Governadores criam primeiro mercado comum do país

0
1130
A aprovação do ingresso do Maranhão no Consórcio Brasil Central foi uma das decisões importantes da reunião realizada em Palma, no Tocantins

O Mercado Comum do Brasil Central, pensado desde as primeiras reuniões do Fórum de Governadores, há mais de dois anos, voltou à pauta no encontro de Palmas

Presidente do Fórum do Consórcio de Governadores do Brasil Central (CBrC), o governador Marconi Perillo abriu oficialmente na sexta-feira, dia 2, o 3° Encontro de 2017 da entidade em Palmas, no Tocantins. O principal anúncio do encontro foi a oficialização da entrada do Maranhão no Fórum, elevando para sete os estados membros efetivos.
O pedido para que o Maranhão integrasse o grupo foi feito há mais de um ano e foi aprovado pela Assembleia dos Governadores, também realizada na sexta, no Palácio Araguaia. O anúncio oficial foi feito por Marconi Perillo durante a reunião no Ahãndu Eventos na presença do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). “Reconhecemos neste consórcio os atributos necessários para que o Brasil siga um caminho diferente”, afirmou o governador maranhense.
Antes, na coletiva de imprensa, Marconi Perillo destacou a importância do Fórum de Governadores, “uma entidade consolidada no País, que serviu de referência para a criação do Fórum de Governadores do Brasil, ocorrida esta semana em Brasília”, declarou.
Durante a Assembleia Geral dos Governadores também foram deliberados alguns temas importantes da reunião com os secretários de Planejamento e de Fazenda dos estados integrantes do Fórum ocorrida um dia antes.
O Mercado Comum do Brasil Central, pensado desde as primeiras reuniões há mais de dois anos, voltou à pauta no encontro de Palmas. Segundo o governador Marconi Perillo, “já existe uma parametrização das alíquotas dos principais produtos dos estados. Vamos agora trabalhar para colocar em vigor. Este será o primeiro mercado comum efetivo do Brasil, será uma espécie de Mercosul do Brasil”, comparou Marconi.

Municípios
Um tema debatido no encontro de hoje em Palmas foi a integração dos municípios ao Fórum de Governadores. “Sob a comando e a anuência do governador Marconi Perillo, nós convidamos alguns prefeitos a esta reunião de hoje para tratarmos de assuntos de interesse dos municípios. Esta pauta com os municípios é importante para que possamos destravar algumas questões relativas a eles”, anunciou Marcelo Miranda, o governador anfitrião.
Os governadores decidiram que, a partir de agora, vão realizar compras conjuntas de medicamentos para baratear o custo das mercadorias. “Quando formos comprar uma dipirona, por exemplo, o faremos numa mesma época para contemplar a todos”, salientou o governador do Tocantins.
Reinaldo Azambuja, governador do Mato Grosso do Sul, destacou o grande peso dos estados da região nos números do PIB divulgados pelo IBGE na quinta-feira, dia 1º. “O grande destaque foi a agropecuária. E a força dela está no Brasil Central. São esses estados que têm sido a alavanca para a sustentabilidade do País”, disse.
Ele disse ainda que a pauta comum, além da compra de medicamentos e da integração turística, é a integração logística: “Temos alguns projetos estruturantes na área de logística que são fundamentais para o desenvolvimento e a competitividade do Brasil Central”.
Os governadores também comemoraram o sucesso do Fórum nas articulações políticas para a aprovação da convalidação dos incentivos fiscais pela Câmara Federal na sessão da quarta-feira, dia 31.
“O consórcio é um modelo de integração regional. O Brasil não pode ser pensado individualmente. Quando pensamos regionalmente, nós ganhamos muito em competitividade. Esses estados, com certeza, vão salvar o País. Esta região tem sido o esteio do Brasil. Se tirassem a região do PIB, teríamos números negativos”, opinou Azambuja.
O governador de Rondônia, Confúcio Moura, disse que o modelo federativo brasileiro já cansou: “É necessário que possamos tocar a pauta do desenvolvimento brasileiro de uma maneira ativa, junto ao presidente da República e aos ministros da ordem econômica. Temos que deixar de viver numa subserviência absoluta”, destacou.
Segundo o governador de Rondônia, os estados do Brasil Central tocam a riqueza do país e, portanto, devem ser proativos. “Não podemos ficar de cabeça baixa, aguardando que posições ocasionais de ministros e presidentes venham dizer o que o Brasil Central precisa. Nós precisamos sim de logística ferroviária, navegabilidade boa, estradas, de infraestrutura, enfim, para movimentar a riqueza que nós produzimos”, salientou Confúcio Moura.
Durante as duas horas de discussões e palestras realizadas na reunião de trabalho dos governadores, estiveram na pauta algumas propostas de trabalho do Projeto de Turismo para o Brasil Central, visando o fomento e a comercialização de roteiros integrados. O Projeto de Integração do turismo de aventura e do ecoturismo dos estados membros do Fórum foi exposto por técnicos ligados à área de alguns estados da região. A ideia é divulgar o propósito de turismo da região por meio de publicidade, desenvolvendo roteiros integrados de forma a incentivar a venda de pacotes turísticos envolvendo atrativos dos estados.


Rodrigo Maia prestigia reunião do Fórum

Cada vez mais importante aos olhos do governo federal por sua demonstração de força e poder de aglutinação, o Fórum de Governadores, a cada edição, tem atraído novas expressões da vida pública brasileira e membros do poder central. O encontro de Palmas começou com na quinta-feira, 1, com a reunião dos secretários de Fazenda e do Planejamento e com um jantar oferecido pelo governador Marcelo Miranda aos governadores membros e convidados.
Ao jantar esteve presente o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, peça importante nas articulações ocorridas no início da semana em Brasília para a convalidação dos incentivos fiscais. Na sexta-feira, 2, pela manhã, a reunião do  Fórum contou com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, de quem os governadores ouviram as propostas de investimentos dos fundos constitucionais.
“Hoje se discute no Brasil a capacidade que o País tem de enfrentar e superar os seus problemas. O protagonismo dos estados, de certa forma, é questionado de acordo com a sua capacidade de respostas. É importante e necessário que governadores de Estados tão importantes se juntem para debater os seus problemas e construir soluções”, declarou Barbalho.
Marconi Perillo considerou “altamente positiva” a reunião de Palmas. “Além de temas relevantes que foram tratados na área de logística, educação e gestão pública, nós também tivemos a adesão do governador do Maranhão. Com isso o Fórum passa a ter sete governadores e é, certamente, o maior movimento federalista do Brasil”, observou
O governador confirmou que o próximo passo é convidar o governo do Piauí para integrar o Fórum. “Nós só temos uma região que tem nove governadores, que é a região nordeste. Nós já estamos chegando quase lá”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here