Moradores de comunidades Kalunga são incentivados a estudar

0
429
Secretária da Educação, Cultura e Esporte, Raquel Teixeira, participou do lançamento do programa Qualificampo

Curso técnico em Meio Ambiente foi disponibilizado aos estudantes de comunidade kalunga por meio do Ensino a Distância

200 tablets foram entregues pela secretária Raquel Teixeira, que representou o governador Marconi Perillo no último dia 17, durante lançamento do programa Qualificampo na Fazenda Riachão, no município de Monte Alegre de Goiás. Coordenado pela equipe do Núcleo de Organização e Atendimento Educacional (Nuoaed) da Seduce, o programa foi criado com a proposta de levar capacitação profissional a todos os alunos da rede pública estadual que moram na zona rural por meio da modalidade EaD (ensino a distância).
O curso disponibilizado aos estudantes kalunga foi o de técnico em Meio Ambiente, tique tem duração de dois anos e carga horária de 1.200 horas e contará com encontros presenciais quinzenais no polo de apoio instalado no C. E. Kalunga 2. Além da unidade educacional e suas duas extensões mantidas na região, também receberão os tablets alunos kalunga dos municípios de Cavalcante e Iaciara.
Estudante do 3º ano do Ensino Médio, Quitiane mora em uma comunidade a seis quilômetros da escola onde estuda. Feliz por receber o tablet novo, ela acredita que o presente vai estimular ainda mais seu interesse pelos estudos, já que não possui notebook nem computador de mesa em casa, e só costuma acessar a internet pelo smartphone.

Oportunidade
No lançamento do programa, a secretária Raquel Teixeira destacou que o curso técnico em Meio Ambiente foi pensado levando em conta o arranjo produtivo local e é uma iniciativa que está inserida na proposta do novo Ensino Médio do Ministério da Educação (MEC).
Ela destacou ainda a importância da tecnologia na democratização do acesso ao conhecimento. “Dentro deste pequeno equipamento, vocês vão encontrar uma chance maravilhosa que vai contribuir para abrir as portas do mercado de trabalho. Nós estamos dando a vocês o apoio didático e pedagógico e uma oportunidade, mas é o esforço próprio de cada um que vai fazer a diferença nesse curso”.
Antes de fazer a entrega dos tablets aos jovens kalunga, a secretária fez uma visita a dona Procópia dos Santos Rosa, 84 anos, que reside na Fazenda Riachão e é uma quilombola muito conhecida e respeitada. Na conversa com a vovó kalunga, Raquel lembrou que, em 1999, quando ocupava também o cargo de secretária de Educação de Goiás, foi preciso muito esforço para convencer o Ministério da Educação (MEC) de que o transporte escolar naquela região só era possível com a compra de burros. “Foi uma etapa muito difícil de convencimento porque era um pedido totalmente inusitado”.
“E como deputada federal, eu me lembro que a senhora fez muito por nós ao lutar pela criação do Bolsa Escola, que depois virou Salário Escola e até hoje ajuda muitas famílias aqui da região”, acrescentou a merendeira Teodora Fernandes de Castro Moreira, que trabalha em uma das extensões criadas pela Seduce para garantir o acesso das crianças e jovens kalunga à educação pública.
Chefe do Nuoaed, João Batista Peres Júnior explica que para atender as comunidades kalunga, que tem dificuldade de acesso à internet, a Seduce elaborou uma forma de atendimento diferenciado em EaD. “Os alunos terão acesso ao material offline, ou seja, os módulos do curso serão atualizados a cada 15 dias durante as aulas presenciais no pólo”. Ele explica ainda que outros dois cursos já estão em andamento pelo Qualificampo, que são o de Infraestrutura Escolar e de Lazer, que possuem pólos de apoio em Goiânia, São Miguel do Araguaia, Minaçu, Porangatu, Novo Gama e Uruaçu.
Além da secretária Raquel Teixeira e de João Batista Peres Júnior e sua equipe, diversos alunos e professores kalunga, o lançamento do Qualificampo contou também com as presenças do assessor especial para Inclusão Social Produtiva e Diversidade na Educação Profissional do MEC, Franklin Nascimento, e da coordenadora da Educação no Campo, Indígena e Quilombola da Seduce, Valéria Cavalcante da Silva Souza.

Fazenda Riachão
Para chegar à comunidade kalunga da Fazenda Riachão é necessário deixar a rodovia asfaltada que passa por Monte Alegre de Goiás e se embrenhar em uma estrada de terra que, no princípio, não dá o mínimo sinal de que a viagem será longa e cansativa.
São apenas 82 km a serem percorridos, mas o sobe e desce imposto pelos vales e montanhas, além dos muitos buracos e pedras pontiagudas, fazem a ‘aventura’ durar quase duas horas. O ponto positivo é o lindo cenário, onde do nada surgem casinhas de adobe cobertas de folhagens secas, cachoeiras que saltam do alto das montanhas e diversos cursos de água. Por causa das barreiras naturais do caminho, o percurso até o Colégio Estadual Kalunga 2 só consegue ser vencido por veículos com tração nas quatro rodas ou pelas caminhonetes Marruás, que a Seduce adquiriu em setembro do ano passado para transportar merenda escolar, material didático e as equipes pedagógicas que dão suporte às comunidades quilombolas da região de Monte Alegre de Goiás e Cavalcante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here