Dia da Consciência Negra dá cor à educação

0
521
As raízes da África e do Brasil expressadas em dança

Atividades que envolvem o debate sobre a condição do negro no Brasil são desenvolvidas nas unidades educacionais

Luiz Fernando Nunes Hidalgo

O Brasil, na atualidade, ainda vive as consequências da escravidão e do racismo. Para enfrentar esta realidade, as instituições educacionais de Goiânia, mediante acompanhamento da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME), se mobilizaram neste semestre, com foco na discussão do Dia Nacional da Consciência Negra, que ocorreu no dia 20.
Até a data da comemoração, dezenas de instituições da Capital organizaram atividades voltadas à temática. Capoeira, contação de histórias, leitura, análise e discussão de vídeos e textos diversos, exposição de trabalhos artísticos foram algumas das ações desenvolvidas com o propósito de ressaltar e valorizar aspectos da cultura afro-brasileira.
Educando da Escola Municipal Dr Nicanor de Assis Albernaz, Murilo Leonardo Reis, 15 anos, considera fundamental refletir sobre o tema.
“O debate sobre a condição do negro na nossa sociedade é muito importante porque ajuda a superar o preconceito, que é uma opinião equivocada da realidade. Com esta discussão, a convivência entre as pessoas vai melhorando porque a cor da pele já não influencia nas relações”, destacou.
A educação infantil da Rede também participou da proposta, como o Centro Municipal de Educação Infantil 13 de Maio (Cmei). Com atividades literárias, desenhos, pinturas e roda de capoeira, as crianças e os pais aprenderam sobre o valor das diferenças.
“O próprio nome da instituição já demonstra o nosso envolvimento com o tema. O objetivo do projeto, que completa seis anos, ‘Somos diferentes mas não desiguais’, vem trabalhar exatamente o respeito às raízes da nossa história. Com isso, alunos e seus responsáveis vão despertando para uma nova visão de mundo, na qual as diferenças são respeitadas”, comentou a diretora Romilda Cândido de Araújo Mendes.
A Escola Municipal Professora Maria Nosídia Palmeiras das Neves se organizou para comemorar a data com várias atividades artísticas. Durante as ações, alunos e familiares presentes puderam acompanhar a exposição de arte de pintura em telha e garrafa com temas da cultura africana. Paralelamente grupos de educandos fizeram apresentações das danças maculelê e jongo.
Para os profissionais da escola estas ações são importantes para que a cidadania seja realidade para todos.
“Nós da escola consideramos este tema essencial para ser debatido com os educandos. Nosso Projeto Político Pedagógico (PPP) já contem há algum tempo o projeto ‘Africanidade’, que durante o ano todo, e de forma interdisciplinar, trabalha o tema. Acreditamos que, com estas práticas pedagógicas, teremos uma sociedade mais humana devido à conscientização do respeito às diferenças”, ressaltou Elizângela Rodrigues dos Santos, coordenadora pedagógica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here