Anunciado nome de OS vencedora

0
620
A secretária Estadual de Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, reuniu os representantes de cada Organização Social (OS) e diretores de escolas que serão geridas pelas OSs e anunciou o nome da entidade vencedora que vai cuidar da parte administrativa de 23 escolas estaduais da Regional de Anápolis

Diretores acreditam que o novo modelo de gestão dará a eles mais tempo para se dedicarem à parte pedagógica do ambiente  escolar

Fabiola Rodrigues

Depois de quase um ano de processo, mudanças no edital de seleção, a Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte (Seduce) anunciou na semana passada o nome da Organização Social (OS) que vai gerir 23 escolas estaduais da região de Anápolis. A entidade vencedora foi a Gestão Transparência e Resgate Social (GTR), que obteve 70,1 pontos e venceu a disputa com outras quatro OSs. Com a definição, a GTR passa a ter o direito de gerir a parte administrativa das 23 escolas. Ainda não está definido exatamente a partir de quando a gestão das unidades escolares passará para as mãos da OS, mas a expectativa do Governo estadual é que isso ocorra o mais breve possível.
A Tribuna do Planalto conversou com a diretora da Escola Estadual Gomes de Souza Ramos, de Anápolis, Cleide Tatiane, que afirma que o ensino público precisa passar por mudanças devido, principalmente ao baixo rendimento dos alunos, especialmente do Ensino Médio.
“Este momento analiso que deve ser encarado com boas expectativas. Acredito que as OSs vêm para dar a nós, diretores, mais disponibilidade para gerenciar a escola na parte pedagógica, pois atualmente temos que fazer de tudo um pouco e não sobra muito tempo para dedicar ao acompanhamento diário do que acontece em sala com os professores ou com os estudantes”, diz.
Cleide Tatiane está à frente de uma das maiores escolas estaduais da regional de Anápolis, com quase 1.000 alunos. O colégio funciona em três turnos e recebe alunos do ensino fundamental e médio. Ela diz que tem propriedade para descrever como atualmente é divido o seu tempo de administração da escola.
“Espero que as OSs venham para somar e tomar a frente da parte administrativa. Este não é o momento de ficarmos esperando grandes resultados, e sim de acreditar nas propostas e expectativas criadas pela Secretaria de Educação com relação a essas modificações”, relata a diretora.

Como ainda existe a necessidade do diretor organizar e gerenciar todos os funcionários do ambiente escolar, Cleide Tatiane lembra que o trabalho de acompanhamento dos departamentos de faxina, merenda entre outros não podem ser acompanhados com excelência. Ela acredita que a partir dessa implantação do novo modelo de gestão nas escolas, cada diretor poderá planejar e desenvolver com dedicação as tarefas da área pedagógica.
“Acompanhar e ajudar os professores será nossa prioridade. Eles poderão passar por mais cursos de reciclagem e também teremos disponibilidade a mais para atender os educadores de um modo geral. Sabemos que atualmente enfrentamos inúmeras dificuldades para oferecer ensino de qualidade, mas minha expectativa com esse processo de mudanças é para que meu serviço esteja voltado totalmente para a educação dos alunos”, expressa Cleide Tatiane.


Diretores participam da divulgação do resultado

A divulgação do nome da Organização Social (OS) vencedora ocorreu no gabinete da secretária, Raquel Teixeira, dia 18 de outubro, e reuniu os representantes de cada OS, a comissão de análise das propostas e os diretores das 23 escolas que receberão a primeira experiência de gestão compartilhada na Educação.
“Eu não faria nenhum anúncio sem a presença de vocês, que são a parte nobre do processo, para quem todo o trabalho está sendo feito”, declarou Raquel Teixeira aos gestores escolares.
Antes de anunciar o resultado, a secretária disse que o processo foi conduzido com transparência e idoneidade e relembrou todas as fases da disputa: chamamento, no dia 18 de agosto; entrega de envelopes, no dia 21 de setembro; análise de propostas, realizada por uma comissão, e agora anúncio da classificação.
“Foi um processo muito bom. As OSs que tinham participado do chamamento anterior agora apresentaram propostas infinitamente melhores. Também tivemos candidatas novas que surpreenderam pela qualidade dos projetos”, comentou Raquel Teixeira.

Gestão plena começa em 2017

A secretária Raquel Teixeira explica que a Organização Social GTR, cujo nome jurídico é Grupo Tático e Resgate, somou o maior número de pontos nas duas categorias analisadas: a proposta técnica e o corpo técnico. A OS terá um período de adaptação com a rotina da escola.
“Uma vez vencido o período de recurso e consagrado o resultado, iniciaremos os trabalhos. O primeiro passo é a transição, como será esse conhecimento recíproco das escolas com a OS, e a definição de planejamento para essa governança. Nada muda nas escolas, como eu sempre disse, elas continuam com os mesmos diretores, mesmos professores”, frisa a secretária ao informar que a gestão compartilhada deve estar em pleno funcionamento em 2017, mas que começarão ainda esse ano as modificações de gestão escolar.
A secretária ainda explica como será o repasse de recursos à OS.
“O valor do contrato é correspondente a R$ 350 por aluno, como em todas as escolas. São cerca de 16 mil alunos nessas 23 unidades escolares, isso gera pouco mais de R$ 5 milhões por mês, lembrando que será decrescido o valor pago aos professores efetivos, que continuam na folha da Secretaria”, diz, explicando que, com a dedução, a OS receberá cerca de R$ 1 milhão/mês.


Confira a colocação das OSs
1º Gestão Transparência e Resgate Social (GTR) – 70,1 pontos
2º Instituto de Educação e Cidadania (IEC) – 59,5 pontos
3º Instituto Brasileiro de Cultura, Educação, Desporto e Saúde (Ibraceds) – 39,4 pontos
4º Instituto de Educação, Cultura e Meio Ambiente (ECMA) – 34,3 pontos
5º Instituto Destra de Educação (Inded) – 30,4 pontos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here