Primeiros passos da UFCAT

0
462

Secretário de Educação Superior do MEC fala sobre tutoria, escolha do reitor pro tempore, orçamento e gestão administrativa da Universidade federal de Catalão

O secretário de Educação Superior do Ministério da Educação (Sesu/MEC), professor Paulo Barone, participou de uma reunião segunda-feira, 21/5, em Catalão, para esclarecer dúvidas da comunidade da Universidade Federal de Catalão acerca do processo de transição administrativa, principalmente sobre a escolha do reitor pro tempore, tutoria, orçamento anual, gestão, entre outras questões. As informações são da Secretaria de Comunicação da Universidade Federal de Goiás (UFG).

A reunião ocorreu após a solenidade em que o ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, anunciou oficialmente a fundação da Universidade Federal de Catalão. A UFCAT foi criada pela Lei nº 13.634, de 20 de março de 2018.

Ao abrir a roda de conversa, o reitor da UFG, Edward Madureira, agradeceu a presença do secretário Paulo Barone e reiterou o total apoio da UFG ao processo de transição administrativa, especialmente como tutora da UFCAT. Também compuseram a mesa diretiva da reunião a vice-reitora, Sandramara Matias Chaves, a diretora da Regional UFG/Catalão, Roselma Lucchese, o vice-diretor da Regional UFG/Catalão, Cláudio Lopes Maia, e o diretor da Regional UFG/Jataí, Alessandro Martins. Participaram do evento o presidente do ADUFG Sindicato, Flávio Alves da Silva, a pró-reitora de Graduação da UFG, professora Flávia Oliveira, além de outros gestores, servidores docentes e técnico-administrativos e estudantes.

O secretário Paulo Barone afirmou que a escolha do reitor pro tempore da Universidade Federal de Catalão é uma prerrogativa do MEC e que a nomeação será feita pelo ministro da Educação o reitor pro tempore a partir de uma lista tríplice. A comunidade acadêmica e uma comissão específica fazem indicações de professores que manifestem interesse em ser reitor pro tempore. Com base nessa relação, será elaborada uma lista tríplice a ser enviada ao Ministro da Educação, a quem cabe a nomeação do gestor. O MEC publicará um edital com normas para a indicação de nomes e composição da lista tríplice. O MEC avaliará o currículo e o plano de trabalho dos professores que estejam pleiteando o cargo.

Barone reiterou que a “universidade mãe”, no caso a UFG, será a tutora da Universidade Federal de Catalão. O secretário entende que a tutoria respeita a autonomia administrativa da nova universidade, devendo emprestar toda a estrutura para execução dos serviços necessários à transição administrativa. Citou como exemplo os contratos de terceirização e os processos de aquisição de materiais de laboratório, que precisam seguir os trâmites burocráticos para serem efetivados. O MEC encaminhará um Termo de Cooperação, que será pactuado e assinado pelas duas instituições: a tutora e a nova universidade. O objetivo é definir competências e responsabilidades de cada uma das instituições.

Segundo Barone, o reitor pro tempore terá a missão, entre outras, de compor a sua equipe de pró-reitores e assessores. E, para tanto, foram destinados diversos Cargos de Direção (CD), Funções Gratificadas (FG) e Funções Comissionadas de Coordenação de Curso (FCC), conforme especificado na lei de criação da UFCAT.

No processo de implantação da UFCAT, MEC, UFG e o reitor pro tempore terão funções complementares na gestão administrativa da nova universidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here