DEM aparece revigorado e já fala em disputar a Presidência da República em 2018

0
1456

O DEM parece ser hoje um novo partido, a exemplo da década de 1990, quando ainda era o forte e grande PFL e tinha em Luiz Eduardo Magalhães o nome ideal para concorrer à Presidência da República em 2002. Com a morte inesperada de Luiz Eduardo, o plano virou água. Mas a eleição de Rodrigo Maia (RJ) para presidir a Câmara Federal e o aumento da bancada no Congresso fez o DEM ressurgir das cinzas. Dado como morto, hoje o partido sonha novamente com o Palácio do Planalto. O senador Ronaldo Caiado, um dos principais nomes da sigla no Brasil, mostra-se empolgado com esta possibilidade nas rede sociais e prega candidatura própria à Presidência da República em 2018. “Se hoje há uma legenda com lastro moral para propor uma candidatura à Presidência da República, este partido é o Democratas”, disse Caiado no Twitter. Para ele, a oposição firme dos membros da legenda no Congresso Nacional e o esforço para aprovar o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) valorizaram o partido perante a opinião pública. “A ascensão do Democratas prova que a nova política valoriza quem tem lado, quem não perde a coerência mesmo na adversidade”. O movimento começa a tomar corpo no partido, mas o nome em ascensão no momento não é o de Caiado. O prefeito de Salvador, ACM Neto, membro da mesma família de Luiz Eduardo Magalhães, é a bola da vez no DEM para concorrer à Presidência da República em 2018. Só o tempo dirá no que vai dar esta articulação.


“Vários fatos surgiram ao longo desse período. Um deles muito importante foi essa proposta de arquivamento que o Ministério Público Federal fez. O procurador afirmou que efetivamente não é operação de crédito. Na melhor das hipóteses há uma descaracterização de dolo. Isso está claro”.

Advogado da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), o ex-ministro José Eduardo Cardozo, ao entregar as alegações finais da petista na fase intermediária do processo de impeachment no Senado.


13681016_839846376119197_4373289843527446843_nRápidas

– Desde sábado, dia 30, já funciona em Goiânia um novo aplicativo brasileiro que traz várias opções de transporte para o goianiense. As tarifas do aplicativo têm valores até 60% menores que as de táxi.

– A T81 supera o concorrente Uber porque, além de transporte privado de passageiros por automóveis particulares, realiza transportes por mototáxis e táxis e serviços de encomenda via moto-delivery.

– Ao contrário do Uber, os valores das corridas são fixos, sem tarifas dinâmicas conforme o aumento da demanda. O cliente pode escolher como pagar a conta, optando pelo cartão de crédito ou dinheiro.

– A T81 pretende chegar a todos os estados brasileiros até o fim do ano. Além de Pernambuco, onde começou, o serviço está disponível em Joinville, Fortaleza, São Paulo e Rio de Janeiro. E agora em Goiânia.


Geração de empregos

O governador Marconi Perillo comemorou muito os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados na semana passada pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS). Segundo o Caged, Goiás foi o Estado que mais gerou emprego no primeiro semestre deste ano no País. Foram abertos 16.614 postos de trabalho no mercado formal de janeiro a junho de 2016 . “Números do Ministério do Trabalho mostram que estamos no caminho certo para superar a crise e entrar em novo ciclo de investimentos”, disse Marconi no Twitter.

Ajuste e investimentos

Essa quantidade de empregos é 1,37% maior que no mesmo período de 2015 e quase três três vezes maior que o do segundo colocado, o Mato Grosso, que encerrou o período com 5.730 vagas. “O ajuste fiscal e as políticas de atração de investimentos do Governo de Goiás foram decisivos para que nosso Estado ficasse em 1º lugar”, comemorou Marconi.

Novo Crer

Em visita à Colônia Santa Marta, em Goiânia, na manhã de sexta-feira, dia 29, o governador Marconi Perillo disse que vai construir um novo Centro de Reabilitação e Readaptação (Crer), desta vez na cidade de Anápolis. A conversa foi testemunhda por várias lideranças políticas, entre elas o ex-prefeito da Machester Goiana, Adhemar Santillo (PSDB).

Pode voltar

As direções do PMDB, DEM, PRP e Solidariedade já decidiram que não vão apoiar nome de outra legenda para prefeito de Goiânia. Esta decisão reacende a possibilidade de Iris Rezende refluir da aposentadoria política e voltar a disputar a prefeitura da capital. Nenhuma dessas siglas possui nome com desempenho eleitoral na capital como Iris tem.

Candidato próprio

Apesar das movimentações de algumas lideranças do PMDB em direção a Vanderlan Cardoso (PSB), a decisão tirada da reunião desses partidos na quarta-feira, dia 27, é de lançar candidato próprio a prefeito. O senador Ronaldo Caiado (DEM) e o vice-prefeito Agenor Mariano (PMDB) foram os primeiros a avisar que não aceitam aliança com Vanderlan.

Engenharia política

Ronaldo Caiado estaria articulando a volta de Iris Rezende e já teria o nome de Joel Sant’Anna Braga Filho para indicá-lo como vice. A esse projeto seria agregado também o deputado federal Alexandre Baldy, presidente reginal do PTN.

Pensando em 2018

Se a costura der certo, Caiado se cacifa para ser candidato a governador em 2018, tendo Baldy como companheiro de chapa disputando uma vaga no Senado e Dona Iris Araújo disputando cadeira de deputada federal.

Arranjo

O PSB, PPS e PSC vão caminhar juntos nas eleições em Goiânia, formando aliança em torno do nome de Vanderlan Cardoso (PSB). Se depender da vontade do deputado federal e presidente regional do PPS, Marcos Abrão, o vice de Vanderlan será o deputado estadual Vir­mondes Cruvinel (PPS).

Dificuldades

Pelo menos 30% dos municípios brasileiros (1.697 cidades) estão com o limite de gastos com pessoal estourado e falta recursos para tudo, deixando os prefeitos desesperados por não conseguirem fechar as contas como manda a Lei de Respnsabilidade Fiscal (LRF). O levantamento foi feito pela Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Estourados

Segundo a CNM, em Goiás, 15 dos 65 municípios que responderam à pesquisa da entidade municipalista declararam que estão com limites estourados. Pela legislação vigente, os entes locais não podem gastar mais do que 54% da Receita Corrente Líquida com o pagamento da folha.

Escala

A CNM elaborou uma escala que detalha a situação dos municípios sobre os gastos com pessoal definida em: boa (menor que 41% dos limites dos gastos), ajustada (de 41% a 45,9%), limítrofe (46% a 51%), emergencial (51% a 54%) e limite estourado (acima de 54%).

P3-3Mané de Oliveira prega união da base em Goiânia

“A união faz a força”. Essa é a opinião do deputado estadual Mané de Oliveira (PSDB) em relação ao caminho que os partidos que compõem a base do governador Marconi Perillo (PSDB) devem tomar para vencer a eleições em Goiânia este ano. O tucano explica que a frase “a união faz a força” é antiga, mas é uma verdade. “Na minha opinião, a base do governo tem que marchar unida para a eleição da prefeitura de Goiânia e o melhor candidato que temos hoje é o Giuseppe Vecci, do PSDB”, afirmou Mané de Oliveira. “Não temos de escolher adversário, qualquer adversário que vier temos que mostrar que somos melhores e temos condições de virar a página de Goiânia”, acrescentou.

Situação crítica

No Brasil, conforme análise da CNM, 551 municípios brasileiros ultrapassaram o limite permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e 502 estão em situação emergencial. Em Goiás, além das 15 cidades que estão com o limite estourado, outras 22 estão em situação emergencial. São os efeitos da crise e da falta de gestão também.

Gastos de campanha

Conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os gastos com a campanha e com contratação de pessoal estão limitados nestas campanha. Veja as 10 cidades brasileiras com o maior teto para a disputa de prefeito.

– São Paulo (SP) – R$ 45,4 milhões

– Belo Horizonte (MG) – R$ 26,6 milhões

– Rio de Janeiro (RJ) – R$ 19,8 milhões

– Salvador (BA) – R$ 14,6 milhões

– Fortaleza (CE) – R$ 12,4 milhões

– Curitiba (PR) – R$ 9,5 milhões

– Cuiabá (MT) – R$ 9 milhões

– Manaus (AM) – R$ 8,9 milhões

– Campo Grande (MS) – R$ 6,6 milhões

– Recife (PE) – R$ 6,6 milhões

Limite para a Capital

Em Goiânia, maior colégio eleitoral e capital de Goiás, o limite de gasto para os prefeitáveis com campaha e pessoal é de apenas R$ 5,7 milhões no primeiro turno e R$ 1,7 milhão no segundo turno, caso haja. Os candidatos a vereador poderão gastar até R$ 519 mil.

Arranjo PTB/PSD

O PTB e o PSD devem caminhar juntos em Anápolis. Acordo nesse sentido já foi selado entre as duas legendas durante encontro em que participaram os presidentes estaduais das duas siglas, Jovair Arantes e Vilmar Rocha. Assim, a chapa majoritária será formada por Roberto Naves (prefeito) e Márcio Cândido (vice). O então pré-candidato pelo PSD, médico Olegário Vidal, será o coordenador da campanha.

p3f3b cópiaPP pode caminhar com o PT em Anápolis

O Senador Wilder Morais (foto), presidente regional do PP, não descarta uma aliança com o PT para a reeleição de João Gomes a prefeito de Anápolis. Ao receber a Comenda Gomes de Souza Ramos, na semana passada, ele disse em entrevista coletiva que o seu partido deve se alinhar ao projeto de reeleição de João Gomes. Ele só não confirmou se subiria no palanque do petista

Queda de braço

A queda de braço entre o PT e o DEM em Aparecida de Goiânia acabou beneficiando o Solidariedade. Democratas e petistas travaram disputa interna acirrada pela indicação do vice na chapa encabeçada por Gustavo Mendanha (PMDB). O DEM queria ver na vice o vereador Nascimento. Já o PT indicava o ex-secretário do Trabalho Adriano Montovani. Se o vice fosse do PT o DEM não entraria na coligação majoritária e vice-versa. Acabou dando Veter Martins, do SD.

Fechou questão

O PT, para não ver um nome do DEM na chapa majoritária do peemedebista, fez encontro extraordinário no dia 26, ocasião em que decidiu oficializar apoio a Gustavo Mendanha, mas fechou questão em torno no nome de Veter Martins (SD). Se não fosse ele, aceitava qualquer outro nome, menos do DEM. A decisão foi confirmada na convenção municipal realizada na manhã de sexta-feira, dia 29.

Motivos

O prefeito Maguito Vilela, o grande condutor da sua base política em Aparecida, não queria ver o PT fora da coligação com o PMDB por alguns motivos. Um deles é por gratidão. O outro é por conta do tempo de rádio e TV que o PT tem.

Coligação

A coligação em torno da candidatura de Gustavo Mendanha a prefeito de Aparecida será bastante ampla. Na convenção realizada na noite de sexta-feira, dia 29, ele já contava com 14 partidos: PMDB, PT, SD, PSD, PR, PRP, DEM, PDT, PTC, PHS, PSC, PRB, PMB e PPL. A expectativa é de que até o dia 5 esse número suba para 17 partidos.

Aliados do PSDB

Já Professor Alcides Ribeiro Filho, pré-candidato a prefeito pelo PSDB, conta até agora com 10 partidos garantidos na sua coligação. Nas convenções conjuntas realizadas na manhã de sábado, dia 30, na sede da Unifan, no Jardim Esmeraldas, estavam representados, além do PSDB, o PP, PV, PEN, PMN, PTN, PSL, PT do B, Rede Sustentabilidade e PSDC. Mais três ou quatro legendas podem entrar nesta aliança

Presenças

O vice-governador José Eliton (PSDB), o senador Wilder Morais, presidente regional do PP, Afrêni Gonçalves, presidente regional do PSDB, e vários deputados estaduais e federais estiveram presentes nas convenções dos partidos aliados do PSDB que homologaram o nome do Professor Alcides Ribeiro como candidato a prefeito da base marconista em Aparecida.

Agora sim

O governo de Goiás, por meio da Secretaria de Gestão e Planejamento de Goiás (Segplan), assinou na quarta-feira, dia 27, o contrato com o Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) para realização do concurso público da Polícia Civil. Em breve será divulgado o novo cronograma completo do certame. O concurso oferece 280 vagas para agentes substitutos e 220 para escrivães substitutos.

Novos concursos

Além desse certame, o Governo de Goiás fará seleções para outras corporações que integram a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP): 36 delegados da Polícia Civil, 2.420 soldados e 80 oficiais para a Polícia Militar, 250 soldados para o Corpo de Bombeiros e 15 servidores para a Superintendência de Defesa do Consumidor (Procon).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here