Histórias e brinquedos cantados fascinam crianças

0
1736
Nova roupagem estreia no próximo semestre (Eulices Maria)

Neste ano, mais de 4500 alunos foram atendidos em projeto voltado para apresentações de contos populares, narrativas e música

Roseneide Ramalho

Histórias que encantam as crianças, somadas ao figurino colorido, à animação das músicas e às brincadeiras cantadas. Assim é o projeto “Contação de Histórias e Brinquedos Cantados” realizado pela Prefeitura de Goiânia com proposta da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME). A cada apresentação, escolas e centros municipais de educação infantil (Cmei) recebem momentos de diversão e aprendizado com canções, histórias e coreografias pedagógicas.

Em 2016, a ação já atendeu 30 instituições, além de realizar um cronograma de apresentações em eventos. De acordo com dados da Gerência de Projetos Educacionais a estimativa de alcance foi de 4.650 alunos somente no primeiro semestre.

A atividade tem duração de uma hora, em que o professor Alexandre Sales e a dupla Chiquelete e Omelete – interpretadas por Valquíria Nassar e Ivone Cruz – apresentam duas histórias e brinquedos cantados. “Com os brinquedos cantados fazemos a preparação para a apresentação. Cada história tem a parte de músicas e, ao final, tem também o resumo musical de nossa composição”, explica Sales.

Na primeira etapa do ano letivo, o repertório foi composto pelas narrativas “Julinho, o sapo”, texto com autoria de Flávia Muniz, e “A Fazenda Capão do Mato”, um conto popular da cidade de Pirenópolis que narra a experiência sobrenatural do personagem Sô Menino em uma fazenda abandonada.“São músicas infantis do repertório popular e que remetem à temática apresentada no dia”, comenta Valquíria Nassar.

Novo Repertório

O projeto Contação de Histórias e Brinquedos Cantados promete novidades para o segundo semestre com a reformulação do repertório. A equipe artística do projeto compôs novas canções e ensaiou as apresentações. “Estávamos com o mesmo formato há um ano e fizemos a reformulação para o segundo semestre”, comentou Valquíria.

As instituições agendadas a partir de agosto vão conferir uma obra do sociólogo Hebert de Souza: “A Zeropeia”, narrativa que fala sobre autoestima e tolerância. A segunda história escolhida é “O Piquenique de Catapimba”, da autora Ruth Rocha. A expectativa da equipe do projeto é atender mais 30 instituições até o final do ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here