Ser fitness é negócio lucrativo

0
3040
Lu de Tarso (à direita), com sua equipe: Fina Detox surgiu e cresceu para atender à demanda por comida fit. Fotos: Paulo José

Mercado fitness experimenta forte crescimento e alto faturamento, impulsionado pela demanda do brasileiro, que corre atrás de uma maior qualidade de vida

Daniela Martins

Entregar o que o mercado consumidor deseja é caminho certeiro para o sucesso. E foi o que Luzileide de Tarso fez. Há oito meses ela começou sua vida como empreendedora já de olho na clientela saudável: vendia pacotes de verduras e frutas congeladas. Logo depois passou para o famoso suco detox. “Eu fazia as polpas, congelava e vendia. Acabou que as pessoas enjoavam só de suco, pediam uma ‘comidinha’ também, e então comecei a ver o mercado”, recorda.
Do suco, Lu de Tarso passou às saladas. Inventou, pesquisou, inovou na cozinha, sempre utilizando-se da gastronomia fitness. A clientela gostou e assim nasceu a Fino Detox, pequena empresa que hoje fornece um cardápio amplo que vai do café da manhã ao jantar, passando pelo almoço e lanches rápidos. São 70 clientes atendidos diariamente.
“Comecei do nada, não tinha experiência na área e estou adquirindo com o dia a dia. Pretendo fazer um curso profissionalizante para atender grandes demandas”, se propõe a futura chef de cozinha, que já emprega outras três pessoas com sua gastronomia fitness.
A história de Lu de Tarso é emblemática. O mercado de comida saudável está em franco crescimento, assim como as demais áreas ligadas ao mercado fitness. Engana-se quem pensa que é apenas modismo, essa transformação já foi tendência, e agora tem se consolidado como um hábito do brasileiro.
Dados da Euromonitor Internacional, que realiza pesquisa de estratégia para mercados consumidores, apontam para um crescimento em relação ao consumo de alimentos saudáveis no país. Pela definição, alimentos fitness são itens que apresentam em sua composição menores quantidades ou restrição total de açúcar, sal e gordura, e maior abundância de fibras, vitaminas e nutrientes.

Karina Fagundes, do Senac: “não é modismo, é uma mudança de comportamento”
Karina Fagundes, do Senac:
“não é modismo, é uma mudança de comportamento”

De 2009 a 2015, o Brasil pulou do sexto para o quarto colocado no ranking mundial de aquisição desses alimentos, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, Chile e Japão.
Em 2015, o Senac também se atentou para esse mercado e lançou o curso de Culinária Fit, ampliando sua grade de profissionalização na área de gastronomia. “Nós tivemos uma procura muito grande com relação à culinária fit, à alimentação saudável e resolvemos lançar o curso”, ressalta a supervisora pedagógica do Senac Aparecida de Goiânia, Karina Fagundes.

Luís Gomide, da Starki: mercado fitness está em ascensão
Luís Gomide, da Starki: mercado fitness está
em ascensão

De lá pra cá, sete turmas já se formaram na unidade e a próxima será iniciada neste mês de junho. Além disso, os outros cursos da área de gastronomia também ganharam um toque fitness, sempre com alguma receita saudável incluída no cardápio ensinado.
“A culinária fit veio como um diferencial. Não é uma questão de modismo, é uma mudança de comportamento”, defende Karina Fagundes.

Com ampla variedade de produtos para prática esportiva, em especial o crossfit, loja Starki aposta no mercado goiano
Com ampla variedade de produtos para prática esportiva,
em especial o crossfit, loja Starki aposta no mercado goiano

De fato, nos últimos anos o brasileiro tem corrido atrás de uma vida com mais qualidade. A prática de exercícios e a alimentação saudável são movimentos tradicionias neste sentido. Sendo assim, sai na frente quem consegue atender a contento esse mercado.


Crossfit transforma Goiânia em celeiro  para o mercado fitness

Esporte fundado na década de 1970, nos Estados Unidos, o Crossfit começou a chegar ao Brasil em 2009. Atento às necessidade do mercado que se formava por aqui, o empresário Luís Gomide lançou uma loja virtual – como braço de uma já tradicional loja de calçados – para a comercialização de produtos para a nova prática esportiva. “Tivemos um boom enorme de vendas”, conta.
Diante de tamanho sucesso, a loja virtual ganharia identidade própria. Surgiu assim a marca Starki, com sua própria loja virtual independependente, dos sócios Luís Gomide e Imad Esper. A aposta agora é no mercado de Goiânia, onde os dois lançaram a primeira loja física da Starki, neste mês de maio.
Luís explica a escolha. “Grandes empresas do meio estão em Goiânia, que se transformou em celeiro na parte de treinamento, vendas de produtos e equipamentos para a prática da atividade”.
De fato, tudo o que envolve as práticas esportivas tem movimentado altas cifras e aquecido o mercado fitness, especialemnte modalidades como o MMA, Crossfit e Muay Thai, que já conquistaram milhares de adeptos país afora.
Pesquisa da Inteligência de Mercado (IEMI) aponta para um faturamento de R$ 11,3 bilhões em vestuário esportivo e de R$ 4,12 bilhões em calçados, no ano passado. s academias também ajudam desenvolver esse mercado. Dados da Associação Brasileira de Academias (ACAD) revelam que o segmento movimentou, em 2015, nada menos que 2,4 bilhões de dólares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here