Excesso de velocidade lidera infrações em novos fotossensores

0
859
Foto;. Internet

Balanço dos novos fotossensores que começaram a funcionar na capital, da segunda das quatro ordens de serviço, aponta que o excesso de velocidade foi a principal infração provocada por condutores em Goiânia. 59 faixas começaram a operar no dia 10 de maio e 60 em 1° de junho. Os dados completos da fiscalização eletrônica referentes à segunda ordem de serviços serão apresentados pelo titular da Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT), Fernando Santana, nesta terça-feira, 26, às 9 horas, na sede do órgão.

Foram colocados em operação mais 119 faixas, outras 63 aguarda instalação. A previsão é que 40 destas faixas sejam liberadas nesta semana e o restante aguarda liberação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Immetro), que realiza o teste do equipamento.

A primeira etapa colocou em operação 174 faixas, sendo 155 mais 19 auxiliares de faixa exclusiva, em agosto de 2017.  A terceira etapa vai incluir 118 novas faixas, em locais como Avenida Castelo Branco, Avenida Pedro Ludovico, na saída para Guapó, e Avenida Anhanguera com a Rua Pouso Alto, em campinas. Na quarta e última etapa, 47 novas faixas serão implantados em importantes vias, como na Avenida 1ª Radial, Goiás Norte e Circular.

Nas 43 vias que começaram o monitoramento, 52.449 desrespeitos foram registrados. Excesso de velocidade lidera entre as principais irregularidades cometidas por motoristas, seguido por avanço de sinal e parada sobre faixa de pedestre.

Conforme o secretário Fernando Santana, o monitoramento da velocidade é importante, pois é a principal causa de mortes e lesões graves. “Dados de 2016 apontam que das 229 mortes registradas na capital, 62% tiveram como causa principal o fator velocidade, o mesmo acontece com pessoas que sofreram lesões graves”, alerta o secretário.

Um dado importante é que nenhuma infração foi registrada por transitar em faixa exclusiva de ônibus e a conversão proibida, representou menos de 1% dos casos registrados no período.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here