnologia. Eles já sabem muito bem como manusear esses aparelhos”, comenta o gerente de Projetos.
Já na categoria C os estudantes do 6º e 7º anos vão produzir as redações com o gênero textual poema. Alunos do 8º e 9º anos que são da categoria D devem criar histórias a partir de textos em forma de crônicas. A categoria E, que foi reservada para os estudantes do ensino médio, dá a chance para eles elaborarem redações cheias de rimas e ritmos musicais por meio do gênero textual paródia.
Os estudantes do Educação de Jovens e Adultos (EJA) receberam o gênero textual memórias para a produção dos textos e fazem parte da categoria F. Por meio de contos e relatos pessoais, que já são uma das características do concurso, os alunos poderão apresentar diversas histórias em formato de texto.
A produção de vídeos pelos estudantes faz parte desta edição inovadora do certame. A categoria G tem a função de envolver os alunos da escola de diferentes turmas do ano letivo para juntos criarem práticas de combate ao Aedes. Especialmente nesse caso, na criação dos vídeos o envolvimento de professores é muito importante.

Inscrições
O concurso continua com inscrições abertas. Os alunos regularmente matriculados nas escolas das redes estadual, municipais e particular de ensino dos 246 municípios goianos interessados em participar devem realizar as inscrições pelo site www.tribunadoplanalto.com.br/concurso até o dia 15 de maio.

O aluno que deseja participar dessa edição  não pode deixar de fazer sua inscrição. Realizado pela Tribuna do Planalto em paceria com a Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte (Seduce) e Secretaria Estadual de Saúde (SES), o concurso este ano apresenta o seguinte tema: “Histórias reais do combate ao Aedes”, especialmente definido para incentivar os alunos a escreverem sobre o enfrentamento do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika.

Raquel Teixeira: “Queremos que os estudantes contem histórias reais vividas por eles no combate ao mosquito Aedes. Através das novidades de cada categoria”
Raquel Teixeira: “Queremos que os estudantes contem histórias reais vividas por eles no combate ao mosquito Aedes. Através das novidades de cada categoria”

De acordo com o gerente de Projetos da Tribuna do Planalto, a expectativa para este ano é que mais de 1,8 milhão de estudantes participem do concurso. Ao final, serão premiados os melhores trabalhos de cada modalidade, com milhares de prêmios como: bicicletas, notebooks, smartphones, bolsas de estudos, certificados e medalhas. As escolas vencedoras das produções dos melhores vídeos vão ser premiadas com aparelhos data-shows, televisores e câmeras fotográficas.
As redações, desenhos, fotos e vídeos serão selecionados em três etapas: escola, regional (Subsecretarias) e estadual. Os vídeos finalistas, segundo Secretária da Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, serão disponibilizados em uma fanpage e serão selecionados em primeiro, segundo e terceiro lugar, na fase final  pelo maior número de curtidas e compartilhamentos.


Critérios para seleção de trabalhos inscritos

Com a inserçaõ de novas categorias, o concurso Goiás na Ponta do Lápis deste ano vai exigir uma seleção mais complexa dos trabalhos inscritos. Vários critérios serão analisados para que sejam premiados aqueles estudantes que apresentarem melhor desempenho. A seleção será feita por uma comissão formada por representantes da Tribuna do Planalto, da Faculdade Sul-Americana (Fasam), Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte e Secretária Estadual de Saúde.
Após prévia seleção na própria escola, os melhores textos a serem analisados utilizando os seguintes critérios: ortografia, concordância verbal e gramatical, capacidade de organização do pensamento, originalidade, ineditismo e pertinência ao tema, gênero textual, conforme categorias.
Além disso, há outros critérios para seleção: cada estudante pode participar com apenas um desenho. O desenho deverá ser apresentado em papel branco A4 com margens de 2 cm. Cada desenho deverá ser entregue em envelope craft natural; a identificação do estudante, turma, escola deverá constar somente no verso do trabalho e no envelope. Serão observadas na apresentação do trabalho, originalidade e pertinência ao tema.
Para a classificação das melhores fotografias, cada aluno poderá apresentar duas fotografias, uma relacionada a um ambiente que possa conter focos de contaminação do mosquito Aedes aegypti e outra relacionada a uma situação oposta. As fotografias devem ser impressas em papel fotográfico tamanho 10×15 cm e entregues em envelope craft natural. A identificação do estudante, turma, unidade escolar, local e data da fotografia e título da produção textual deverão constar no verso do trabalho e no envelope. As fotografias devem ser inéditas e de autoria do próprio estudante. Nesta categoria, o gênero da produção textual é livre.

Enoel Júnior: “As análides para a premiação dos melhores trabalhos serão realizadas em conjunto”
Enoel Júnior: “As análides para a premiação dos melhores trabalhos serão realizadas em conjunto”

Os alunos que forem produzir os vídeos devem observar a duração máxima admitida, que será de cinco minutos. Os trabalhos devem conter título apresentado no início e créditos no final, com o nome da unidade escolar, município, subsecretaria, nome do professor/orientador, nomes dos estudantes participantes e suas respectivas funções na produção. A originalidade e pertinência ao tema devem prevalecer. Os gêneros aceitos serão: ficção, documentário, videoclipe e animação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here