Modelo de gestão por OS em Goiás é apresentado em SP

0
701
Foto: divulgação

O secretário de Estado da Saúde, Leonardo Vilela, apresenta nessa sexta-feira, dia 25, às 9 horas, em São Paulo (SP), o perfil de cada unidade hospitalar de Goiás gerida por Organizações Sociais em Saúde (OSS). O evento é direcionado a instituições ligadas à Saúde, de gestão hospitalar, além de médicos e profissionais de saúde.

O encontro tem como objetivo identificar novas Organizações Sociais para se qualificarem no Estado, considerando que, nos próximos meses, serão realizados chamamentos públicos para gestão de hospitais da rede própria da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO).

A gestão dos hospitais da SES-GO por Organizações Sociais em Goiás, segundo a Secretaria, resultou em um salto em qualidade de serviços, aumento do número de atendimentos, sem aumento dos custos – proporcionalmente à inflação acumulada, no período de gestão por OSS. A rede própria da SES-GO, entre 2011 e 2015, ofertou mais atendimento de ambulatório em consultas (aumento de 137%); cirurgias (52%); internação em enfermaria (80%) e internação em UTI (85%).

Somente no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), houve um avanço de 40% nos atendimentos, com aumento de mais de 80% do número de leitos. Além disso, quatro hospitais do Estado (HGG, Crer, HDT e Hurso) obtiveram o Selo de Qualidade da Organização Nacional de Acreditação (ONA), feito raro atingido por menos de 5% de todas as unidades de saúde do País.

Nos últimos anos, ainda houve um aumento no número de leitos e, consequentemente, no número de atendimentos. Em quatro anos, houve uma ampliação de 36,87% na oferta de leitos na rede própria da SES-GO. Em relação a UTIs, em 2012 tínhamos 515 leitos de UTIs, atualmente são mais de 695. Segundo os números, houve aumento de 101% nos atendimentos ambulatoriais nos hospitais da rede.

Avanços
A gestão por Organizações Sociais permitiu a estruturação de processos de trabalho que resultaram numa melhor fiscalização das OSS por órgãos de controle, maior economicidade a partir da otimização de recursos aplicados e maior oferta de serviços. A ala de queimados – Centro de Queimados do Hugol com oferta de 13 leitos – a reconstrução de mama (com mutirões de cirurgia plástica no HGG) são exemplos de novos serviços já ofertados.

Foi criado, ainda, um setor específico para monitoramento, controle e avaliação de metas, com equipes qualificadas para avaliar contratos e acompanhar todos os processos econômico-administrativos das Organizações Sociais que gerem os hospitais, com fomento em capacitação e reforço de recursos humanos aptos a essa nova necessidade.

Planejamento
Fortalecer a gestão dos hospitais do Estado e melhorar a eficiência dos custos. Esses são os objetivos do trabalho de consultoria especializada para o segmento da saúde, que desenvolve, há mais de um ano, um trabalho especializado nas unidades da rede própria da SES-GO. A ferramenta traz informação para a tomada de decisões e padroniza todos os custos das unidades, comparando dados financeiros. O foco dessa consultoria é buscar a excelência da gestão dos hospitais e a máxima eficiência dos gastos do dinheiro público. O objetivo é alcançar maior eficiência dos gastos nos hospitais e fazer uma avaliação do desempenho dos recursos transferidos para as unidades.

Esse sistema possibilita a melhoria contínua da unidade, com a manutenção da qualidade e redução de custo, onde pode-se, por exemplo, identificar o ranking de custo (internações, cirurgias, exames, material hospitalar e recursos humanos). É possível, inclusive, calcular o valor da hora de cirurgias, do quilo de roupa lavada e de cada alimentação. Com todas essas informações, os gestores podem cruzar os dados sobre a receita e o custo do hospital e, assim, analisar a melhor eficiência dentro da economicidade e da otimização de recursos.

Fonte: Goiás Agora

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here