Linha Direta | PP: futuro nas mãos de Baldy

0
742

Ninguém sabe qual o futuro do PP. A não ser o presidente da sigla, Alexandre Baldy. Este tem sido o comentário mais repetido entre pepistas, incluindo prefeitos, ex-prefeitos e deputados (e até o porta voz do partido, Vanderlan Cardoso) em reuniões nos últimos dias. Segundo explicam, a sigla segue reiterando o mantra que o ministro das Cidades tem dito reiteradamente, o que afirma que o PP tem compromisso com o governo estadual até o dia 31 de dezembro deste ano, e que a definição se o partido permanecerá na base ou seguirá para a oposição será acertada apenas nas convenções, mas sem saber realmente para que lado a legenda irá. Hoje, o PP caminha em duas frentes: uma delas, encampada por prefeitos e deputados goianos, defende a permanência na base aliada, com a busca pela vice da chapa encabeçada pelo governador José Eliton (PSDB). Já asegunda frente defende o acerto com a candidatura de Daniel Vilela (MDB), desejo do presidente Michel Temer (MDB) e de Henrique Meirelles (MDB). Um acerto com Ronaldo Caiado (DEM) seria possível, mas dependeria da influência do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, ao qual Baldy é ligado, que ainda não se decidiu.

Clique aqui para ler a coluna em PDF

“Ninguém me coloca contra o Caiado”, Jorge Kajuru, vereador, ao comentar que tentam colocá-lo contra o senador nas redes sociais

Senado

A disputa pela segunda vaga ao Senado está quente. Lúcia Vânia (PSB) conta com as pesquisas e seu eleitorado fiel. Por outro lado, Demóstenes Torres (PTB) conta com o apoio de quase toda a bancada federal e estadual e de prefeitos da base.

Pra onde?

O outro nome ainda é uma incógnita. O vereador Jorge Kajuru (PRP) se afastou nos últimos dias de Caiado, embora tenha sempre repetido que nada o afastará do senador. O problema é que sua sigla se aproxima cada vez mais de Daniel Vilela (MDB).

Agora?

Causou estranheza na oposição da Câmara Municipal o pedido de licença da presidente da CCJ, vereadora Sabrina Garcêz, exatamente no momento em que a reforma do sistema previdenciário dos servidores municipais chega à Casa.

Em casa

É que quem assume em seu lugar é o emedebista Welington Peixoto, que pertence à base do prefeito Iris Rezende no Legislativo goianiense. A mesma comissão arquivou o projeto em maio passado, quando houve a primeira tentativa do Paço.

Rito

Welington nega que fará qualquer tipo de manobra. Afirma que seguirá o trâmite normal. Quer aprovar o projeto até o final desta semana. A previsão é que a Câmara Municipal siga com seus trabalhos até o próximo dia 15 de julho, quando entrará, de fato, em recesso.

1 Recado

Em sessão do TSE, o vice-procurador-geral Eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, defendeu que que o uso de centros assistenciais para beneficiar candidaturas configura abuso de  poder econômico e deve ser punido com cassação de mandato.

2 Recado II

A manifestação foi feita durante o julgamento de recurso da deputada estadual Maria de Fátima Pereira de Oliveira, eleita suplente no Rio de Janeiro em 2014. Ela teve o mandato cassado e foi declarada inelegível pelo TRE-RJ.

3 Recado III

O alerta vale para um bom número de prefeitos de Goiás que mantém casas de apoio em Goiânia, para auxiliar pacientes de cidades do interior que vêm à Capital em busca de tratamento de Saúde. O tribunal tem tratado estes casos como assistencialismo político.

Daniel versus Paulo do Vale

O deputado federal e governadoriável pelo MDB, Daniel Vilela, reclamou da postura do prefeito de Rio Verde, Paulo do Vale (MDB), na última semana. O deputado afirma que o prefeito demitiu Mário Furacão, servidor da prefeitura de Rio Verde, por ter comparecido ao evento de lançamento de um pré-candidato a deputado federal aliado de Daniel na região. “Foi uma atitude pequena, baixa”, lamentou Daniel.

Suplência

Cresce dentro da base governista a possibilidade de Raquel Teixeira ser suplente de Marconi Perillo. Vilmar Rocha tende a não aceitar o cargo.

Constrangimento

O encontro da porta-voz feminina da Rede Sustentabilidade em Goiás, Eva Cordeiro, com o governador José Eliton não pegou bem dentro da legenda.

Explicações

Questionada pela cúpula da sigla, Eva Cordeiro afirmou que não tratou de alianças com o tucano. Tratou-se apenas de um encontro programático.

Consolidadas

Em tempo: a Rede Sustentabilidade, do pré-candidato Edson Braz, entrevistado desta semana da Tribuna, terá, ao menos, 15 candidaturas a governos.

Fica?

O PTB pode sobrar depois das definições da composição da chapa majoritária de José Eliton. Restará saber se o partido permanecerá na base.

Mi mi mi

Vários vereadores têm reclamado do atendimento recebido por parte dos secretários municipais. Toda semana chega reclamação a Iris.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here