Iris propõe parceria a vereadores

0
599
O experiente Iris Rezende disse que vereadores podem escolher seu líder na Câmara

Prefeito presta contas, responde todos os questionamento dos parlamentares, faz balanço positivo do quadrimestre e propõe parceria em obras e serviços

Manoel Messias Rodrigues

O prefeito Iris Rezende (PMDB) surpreendeu o mundo político na semana passada ao propor aos vereadores que escolham seu líder na Câmara Municipal. O Paço está sem representante há cinco meses e a declaração feita na última terça-feira, 29, foi vista como uma jogada política altamente positiva que serve para arrefecer os ânimos na Casa.
“Escolham meu líder, se quiserem”, declarou em alto e bom som, durante prestação de contas referente ao primeiro quadrimestre de sua gestão.
Ao se reaproximar dos parlamentares e compartilhar uma decisão que seria de foro íntimo, Iris mostra segurança para construir uma relação de cordialidade com o Legislativo. Mais que isso, mostra uma maturidade e desprendimento, uma nova postura na gestão pública.
“Somos poderes independentes, mas somos poderes harmônicos que sempre querem o mesmo para nossa cidade: progresso, avanço e melhor qualidade de vida para o nosso povo”, asseverou o presidente da Câmara, Andrey Azeredo, ao abrir a sessão.
Praticamente recluso desde que assumiu a cadeira do Paço Municipal, Iris Rezende deu a entender que a partir de agora sairá do Paço e estará nas ruas. O recado foi dado na oportunidade que o prefeito teve para responder a todas as perguntas dos vereadores. Além de oferecer a possibilidade de a própria Casa escolher o seu líder, ele convidou os parlamentares para participarem dos mutirões.
Ao ficar mais de quatro horas na Câmara, Iris também atende a um anseio dos vereadores, que querem maior aproximação. Trata-se de uma grande reclamação da Casa, que alega não ser ouvida nem atendida. Ao ouvir e responder atentamente a todas as perguntas, além de mostrar preparo e conhecimento de tudo o que está acontecendo na administração, o prefeito marcou ponto na política. Desarmou a ira dos vereadores ao ser solícito, educado e cirúrgico nas respostas.
A experiência política de quem já foi vereador, prefeito, governador, senador e ministro acabou prevalecendo sobre uma Câmara onde muitos dos vereadores estão em primeiro mandato. Alternando humildade e força, Iris foi neutralizando aos poucos a resistência dos vereadores que ainda não conseguiram emplacar cargos e outras necessidades da Casa no Paço.
O prefeito usou quase um mantra para explicar que ficou recluso para colocar a casa em ordem.
“Os primeiros meses desta administração não foram fáceis. Enfrentei todos os desgastes da reclusão em meu gabinete com o único objetivo de colocar a casa em ordem. Minha equipe e eu trabalhamos quase 18 horas por dia a fim de realizar os ajustes necessários para que os serviços básicos da cidade pudessem voltar a funcionar”, disse Iris a uma Câmara com quórum completo e galerias lotadas.
A prestação acontece estrategicamente na semana da retomada dos mutirões, projeto que promete ser novamente a marca desse terceiro mandato de Iris. O clima ameno nos questionamentos é prenúncio de asfalto à vista, local onde Iris arrasta o povo e consequentemente voto – senha para quem já faz as contas para 2018 e até mesmo aos que sonham com uma vaga na Assembleia Legislativa.
O prefeito tentou tranquilizar uma plateia de novatos (62,3 % de renovação nas urnas no último pleito), dizendo que o momento foi deles sentirem como funciona a função de parlamentar, que é normal ajustes nos primeiros meses de qualquer administração, e que é real a necessidade de responsabilizai de todos com a cidade.
“Com muito esforço, estamos reequilibrando as contas e vamos, a partir desse próximo quadrimestre, implementar um ritmo de obras e serviços que a população tanto exige do gestor público”, destaca.

Comurg
Cerne de uma crise que complicou a última gestão, a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) migrou com os velhos problemas, como falta de caminhões e atrasos na coleta. Iris garantiu que a companhia passa por reformulação que já gerou uma economia de R$ 32 milhões com cortes de cargos comissionados, gratificações e outras medidas que reduziu apenas em cargos de chefia R$ 22 milhões. O prefeito observou que a coleta de lixo foi regularizada e a falta de apartes sobre o tema aponta assertividade dos membros do legislativo.
Desde que a crise enfrentada pelo ex-aliado Paulo Garcia (PT) começou, o atual prefeito vinha ponderando que a solução é política, e assim age em sua gestão. “Viabilizamos o funcionamento da Companhia, que tem se esforçado para recuperar os caminhões que estavam defeituosos e garantir a limpeza da nossa cidade e continuaremos a reformular”, enfatizou na Câmara.
O prefeito também respondeu ao vereador Jorge Kajuru (PRP) sobre sua inclusão nas delações da Odebrecht. Ele afirmou que nunca houve contrapartida às doações e as empresas doaram porque sabiam que ele abriria muitas obras em sua gestão. O prefeito destacou a fala dos próprios delatores, que confessaram nunca ter tratado diretamente com ele e que não o conheciam.

Arrecadação tem queda, mas dívidas são pagas

Endossando o argumento da necessidade de não baixar a guarda quanto à necessidade de um forte ajuste administrativo, o prefeito Iris Rezende divulgou que a arrecadação nos primeiros meses foi 1,52% menor que em 2016, já descontada a inflação. A prefeitura arrecadou R$ 1,44 bilhão em receitas, e o prefeito culpa por isso a antecipação de ISS em dezembro de 2016, feita pela gestão passada.
O IPTU, maior fonte de recursos da Prefeitura, contribuiu com R$ 258 milhões, nesse período. Apesar do recuo, o superávit mostra que a gestão, nos quatro primeiros meses, foi eficaz, obtendo R$ 245,9 milhões.
Mesmo com as restrições, Iris honrou desde janeiro os repasses aos fornecedores, prestadores de serviço, além de compromissos obrigatórios com o IMAS, IPSM e consignados. Todos atrasados pela gestão passada.
“Me dediquei e, apesar de ter plena consciência do imenso caminho pela frente, tenho convicção de que os primeiros passos já foram dados”, disse.
Principal indicador para conseguir autorização para liberar empréstimos via Tesouro Nacional e sinal de que as contas não estão descontroladas, as despesas com pessoal ficaram em 42,61% da receita corrente líquida, bem abaixo os 54%, do limite constitucional.
O prefeito também afirmou já ter honrado R$ 268,7 dos R$ 621 milhões em dívidas deixadas pela gestão do ex-prefeito Paulo Garcia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here