Belezas Naturais? América Latina é sinônimo de perigo

0
23504
Clique aqui para ler o artigo em PDF

Marco Antônio Barbosa

Praias maravilhosas, grandes resorts, paisagens de tirar o fôlego. Estas deveriam ser as primeiras imagens a surgir na cabeça das pessoas ao pensar em América Latina. Infelizmente a realidade não é assim. A América Latina é sinônimo de perigo.

Esqueça Oriente Médio ou África. A região mais violenta do mundo é aqui. Somente 8% da população mundial consegue alcançar a marca de 33% de todos os homicídios que ocorrem no mundo.

Os dados do Instituto Igarapé divulgados pelo Washington Post mostram que o problema é mais sério se focarmos em quatro nações. Brasil, México, Colômbia e Venezuela são responsáveis por 25% de todos os assassinatos do planeta, ou seja, mais de 12 pessoas são assinadas por hora nestes países.

Como chegamos a esse quadro tão alarmante?

A história se repete em cada uma das localidades. Onde a educação e as oportunidades não são providas pelo Estado, a criminalidade aparece como solução. Cresce e se dissemina até se tornar mais forte que o governo. O tráfico de drogas, a principal atividade criminosa da região, já tomou proporções internacionais, com facções ramificadas do México ao Paraguai. Enquanto a inteligência de nossas polícias não consegue conversar entre Estados, a marginalidade age entre nações. Para agravar, o sucateamento da segurança pública, sem investimentos, e policiais com remuneração pífia geram corrupção. Nesta hora o traficante passa a ser milícia e o crime se mistura com quem deveria ser a lei.

Mas se a criminalidade já está tão enraizada na nossa sociedade, como podemos controlar?

Essa é uma guerra que se ganhará em muitas batalhas. O primeiro passo é criar políticas públicas e pactos entre as nações. Assim como o Mercosul para o livre comércio, é necessária uma inteligência de segurança unificada. Integrar procedimentos e informações e fortalecer o policiamento nas fronteiras dificultam que toneladas de drogas transitem sem serem notadas. Remunerar e equipar melhor nossos policiais para que a criminalidade não tome conta também é essencial.

Em longo prazo, para evitar que mais e mais crianças entrem para o crime – mais da metade das vítimas latino-americanas e caribenhas têm idade entre 15 e 29 anos – precisamos melhorar a qualidade da educação, moradia, saúde e outros serviços básicos. Investir em infraestrutura para a população é diminuir a atuação das facções.

Achar que a criminalidade vai diminuir apenas com ações pontuais é possuir uma visão míope de todo o cenário. Ano a ano os relatórios são cada vez mais cheios de sangue. Enquanto não nos unirmos e entendermos que este é um problema de todos e que não resolvê-lo pode custar nossas vidas, continuaremos a ver estatísticas cada vez mais assustadoras.

Marco Antônio Barbosa é especialista em segurança, marketing e finanças. É mestre em administração de empresas com MBA em finanças

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here