Em tempos de crise, criatividade!

0
2622

Essencialmente, o poder público busca funcionar e oferecer serviços como as melhores empresas da iniciativa privada, incorporando, sempre que possível, na administração da coisa pública aquelas técnicas e metodologias consagradas nas empresas que cresceram fora das bêncãos do estado. As rotinas administrativas das empresas privadas não são difíceis de ser copiadas, bastando ao gestor público estudá-las e, havendo recursos, aplicá-las e possivelmente obterá os resultados almejados, que é a satisfação do cliente, no caso a população em geral, o contribuinte que paga o sustento do estado.

Um dos diferenciais da iniciativa privada muito significativo e que precisa ser incorporado pelo poder público é a criatividade. Diferentemente das técnicas tradicionais de administração, esse componente, às vezes decisivo na esfera privada, é difícil aplicabilidade na administração pública – não por algo inexplicável, mas porque aceitou-se trabalhar no setor público como simples retribuição dos impostos, sem interesse em conquistar o contribuinte como destinatário dos serviços e que, portanto, precisa ser bem atendido.
Se em tempos normais, a criatividade é importante, na esfera privada ou na pública, em tempos de crise ser criativo é ainda mais fundamental, sendo mesmo, em muitos casos, determinante da sobrevivência de uma empresa particular e, em casos raros, de empresa pública também. Neste breve texto, vamos focar na importância da criatividade para um gestor público, especialmente em tempos de crise, como o que vivemos atualmente.
Para sobreviver em tempos de crise, é preciso ir à luta, buscar oportunidades, ser inovador… Mas como conseguir isso na administração pública? Isso são outros quinhentos, mas podemos garantir que é possível no setor público ser criativo, como ocorre na iniciativa privada.
Especialistas indicam que, para enfrentar momentos de crise, é primordial fugir do desânimo geral, manter-se distante da melancolia geral para não se tornar sem energia. Portanto, a administração pública deve se aproximar de pessoas jovens, otimistas, que ainda têm gás para trabalhar. Outra dica é movimentar-se, sair em busca de perspectivas. Novas ideias, que muitas vezes estão fora, no exterior, são a chave para sair da crise ou manter-se forte o suficiente para passar por ela. Nesse mesmo sentido, é importante observar as práticas de outros setores para se inspirar. Daí surge que a multidisciplinaridade é um ingrediente básico da inovação. Ainda é fundamental buscar parcerias. O trabalho colaborativo costuma ser um ótimo combustível para a criatividade.
No caso do Estado de Goiás, todas as dicas acima nos parece estão sendo tentadas, nesse momento de crise, com os repasses federais definhando. Um exemplo é o Consórcio Brasil Central, por meio do qual estados da Região Centro-Oeste estão buscando formular e executar projetos de desenvolvimento regional, seja por Parceria Público Privada ou concessões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here