Concurso chega à grande final

0
902
Cumprindo seu objetivo, o Goiás na Ponta do Lápis conseguiu mobilizar o ambiente escolar e beneficiar toda a comunidade, com ações de aprendizagem e também de prevenção a doenças causadas pelo mosquito transmissor da dengue, chikungunia e outras doenças

Com 18 estudantes finalistas, concurso de redação, desenho, fotografia e vídeo realizado pela Tribuna do Planalto em parceria com Governo estadual entrega prêmios durante solenidade marcada para esta semana
Fabiola Rodrigues

Estudantes dos 246 dos municípios goianos que participaram da 12ª edição do concurso Goiás na Ponta do Lápis têm muitas conquistas para celebrar. Além da tradicional redação, este ano o concurso estreou as categorias de desenho, fotografia e vídeo. A competição chega à sua grande final no dia 14 de dezembro, as 14:00 horas no Auditório Costa Lima da Assembléia Legislativa, da Capital, com um saldo positivo de ótimas experiências de aprendizado através do tema “Histórias reais de combate ao Aedes”. Cumprindo seu objetivo, o concurso conseguiu mobilizar o ambiente escolar e beneficiar toda a comunidade, com ações de aprendizagem e também de prevenção a doenças causadas pelo mosquito transmissor da dengue, chikungunia e outras doenças.
A superintendente de Ensino Fundamental da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte, Márcia Antunes, acompanhou a trajetória dos estudantes da rede estadual desde o início do ano e relata à Tribuna do Planalto que os diferenciais dessa edição, como os novos formatos dos trabalhos, e as experiências práticas de combate ao Aedes aegypti proporcionaram maior participação e engajamento dos alunos. Ela destaca que essa didática ficou marcada na educação.
“Com a participação extremamente positiva dos alunos, analiso essa edição como um marco educacional. O envolvimento dos professores e alunos foi muito maior e assim resultou em números menores de pessoas infectadas pelo mosquito e a menor proliferação dele também. Esses resultados para nós são gratificantes, fundamentais e significativos”, afirma Marcia Antunes.

O concurso contou com participação de estudantes da rede estadual, municipal e particular de ensino, com mais de 900 mil trabalhos inscritos em todas as sete categorias, sendo que 18 alunos finalistas de diferentes escolas de todo estado serão premiados em reconhecimento às excelentes produções. A superintendente diz que a motivação do aluno participar foi gerada principalmente por ele relatar histórias verídicas. Ela lembra que assim ficou mais fácil ter originalidade na produção dos trabalhos. Além deste empenho, ela ressalta que a premiação maior é o conhecimento do esforço e competência de cada finalista.
“O concurso nos trouxe ótimos resultados. Não é somente a premiação no final que vai celebrar o mérito do aluno, mas o que ele fez em equipe com os colegas de sala, esse é o grande legado dessa grande mobilização. O prêmio maior é entregue à sociedade, pois toda a comunidade escolar foi estimulada a combater o mosquito de maneira mais consciente e efetiva, através dos estudantes que foram orientados também”, relata Márcia Antunes.
Devido à boa participação dos alunos no Goiás na Ponta do Lápis, até mesmo as famílias dos estudantes foram positivamente influenciadas, através daquilo que os estudantes aprenderam em sala de aula. Eles pesquisaram sobre o Aedes aegypti e efetivamente vivenciaram as ações de combate ao mosquito.

Superintendente Estadual do Ensino Médio, Márcia Antunes: “Com a participação extremamente positiva dos alunos, analiso essa edição como um marco educacional”
Superintendente Estadual do Ensino Médio, Márcia Antunes: “Com a participação extremamente positiva dos alunos, analiso essa edição como um marco educacional”

“O relato que temos dos gestores das nossas escolas espalhadas pelo Estado é que o ambiente escolar mudou totalmente, melhoraram os cuidados. Os alunos e professores passaram a fazer mobilização de limpeza também em suas residências. Pais passaram a contribuir no combate ao Aedes à medida que os filhos foram aprendendo e ensinando a eles”, conta a superintendente.
Com autonomia e liberdade para escrever, desenhar, fotografar ou gravar vídeos, os estudantes puderam exibir criatividade e explorar vários talentos. É por meio destas novidades que o concurso registrou quase um milhão de trabalhos produzidos, número que comprovou que o trabalho em equipe traz ótimos resultados e é com estes sentimentos que Márcia Antunes define a participação de toda comunidade escolar.
“À medida que os estudantes pesquisaram para aprender, eles desenvolveram o senso crítico. Um aluno que tem bom repertório consegue expressar e escrever melhor e o certame no formato que foi apresentado atingiu todos os objetivos, para que houvesse crescimento no aprendizado do estudante”, conclui a superintendente.


Confira categorias  dos estudantes que serão premiados

A grande final do concurso acontecerá dia 14,quando 18 finalistas disputarão as melhores colocações e ganharão vários prêmios
A grande final do concurso acontecerá dia 14,quando 18 finalistas disputarão as melhores colocações e ganharão vários prêmios

O concurso Goiás na Ponta do Lápis é anualmente dividido em duas fases de premiações: a classificação regional, que premia estudantes das 40 subsecretarias de Educação do Estado, dando prêmios como bicicletas, certificados e medalhas para os alunos em suas respectivas categorias. Esta etapa já está concluída e os premiados foram divulgados nas edições anteriores da Tribuna do Planalto. A outra fase é a grande final, que acontecerá no próximo dia 14, em Goiânia, quando 18 finalistas disputarão as melhores colocações e ganharão prêmios como notebook, tablet, smartphone, medalha, certificado e bolsa de estudo. Confira quais são as categorias dos alunos que vão receber premiações.
No total foram, de acordo com as regras da competição, foram estabelecidas sete categorias. Na categoria A estão estudantes do 2º e 3º ano do ensino fundamental, que produziram desenhos relacionados às práticas de combate ao Aedes aegypti através de desenhos. A categoria B traz os alunos do 4º e 5º ano que produziram fotografias.
Já na categoria C estão os estudantes do 6º e 7º ano. Eles puderam produzir redações com o gênero textual poema. Alunos do 8º e 9º ano compõem a categoria D, que contaram histórias a partir de textos em formato de crônica. A categoria E foi reservada para os estudantes do Ensino Médio e deu a chance para eles elaborarem redações cheias de rimas musicais por meio do gênero textual paródia.
Os estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) puderam escrever no gênero textual memórias, em texto, e fizeram parte da categoria F. A produção dos vídeos pelos estudantes fez parte desta edição inovadora do certame, representando a categoria G. Esta categoria teve a função de envolver os alunos de diferentes turmas da mesma escola, para, juntos, criarem práticas de combate ao Aedes. Agora resta esperar para saber quem serão os grandes vencedores.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here