Educação alimentar discussão urgente e necessária

0
368

O concurso de redação, desenho, fotografia e vídeo está de volta com novidades de premiações e levará estudantes de todo o Estado a debater sobre hábitos alimentares, envolvendo a família

Fabiola Rodrigues

O maior concurso de redação, desenho, fotografia e vídeo está de volta. O Goiás na Ponta do Lápis este ano acontecerá neste segundo semestre. Além das diversas premiações oferecidas, algumas novidades incentivam ainda mais o envolvimento dos estudantes. O tema lançado nesta 13ª edição é “Educação alimentar: em busca de uma vida saudável”. O objetivo é promover debates no ambiente escolar, que serão estendidos a discussões familiares, com intuito de estimular a sociedade a refletir e melhorar seus hábitos alimentares, já que a má alimentação e obesidade são graves problemas de saúde da atualidade.
Inevitavelmente as pesquisas comprovam a necessidade de colocar o assunto em debate. Um estudo realizado nos Estados Unidos, na Universidade de Washington, calculou que em 2015, a obesidade atingia 107 milhões de crianças e 603 milhões de adultos no mundo inteiro, o que representa 5% das crianças e 12% dos adultos. E 10% da população mundial estava obesa. No mesmo ano da pesquisa 57% dos brasileiros estavam acima do peso ou obesos, inclusive atingindo cada vez mais os jovens.
Observando a total relevância de tratar os assuntos relacionados, a Tribuna do Planalto em parceria com a Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte (Seduce) escolheram essa temática para que, por meio da leitura, escrita e criatividade, novos conceitos sobre hábitos alimentares sejam formados. A gerente de Merenda Escolar da Seduce, Fátima Vauldimar, alerta sobre a necessidade urgente de orientar os estudantes sobre as práticas alimentares e descreve durante como a má alimentação afeta o desempenho do aprendizado.
“Crianças, adolescentes, jovens e até os adultos têm comido mal. Os alimentos ultraprocessados, com alto índice de gordura e açúcar, consumidos com frequência são prejudiciais. O fácil acesso a eles, devido à correria do dia a dia, somente piora a saúde, pois não apresentam nutrientes saudáveis de fato. Aprender a comer bem faz-se muito necessário”, afirma a gerente.
A má alimentação interfere diretamente no rendimento escolar. O consumo inadequado de alimentos por um período prolongado é especialmente prejudicial para crianças e adolescentes.
“Tudo que ingerimos exerce um impacto sobre a função cerebral, interferindo no humor, pensamento, comportamento, memória e envelhecimento celular, diminuindo a capacidade de aprender, a disposição da atividade física e retarda o desempenho intelectual”, frisa a gerente.
Para Fátima Vauldimar abordar esse tema dentro do concurso Goiás na Ponta do Lápis é muito relevante. Ela parabeniza a Tribuna do Planalto pela iniciativa de promover leitura, pesquisa e debate sobre a qualidade de vida, e como melhorá-la través da boa alimentação.
“A reeducação alimentar dever ser praticada. Neste momento vai muito além de falar sobre, precisa se tornar uma realidade entre os jovens. Descobrir e aprender a consumir alimentos que fazem bem à saúde se tornou extremamente relevante e necessário. Pesquisas e estudos comprovam a real necessidade de debater o tema”, diz.
A gerente lembra ainda que alimentar melhor a partir da conscientização previne doenças.
“Colesterol alto, diabetes, doença cardiovascular, indisposição, obesidade, anemia e uma série de outros problemas podem ser evitados, através da força de vontade”, ressalta Fátima Vuldimar.

Exemplo em casa
A família tem um papel fundamental quando se fala de reeducação alimentar. Portanto, a conduta dos pais deve ser reavaliada, pelo fato de os filhos adquirirem primeiramente os hábitos em casa. Devido a isso, deve-se ter especial atenção para a mudança de comportamento dos familiares.
“O pai ou a mãe são os maiores responsáveis pela alimentação principalmente da criança. Cabem a eles incentivar o consumo de pratos mais saudáveis aos pequenos. O exemplo deve ser mostrado na pratica diária. Alimentar-se corretamente significa balancear o cardápio”, observa Fátima Vuldimar.
A gerente frisa que a escola é um importante espaço para desenvolver o comportamento, habilidades e a saúde. E lembra que a merenda escolar faz parte da rotina do estudante, os alimentos são preparados com orientação nutricional, mas deixa claro que os exemplos vêm principalmente de casa.
“Através de um lanche balanceado no colégio o estudante pode render melhor durante as aulas, mas isso precisa continuar fora do ambiente escolar”, diz Fátima Vuldimar.

“O tema especialmente escolhido marcará esta edição”

O diretor-presidente da Tribuna do Planalto, Sebastião Barbosa, acredita que o concurso é transformador para a educação do estudante. Por este motivo há 13 anos o jornal trabalha com o projeto que melhora a vida de muitas famílias.
“Quando falamos do Goiás na Ponta do Lápis, não estamos apenas falando das produções textuais e dos prêmios que ele oferece, mas sim do envolvimento dos alunos juntamente com a família e comunidade. Proporcionando debates riquíssimos sobre diversos assuntos importantes no meio social, oportunizando mudanças para melhor. Educação é isso, transformar por meio do conhecimento”, observa sSebastião Barbosa.
De acordo com o empresário, o tema do concurso é meticulosamente escolhido após pesquisas e amplos debates, tendo em vista a realidade social e educacional de Goiás e do Brasil.
“O assunto especialmente escolhido marcará essa edição, devido à chance que os estudantes têm de melhorar a saúde, por meio da alimentação. Descobrindo tudo isso através da dedicação ao estudo, leitura e pesquisa, incluindo os pais nessa jornada. É fantástico”, diz, motivado, Sebastião Barbosa.

Os estudantes e professores premiados em primeiro lugar de cada categoria na final do concurso ganharão viajem para Caldas Novas
Os estudantes e professores premiados em primeiro lugar de cada categoria na final do concurso ganharão viajem para Caldas Novas

Confira novidades do concurso

A 13ª edição concurso Goiás na Ponta do Lápis premiará os melhores trabalhos dos estudantes em suas diversas categorias com medalhas, certificados, smartphones, notebooks, bicicletas, tablets, aparelhos Datashow, TVs, câmera fotográfica, bolsas de estudos e pela primeira vez os alunos vencedores da final e seus respectivos professores ganharão viagem para Caldas Novas, com direito a acompanhante, traslado e hospedagem.
As inscrições deverão ser realizadas no site da Tribuna do Planalto: www.tribunadoplanalto.com.br/concruso até o dia 20 de outubro. Será cobrada uma taxa de R$ 8,00  por estudante inscrito. Este custo não irá ser repassado às escolas ou aos estudantes. A Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte (Seduce) fez a aquisição de 300 mil inscrições, e foi bonificada com mais 30 mil, garantindo a participação de 330 mil alunos da rede estadual. As Coordenações Regionais da Seduce farão a inscrição das escolas e a distribuição das vagas oferecidas às unidades escolares.
O período de entrega da produção do material será entre os dias 9 e 14 de novembro. As premiações regionais dos alunos vencedores acontecerão entre os dias 27 de novembro a 9 de dezembro. A grande final do certame acontecerá no dia 14 de dezembro, em Goiânia, no Auditório Costa Lima da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás.
As premiações serão divididas em sete tipos de categorias sendo de A até G. Poderão concorrer a categoria A, que é a de Desenho, alunos do 2º e 3º ano do ensino fundamental. Os desenhos devem ser produzidos no ambiente escolar, abordar o tema proposto e ser feito individualmente. A categoria B, que é a de “Foto-grafia”, inclui estudantes do 4º e 5º ano. Cada aluno deve apresentar duas fotos, uma referente a maus hábitos alimentares e outra representando bons hábitos. As fotos devem estar acompanhadas de um relato de no mínimo 20 linhas.
As demais categorias, de C até G, estão reservadas aos estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental; e do 1º ao 3º ano do ensino médio. E também aos alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O formato dessas categorias são as redações, que devem conter no mínimo 20 linhas e no máximo 40 e abordar o tema proposto.
A premiação do vídeo será por escola. Todo o ambiente escolar deve ser envolvido, incluindo professores, coordenadores e estudantes, e precisa ser criado de forma coletiva, com duração máxima de cinco minutos. Os gêneros aceitos serão: ficção, documentário, videoclipe e animação. A Tribuna do Planalto deseja boa sorte a todos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here