Aulas começam em Goiânia

0
618
Evento de abertura oficial do ano letivo na escola do Residencial Barravento, na região Noroeste de Goiânia
Secretária de Saúde, Fátima Mrué, e secretário de Educação e Esporte, Marcelo Costa, durante visita à escola
Secretária de Saúde, Fátima Mrué, e secretário de Educação e Esporte, Marcelo Costa, durante visita à escola

Atividades pedagógicas são retomadas nas 173 escolas, 140 centros municipais de educação infantil, 46 unidades conveniadas e dois centros de apoio à inclusão

Roseneide Ramalho, com Ascom SMS
Buscar que cada escola e unidade de educação infantil atue com autonomia para agir e refletir em busca de uma educação de qualidade é um dos pilares que vão sustentar as ações na rede municipal de educação nos próximos anos. O início do ano letivo, no último dia 23, marcou também o começo de uma nova gestão na Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) com a apresentação do novo titular da Pasta, Marcelo Costa, que foi recebido na Escola Municipal Professora Maria Nosídia Palmeiras das Neves, localizada no Residencial Barravento.
Em sua primeira visita a uma escola da rede municipal, o gestor desejou um ano produtivo às crianças e profissionais. “Quando venho em uma escola, lembro o quanto é importante o papel que temos para construir uma sociedade melhor”, ressaltou professor Marcelo. O secretário lembrou ainda que o desafio na educação é constante. “A população cresce, as necessidades também. No momento, está em andamento um diagnóstico para avaliar todos os setores da Pasta tanto no âmbito administrativo, quanto pedagógico”, destacou.
Ao defender a necessidade de qualificar o atendimento, Marcelo Costa ressaltou a importância de professores dedicados, reforçando que a educação precisa ser cada vez melhor. “Precisamos de profissionais que se importem com seu trabalho e que façam pensando no melhor. Não existe receita para escola perfeita, ela é feita com soluções inteligentes construídas o dia a dia”, afirmou.
Durante a solenidade de abertura do ano letivo, a diretora da escola, Izabel Leal, ressaltou que a instituição foi inaugurada há nove anos pelo prefeito Iris Rezende e, atualmente, atende 320 crianças de 6 a 11 anos, em período integral. “Adoro começo e recomeços. Quando falamos de educação, esse começo vem ainda mais carregado de esperança, pois por meio da educação podemos transformar a sociedade”, pontuou.
Cerca de 100 mil crianças, adolescentes, jovens e adultos matriculados na rede municipal de educação iniciaram as atividades nas 361 unidades educacionais da Capital. Para 2017, o calendário escolar assegura o cumprimento da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) que determina 200 dias letivos e 800 horas de efetivo trabalho escolar. Até o dia 21 de dezembro, as atividades pedagógicas serão desenvolvidas nas 173 escolas, 140 centros municipais de educação infantil (Cmei), 46 unidades conveniadas e dois centros municipais de apoio à inclusão (Cmai).

Escolas Sem Aedes
O início das atividades nas escolas e Cmei também pautou a retomada das ações de prevenção ao mosquito Aedes aegypti. Na última quarta-feira, 25, os secretários municipais de Saúde, Fátima Mrué, e de Educação e Esporte, Marcelo Ferreira, acompanharam o trabalho dos agentes de combate a endemias na Escola Municipal Manoel José de Oliveira, no setor Bueno.
A visita integra a ação “Volta às aulas sem Aedes” que terá a adesão de todas as instituições da rede municipal de educação e unidades educacionais de outras redes. A expectativa é realizar cerca de 800 vistorias cujo objetivo é identificar e eliminar criadouros do Aedes aegypti nas instituições e orientar os responsáveis pelas escolas sobre os cuidados no combate ao mosquito.
Para o secretário de Educação e Esporte, Marcelo Costa, a parceria com a Saúde será intensificada nos próximos anos. “Entendemos que essa ação é mais eficaz quando é feita em conjunto. A iniciativa na escola incide na formação do cidadão e impacta diretamente no processo de prevenção tanto dos criadores do mosquito, quanto de como a população se comporta perante a doença”, declarou.
Em conversa com os alunos da escola, a secretária municipal de Saúde, Fátima Mrué, repassou orientações sobre como evitar a proliferação de focos do mosquito Aedes aegypti. “Podemos combatê-lo ao eliminar criadouros que acumulem água”, explicou a gestora, que ainda destacou a necessidade de cada um cuidar de sua casa para que os índices de infestação na cidade diminuam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here