Clima quente na Cidade de Goiás

0
11729

A sucessão municipal na Cidade de Goiás começa a esquentar. Seis nomes se apresentam como pré-candidatos à prefeitura do município este ano. Prefeita deve buscar a reeleição.

Daniela Martins

Reconhecida pela Unesco, em 2001, como Patrimônio Histórico da Humanidade, a Cidade de Goiás vive um cenário político efervescente. Em tempos de pré-campanha, o trabalho pelo fortalecimento da representatividade junto à população está a todo vapor, tanto pelas redes sociais quanto no dia a dia dos programas de rádio e do corpo a corpo com os vilaboenses.
Muitos nomes de possíveis pré-candidatos são ventilados. Desde os de políticos experientes – alguns inclusive que já estiveram na administração municipal –, até os de jovens líderanças políticas que formaram no meio do povo.
À frente da administração da Cidade de Goiás está a prefeita Selma Bastos (PT) que, segundo o presidente municipal do partido, Dorival Aquino, “tem tudo para concorrer à reeleição”. “Queremos que ela seja candidata, até porque fez um bom trabalho. O conjunto, o partido, todo mundo que está ligado a ela entende que é importante dar continuidade ao que ela começou”, argumenta.
Apesar da positividade dos aliados, a situação parece não ser tão favorável à reeleição da petista. Selma Bastos tem minoria na Câmara de Vereadores, as contas de sua gestão de 2015 foram reprovadas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) e ainda corre na Câmara de Vereadores uma CPI que investiga denúncias feitas pelo Conselho Municipal de Saúde. Soma-se a isso tudo, o envolvimento de secretários municípiais em denúncias feitas pelo Ministério Público.
Dorival minimiza os problemas. “Estão tudo em grau de recursos. Exatamente por ela estar fazendo uma excelente administração, apesar das dificuldades, que eles (os adversários) estão fazendo um fato político, não há nenhuma implicação com ela. São coisas normais da gestão e estão sendo todas respondidas”, pondera.
A favor da administração petista, Dorival cita as realizações da prefeita Selma Bastos. “Apesar de ter diminuído em mais de 30% a arrecadação do município, ela tem conseguido pagar os servidores e a cidade tem outra perspectiva”, aponta, citando gestões anteriores nas quais a cidade era entregue pelos prefeitos aos seus sucessores com vencimentos do funcionalismo atrasados. “Tem muita coisa pra fazer? Tem. Mas sem dúvida é uma retomada da Cidade de Goiás”.
Outro problema para ser gerido pelos petistas seria o racha com o vice-prefeito Rogério Azeredo Cardoso (PPS). Dorival nega. “Não houve rompimento, estamos conversando. Entendo que ele quer se viabilizar, mas nunca houve um momento de rompimento”, observa Dorival.
No entanto, o próprio Rogério confirma os boatos de divisão. “Sou pré-candidato, houve um rompimento com a prefeita e estamos com um grupo, com conversações avançadas com vários partidos”, sintetiza o vice.
Rogério Azeredo, que já foi presidente do Sindicato Rural, contabiliza nove partidos em seu grupo. “E continuamos abertos a conversação”, garante, ressaltando que o maior desafio para o próximo gestor será a geração de emprego e renda para a Cidade de Goiás.
Um dos pré-candidatos que buscam integrar o grupo de Rogério é Gustavo Alberto Izac Pinto (PSDB). Ele já concorreu à prefeitura da Cidade de Goiás nas duas últimas eleições, tendo ficado em segundo lugar na disputa de 2012.
Experiente, Gustavo sabe que não se pode perder tempo. “Como já fiz duas campanhas, a genta fala pré-campanha, mas sinto que os que têm chance já estão na rua fazendo pré-campanha, visitas, reuniões, informação, conhecimento”.
Gustavo destaca a orientação do governador Marconi Perillo (PSDB) para que haja um decisão em torno de um nome. Nesse sentido, haveria um pré-acordo para que todos os partidos da base aliada se juntassem numa candidatura única. “Está sendo conversado, se vamos dar conta de fechar um acordo, não sei, torço para que sim”, adianta.
Gustavo Alberto, 53 anos, é advogado e pós-graduado em Ciências Políticas. Há 14 anos integra a base do governador, tendo sido superintendente financeiro da Agricultura do Estado de Goiás, feito parte do Gabinete da Emater e sido diretor-admnistrativo da Goiás Indústria.
Também integrante do grupo de pré-candidatos da base aliada, Joaquim Craveiro (PSL), ex-presidente da Comurg e da Associação Goiana dos Engenheiros (AGE), é arquiteto e urbanista e tem um projeto de governo bem estruturado, sendo apresentado e discutido junto à sociedade da Cidade de Goiás.
Ele pretende trabalhar a Cidade de Goiás como um todo, buscando soluções para os problemas da população dos bairros, que vivem longe dos holofotes do Centro Histórico. Para começar, propõe a discussão e atualização Plano Diretor, com destaque para a execução de obras estruturantes, como a abertura de novas avenidas e conclusão do que já foi iniciado e interrompido.
“A abertura da avenida Goiás Norte, em Goiânia, foi uma experiência fantástica, que propiciou o desenvovimento da região norte”, recorda Craveiro, que participou da ação enquanto secretário municipal de Obras e Serviços Públicos. Ele explica que o mesmo deve ocorrer na Cidade de Goiás com a criação de avenidas que inteliguem pontos hoje de difíceis acessos.
Craveiro tem ainda projetos ambiciosos, por meio de parcerias público-privadas, de transformar a Cidade de Goiás em cidade pólo nas áreas de saúde e universitária, tem projetos para desenvolver as potencialidades turísticas e agrocupecuárias do município. “Sempre de olho na geração de emprego e renda, e também no bem-estar da população”, observa.
O mais jovem pré-candidato à prefeitura da Cidade de Goiás é o advogado Edil Araújo (PSB), 26 anos, que utiliza as redes sociais para alavancar seu nome, depois de ter sido candidato a deputado e ter se destacado como um dos mais bem votados no município.
“Chamamos a atenção dos jovens, formamos um grupo na Cidade de Goiás, sempre discutindo a cidade, com discussão propositivas e temos ganhado espaço”, salienta.
Apesar de jovem, Edil conta que tem conseguido conquistar o apoio inclusive de pessoas que “sempre estiveram ao lado do conservadorismo”. “Nossa cidade é muito tradicional, a gente ainda enfrenta alguns resquícios do tempo dos coronéis, mas temos conseguido despertar o interesse dessas pessoas”, reforça.
Como desafio para a próxima gestão, Edil Araújo destaca que o inimigo público é o desemprego. “A cidade perde muitos jovens que vão em busca do emprego. Para combater isso, temos que conseguir despertar a nossa vocação natural”, afirma, referindo-se à vocação turística. Ele chama a atenção também para o potencial da zona rural, que precisa ser incentivado.
“Nossa zona rural poderia ser muito desenvolvida, ser geração de emprego e renda ímpar. As gestões não têm se atentado a isso. É preciso a gente ter um programa de recuperação das estradas rurais, é preciso incentivar um modelo de cooperativa para ser possível explorar toda essa vocação que a gente tem e gerar emprego e renda”, observa.
Além da prefeita Selma Bastos (PT), que é provável que busque a reeleição, e de pelo menos um nome representativo da base aliada do governador Marconi Perillo; a Cidade de Goiás deverá contar com mais um candidato. Trata-se de Abner de Castro Curado (PMDB), que já foi prefeito por dois mandatos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here