Um mergulho na imagem e no som

0
509

Fabiola Rodrigues e Manoel Messias Rodrigues

Repórter da Tribuna do Planalto acompanha visita de estudantes de escola pública ao Museu da Imagem e do Som

Visitas guiadas em museus e teatro incentivam a criança ou adolescente a melhorar consideravelmente o desenvolvimento intelectual estimulando o pensamento crítico, além de possibilitar, em muitos casos, o primeiro contato com a produção cultural de qualidade. Esses passeios ajudam o estudante a conhecer de perto histórias contadas em sala de aula, dando solidez às teorias dos livros. Na manhã de quarta-feira da semana passada, alunos do 6º ano da Escola Municipal Vereador Carlos Eurico de Camargo Alves, localizada no Parque Santa Rita, em Goiânia, visitaram o Museu da Imagem e do Som (MIS), na Praça Cívica, onde tiveram contato, de forma lúdica e interativa, com a história da música e também da construção e evolução da Capital goiana.

Vislumbrada com a oportunidade de realizar o sonho de conhecer um museu, Natália Gonzaga, de 11 anos, mostrava nos olhos que aquele contato com os discos, a caixa de som, as telas com retratos históricos, os gibis, tudo era novidade e parecia surreal.

“Gosto muito de ir aos passeios oferecidos pela escola. Meu pai não pode me levar, porque ele sempre está ocupado tentando sustentar a casa. Acho muito interessante conhecer nossa origem, história e monumentos, aprendo bastante só de ouvir falar, vendo, então, conheço mais ainda”, diz a estudante, que quer se formar em arquitetura e se especializar em design de interiores.

“Acho muito interessante conhecer nossa origem, história e monumentos, aprendo ouvindo falar, vendo, então, conheço mais ainda”, Natália Queiroz

Na aventura de aprender fora da sala de aula, Natália conta com a ajuda da professora de História Eleuzenira Maria de Menezes, que sempre luta para que as turmas dela conheçam lugares culturais. A professora sabe que um ensino de qualidade, que requer contato com a arte e a cultura, pode ser o diferencial no desenvolvimento acadêmico de seus alunos. E as palavras de Natália confirmam essa assertiva: “Sempre gostei de estudar, pintar, desenhar. Isso tudo me encanta e presenciar obras artísticas me incentiva mais ainda a lutar pelos meus objetivos”.

Kayky Vieira, também de 11 anos, sempre foi curioso e desde pequeno gostava de folhear livros e ouvir historinhas. Quando ficou sabendo pela professora de história, que iria ao museu, não conteve a alegria e queria mesmo era saber como Goiânia foi fundada. Ao descobrir boa parte de como isso aconteceu, vendo fotos e ouvindo fatos narrados pela guia do MIS, Kayky mostrou um semblante contente, além de falar que aprendeu muito.

“Acho legal acompanhar o progresso da minha cidade, me interesso por isso. E aprender dentro de um museu é muito recreativo e interessante, tenho mais clareza para compreender. É superlegal”, relata.

Os olhos de Kayky Vieira percorriam todas as salas com muita animação, como se estivesse em um parque de diversões. O gosto pelo conhecimento, fazia cada minuto do passeio valer a pena. Ao chegar na gibiteca Jorge Braga, do MIS, a atenção ficou totalmente voltada para os famosos personagens da ficção.

“Ir ao museu é muito recreativo e interessante, tenho mais clareza para compreender as matérias ensinadas em sala, é super legal”, Kayky Vieira

A História além da teoria

A professora Eleuzenira Maria de Menezes explica que as visitas guiadas são indispensáveis para consolidar o aprendizado do livro e da sala de aula. Essa visitas materializam o que foi visto na teoria. O contato com obras de arte e conteúdos artísticos, portanto, melhora os conceitos e enriquece a educação oferecida pela escola.

“Acredito ser fundamental ajudar a criança, o adolescente a fazer novas descobertas. Por isso, me empenho tanto. Claro que enfrento algumas dificuldades para que estes momentos aconteçam, mas sei o tanto que é valioso para eles e, por isso, nem penso em desistir”, frisa.

“Acredito ser fundamental ajudar a criança, o adolescente a realizar novas descobertas. Por isso, me empenho tanto”, Eleuzenira Maria

As atividades extraclasse sempre rendem muito conhecimento. A motivação dos estudantes, ainda mais sendo crianças, é visível e contagiante. As aulas fora do ambiente escolar são momentos que agregam conhecimento.

“Sinto um prazer enorme em incentivar a participação da criança em visitações, porque a família nem sempre a pode dar essa oportunidade aos filhos. É transformador ver a criança fazendo comparações entre a teoria e a prática”, comenta a professora de História.

“Ensinamos sem quadro e giz”

Visitar um museu é uma oportunidade de o estudante ter contato na prática com elementos da teoria, ampliando e enriquecendo os conteúdos ministrados em sala. O Museu da Imagem e do Som (MIS) recebe diariamente estudantes de escolas e universidades e grupos interessados pela cultura local, por história, música e leitura.

“Ensinamos sem quadro e giz. Nossa função é essa, que as pessoas tenham mais senso crítico e ampliem o conhecimento delas. Somos um pedaço da produção dele de forma indireta. Se o estudante sair do museu com alguma percepção de mundo diferente, a partir das histórias contadas, já cumprimos nossa missão, porque a cultura sempre contribui com a educação”, ensina Keith Valéria Tito, diretora do MIS.

“Nossa função é fazer com que as pessoas tenham mais senso crítico e ampliem o conhecimento. Somos um pedaço da produção dele de forma indireta” Keith Valéria Tito

A visita ao MIS é gratuita. Professores ou grupos que desejam participar das audições com guia devem ligar no telefone 3201-4625 ou solicitar visita antecipadamente pelo e-mail goias.mis@gmail.com e fazer a reserva. As visitas ocorrem de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h30, na Praça Cívica.

O museu conta a evolução e a história da música e de seus aparelhos, fatos históricos de Goiás, com um retrospecto cheio de detalhes e informações por meio de acervo e fotos. Os visitantes também conhecem a gibiteca, que é toda colorida com desenhos, onde há gibis e livros ilustrados que incentivam a leitura para crianças e adolescentes.

Conhecimento para a vida

Atividades realizadas fora da sala de aula proporcionam conhecimento na prática e, para a nova geração de crianças e adolescentes, essa interação é mais fundamental ainda, já que os aparelhos tecnológicos facilitam o conhecimento teórico. A interação dos estudos extraclasse quebra a rigidez do tradicionalismo pedagógico, ancorado nas diversas matérias e incontáveis horas em sala de aula e instiga ao convívio em grupo.

“Visitas a teatros, museus, monumentos históricos, fazendinhas, exposições, zoológicos são excelentes recursos para a ampliar o conhecimento do estudante, levando-o a universos desconhecidos. Durante esses momentos o estudante faz conexões e leva o aprendizado para a trajetória da sua vida”, afirma a psicóloga Maris Eliana Dietz.

Um dos grandes desafios da escola é formar cidadãos com capacidade de entender e se posicionar criticamente perante a complexidade do mundo. Isso é possível quando a escola proporciona meios de interação e conexão entre teoria e realidade, mostrando e ampliando o conhecimento além dos muros que a delimitam.

“Atividades extraclasse possibilitam ao estudante ter contato com novas culturas, desenvolvendo, assim, o raciocínio” Maris Eliana Dietz

“A atuação da escola vai muito além dos livros didáticos e provas. É importante levar o estudante a ser um sujeito pensante de maneira analítica e prática. Os passeios e atividades externas propõem a ideia do conhecimento prazeroso, fluído. A criança incorpora os conceitos com maior facilidade, estimula o raciocínio, a resolução de problemas, a exploração e investigação, que são essenciais para a vida acadêmica e em sociedade”, esclarece Maris Eliana Dietz.

Escolher bem os locais para proporcionar interatividade requer alguns requisitos a serem considerados. Incentivar o exercício da mente é algo que deve acontecer de maneira pensada. A psicóloga lembra que o local deve ser apropriado à faixa etária dos estudantes e as turmas devem estar em um mesmo nível de idade. O acompanhamento e orientações por profissionais durante o percurso de passeios são de extrema importância para compreensão de cada aluno durante os momentos proporcionados fora da escola.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here