PF cumpre mandados nos gabinetes de Aécio, Zezé Perrella e Rocha Loures

0
756
Segundo o jornal, ainda não há confirmação de que a delação do empresário tenha sido homologada pelo STF (Foto: Jefferson RudyAgência Senado)

Agentes da Polícia Federal (PF) estão, desde as 6h15, cumprindo mandados de busca e apreensão nos gabinetes dos senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Zezé Perrella (PMDB-MG) e do deputado Rocha Loures (PMDB-PR). Os agentes chegaram em seis carros e, neste momento, o acesso ao Anexo 1 do Congresso Nacional está restrito.

No início da noite de ontem (17), o jornal O Globo publicou reportagem, segundo a qual, em uma gravação feita pelo dono do grupo JBS, Joesley Batista, o presidente do PSDB, Aécio Neves, teria pedido R$ 2 milhões ao empresário. O dinheiro teria sido entregue a um primo de Aécio. A reportagem diz ainda que a entrega foi registrada em vídeo pela Polícia Federal. A PF rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que o montante foi depositado em uma empresa do senador Zezé Perrella. De acordo com o jornal, Batista firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal e entregou a gravação.

A assessoria de Aécio Neves divulgou nota ontem (17) na qual diz que o senador “está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos. No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários”.

Também na noite de ontem, a assessoria de Rocha Loures informou que o deputado está em Nova York e tem retorno programado para hoje. A nota diz que, em seu retorno, o deputado deverá se inteirar e esclarecer os fatos divulgados. De acordo com o jornal O Globo, o deputado foi indicado pelo presidente Michel Temer como interlocutor para solucionar um problema da JBS. Posteriormente, Rocha Loures teria sido filmado recebendo R$ 500 mil.

O senador Zezé Perrella publicou uma mensagem em seu Twitter por volta das 22h50 de ontem em que diz que nunca conversou com Wesley Batista (irmão de Joesley Batista e também dono do grupo JBS), não conhece ninguém do grupo Friboi (uma das marcas da JBS) e que nunca recebeu, “oficial ou extraoficial”, nenhuma doação da empresa. “Estou absolutamente tranquilo”, disse o senador, que acrescentou que espera que todos os citados na reportagem tenham a oportunidade de esclarecer sua participação. “O sigilo das minhas empresas citadas, dos meus filhos estão absolutamente à disposição da Justiça, onde ficará comprovado que eu não tenho nada a ver com essa história”, disse Perrella.

Segundo o jornal, ainda não há confirmação de que a delação do empresário Joesley Batista tenha sido homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here