Análise | Caiado, Eliton e Daniel contrariam expectativas

0
452
Jalles Fontoura (e) e Adib Elias (d) serão os coordenadores das campanhas de Eliton e Caiado, respectivamente

Vassil Oliveira

Lá atrás, quando a pré-campanha ainda não passava de uma fumaça no horizonte longínquo das convenções, havia muito certeza sobre o futuro dos nomes no jogo. O que se esperava, então: Ronaldo Caiado (DEM): embora já líder disparado nas pesquisas, que não chegaria vivo (politicamente) até julho. No meio do caminho, ficaria desidratado, pois já atingira seu teto de 40% e a tendência era cair.

Daniel Vilela (MDB): ia crescer logo, porque representava o novo e seria beneficiado pela máquina eleitoral do MDB.

José Eliton (PSDB): sem carisma e sem tradição, não chegaria a lugar nenhum. Não tinha o apoio da própria base governista, que o abandonaria assim que chegassem as convenções.

A poucos dias do final do prazo para as convenções, a teoria virou fumaça. Todos contrariaram, de alguma forma, as expectativas.

Ronaldo Caiado mantém-se líder disparado nas pesquisas. Não superou o teto, porém está longe da queda prevista. Muito pelo contrário. Está segurando inclusive um número relevante de partidos ao seu lado, o que também colocava-se em dúvida.

Leia também: Chapa encaminhada?

Daniel não cresce. Até caiu, segundo alguns institutos. Ele também não conseguiu unir o partido, e a ampliação dos apoios está restrita à espera do PP e, quem sabe, mais uma ou outro legenda menor.

José Eliton subiu nas pesquisas. Pouco, mas subiu. O principal, no entanto, está em outro ponto: conquistou a base para sua candidatura, e está amarrando uma ampla aliança, que inclui praticamente todos os partidos que sempre andaram juntos nas eleições liderada por Marconi Perillo – menos DEM e, talvez, PP.

O quadro não está definido. Há conversas em andamento para definição de vice e primeira suplência de Marconi, do lado de Eliton. E a indefinição sobre o rumo do PP, que pode favorecer o emedebista.

Mas é razoável dizer que o quadro está formatado. Já se vislumbra como será a disputa, e que hoje a tendência maior é de polarização entre Ronaldo Caiado e José Eliton.

A mais profissional das pré-campanhas tem sido a de Eliton, que nas últimas semanas tomou rumo e se consolidou com a informação de que o ex-prefeito de Goianésia Jalles Fontoura vai se afastar da presidência da Sanego para ser o coordenador político da campanha.

Jalles dá peso político e mostra uma campanha em pé. É o contraponto a Adib Elias, anunciado como coordenador de Caiado. Adib deixará a prefeitura para se dedicar o tempo inteiro às ações de campo, como Jalles está fazendo?

Caiado também tem trabalhado para fortalecer sua estrutura. Tem ao seu lado gente acostumada ao jogo bruto da militância. E tem a visão de que não pode errar, porque do outro lado estão duas máquinas que, azeitadas, podem muito bem atropelá-lo.

Depois das convenções, vai valer o corpo a corpo. O campo aberto da guerra. Neste aspecto, uma campanha estruturada é meio caminho para a vitória. O desequilíbrio estará aí, e não na intenção de voto neste momento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here