Desenvolvimento da pecuária movimentam a economia

0
1175

Rebanho tocantinense de bovídeos registrou, este ano, um crescimento de 4,6%

Uma das principais fontes de exportação do Estado, a pecuária está em franco desenvolvimento. Nesse sentido, o Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro), executou várias ações no primeiro semestre deste ano para potencializar o setor e aumentar a produção de produtos de origem animal, como carne, leite e derivados. Os frutos desse trabalho já começam a aparecer, após cinco anos estabilizado, o rebanho tocantinense de bovídeos registrou, este ano, um crescimento de 4,6%, saindo de 8.185.721 para 8.563.591 cabeças.

Importante produto de exportação tocantinense, a carne bovina é, atualmente, o segundo em volume de vendas ao exterior, atrás apenas da soja. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), em 2015, foram mais de 49.800 toneladas de carne exportada, gerando mais de US$ 161 milhões em negócios, no primeiro semestre deste ano, mais de 28.722 toneladas e mais de US$ 85 milhões em carnes e derivados. Dentre os principais importadores da carne bovina tocantinense, estão países como Rússia, China e Espanha.

As exportações devem aumentar ainda mais com a abertura do mercado norte-americano para a carne brasileira. O Tocantins possui atualmente nove frigoríficos com Selo de Inspeção Federal (SIF), sendo que cinco atendem as condições estrutural, sanitária e técnica para exportar.

De acordo com o secretário de Estado da Seagro, Clemente Barros, dentre as principais ações desenvolvidas na pecuária, destaca-se a disponibilização da biotecnologia de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), para a melhoria da qualidade genética dos bovinos de leite. “Desde o início do programa, em 2008, já foram realizados mais de 17 mil protocolos. Este ano, já distribuímos 13 tanques de resfriamento de leite entre as cooperativas, associações e sindicato, além da realização de dias de campo e cursos de capacitações com técnicos e produtores rurais”.

A diretora de Pecuária da Seagro, Erika Jardim, destaca que o Tocantins produz em média 325 milhões de litros de leite bovino por ano e o Programa de Melhoria da Qualidade Genética tem como meta, para este ano, inseminar mais de 2.500 matrizes. No primeiro semestre, já foram executados mais de 250 protocolos, nos municípios de Luzinópolis, Cachoeira, São Bento, Angico, Santa Terezinha, Nazaré, Palmas e Santa Rosa.

Para Érika Jardim, o programa é uma importante ferramenta de apoio ao pequeno produtor na melhoria genética de seus rebanhos. “Com o aumento da produção, é possível investir mais nos rebanhos e nas tecnologias, proporcionando independência ao produtor rural”, afirmou.

Ainda quanto às ações para a melhoria genética de rebanhos, a Seagro, em parceria com empresas privadas, realizou de janeiro a julho, sete cursos de inseminação artificial em bovinos. Os cursos acontecem no Centro Agrotecnológico de Palmas, uma vez ao mês, com turma limitada em 20 participantes, e estão previstos mais três para o segundo semestre, nos meses de agosto, setembro e outubro.

O curso tem ainda a finalidade de capacitar técnicos do Instituto do Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) e da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) que acompanham o Programa de Melhoria da Qualidade Genética.

Pró-Genética
Outra ação do Governo do Estado, neste semestre, foi a sensibilização realizada pela Seagro para a implantação do Programa Pró-Genética. No primeiro momento, direcionado para a agricultura familiar, pequenos e médios produtores, o programa busca o melhoramento genético do rebanho, a fim de ter uma produção de qualidade na pecuária de corte e leite.

Uma das atrações do Pró-Genética, que já funciona nos estados de Minas Gerais e Goiás, é que a comercialização dos touros geneticamente melhorados ocorrerá em feiras, realizadas em diversos municípios tocantinenses. “A partir do evento, serão planejadas ações para aproximar produtores rurais que precisam adquirir touros geneticamente melhorados dos produtores dos touros do Estado, apoiando a comercialização entre os interessados, com finalidade de melhorar a genética dos rebanhos no Estado”, frisou Erika Jardim, reforçando que o objetivo maior é democratizar o acesso dos produtores à genética animal de qualidade.

Ovinocultura
Para fortalecer a cadeia de ovinocultura no Tocantins, novas ações foram intensificadas, como dia de campo, seminários e oficinas, com foco, principalmente de incentivar a criação de ovinos para atender a futura demanda do frigorífico, já em construção, em Aliança do Tocantins.

Com um rebanho de mais de 154 mil cabeças, a ovinocaprinocultura encontrou no Estado um ambiente favorável para expandir. Entre as vantagens da criação de cordeiro, está o pequeno espaço necessário para uma grande quantidade de matrizes e a lucratividade, enquanto a arroba do boi está entre R$ 130 e R$ 135, a da carne ovina está entre R$ 180 e R$ 200. Assim sendo, é ideal para pequenas e médias propriedades.

O secretário da pasta, Clemente Barros, lembra que o Governo do Estado realiza esse trabalho educativo, com informações e orientações para o criador de ovinos, com objetivo de estimular o desenvolvimento da atividade, sendo mais uma forma de melhorar a renda e as condições econômicas das famílias rurais. “E o trabalho não para. No segundo semestre, continuaremos com várias atividades, algumas com recursos do Banco Mundial, por meio do Programa de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), para aproveitar o bom momento que vive a pecuária do nosso Estado”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here