Daniel Vilela defende mudanças na política fiscal do Estado

0
576
Foto: Divulgação

Em reunião com representantes do setor produtivo na Fecomercio-GO, o candidato a governador Daniel Vilela (MDB) criticou a política fiscal do governo de Goiás e disse que a atual gestão age de forma autoritária ao adotar a prática constante de reajuste de impostos para tapar o rombo nas contas públicas, sem diálogo com o empresariado. Daniel citou o exemplo do Diferencial de Alíquota de ICMS (DIFAL), instituído no começo do ano para empresas optantes pelo Simples que adquirem produtos em outros Estados. Para ele, a falta de uma política fiscal clara cria uma insegurança jurídica que afasta novos investimentos.

“Não podemos ter aqui um Estado autoritário ao ponto de uma hora pra outra, sem dialogar, estabelecer a diferença de alíquota de ICMS, o DIFAL. Aí argumentam que é uma situação complexa e que outros Estados também cobram. Mas Goiás sobreviva antes sem essa taxação. Por que agora não consegue mais? A ausência do DIFAL poderia ser inclusive um diferencial nosso para estimular mais investimentos”, afirmou Daniel Vilela, acrescentando que isto é fruto da falta de planejamento e de austeridade nos gastos públicos.

“Estão usando o aumento da carga tributária como solução para os problemas do Estado. É uma política burra, pois sabemos que isto resulta em perda de receita a médio e longo prazo, ou por inadimplência ou por fuga de investimentos. Os empreendedores não aguentam mais esta carga”, disse Daniel, citando um relato que ouviu de um membro da própria Fecomércio. “Temos, por exemplo, taxas cartoriais tão elevadas que muitas pessoas pegam o carro aqui para escriturar um imóvel em Brasília. Em determinados casos fica oito vezes mais barato lá. Aumentaram as taxas aqui de forma exponencial e isto agora está fazendo com que o Estado perca receita”, exemplificou.

O candidato a governador lembrou que hoje Goiás não tem capacidade nenhuma de investimento, devido à deterioração das contas públicas, e mostrou que é possível recuperar esta condição citando o exemplo do Estado do Ceará, que atualmente investe cerca de R$ 2 bilhões ao ano de recursos próprios. “Não ficamos só no discurso de criticar os erros do governo, mas buscamos conhecer e mostrar os exemplos concretos, como este, que provam que é possível mudar esta realidade de Goiás”.

Na abertura da reunião, o presidente da Fecomércio-GO, Marcelo Baiochi, também reclamou da forma como o governo vem operando sua política fiscal. Disse que o Estado precisa se tornar mais atrativo para novos investidores e que para isto, precisa de maior segurança jurídica. “Não precisamos de paternalismo e nem de leis frouxas. Queremos contribuir. Mas buscamos regras mais claras, para termos um ambiente favorável aos investimentos e com isto gerar mais empregos”, afirmou Baiochi. “Nossa defesa é pelo emprego. E Estado que gera emprego é Estado rico”.

Vanderlan Cardoso, que é empresário do setor de alimentos industrializados, relatou que uma multinacional da área, da qual ele era parceiro, deixou de se instalar no Estado há alguns anos devido às constantes mudanças na tributação. “Chegamos a construir a estrutura da fábrica, que ia gerar centenas de empregos, mas as mudanças nas regras do jogo chegaram ao ponto de inviabilizar economicamente o investimento, que acabou sendo cancelado”, relatou.

Daniel foi ao debate na Fecomércio-GO acompanhado dos candidatos ao Senado da coligação, Agenor Mariano (MDB) e Vanderlan Cardoso (PP), e do deputado estadual Wagner Siqueira. O presidente da Fecomercio-GO entregou ao governadoriável um documento com as reivindicações e sugestões da entidade.

Vanderlan: “Daniel não é homem de meias palavras”

Durante reunião com o setor produtivo, na Fecomercio-GO, o candidato ao Senado pelo PP, Vanderlan Cardoso, elogiou a conduta política do governadoriável Daniel Vilela e disse que o emedebista está preparado para governar o Estado. “Eu acredito muito neste rapaz, pois defendemos as mesmas práticas, que é a da boa política. E vocês, à medida que o conhecerem melhor, vão ver o quanto ele é preparado. Daniel é homem de meias palavras”, afirmou Vanderlan.

“Daniel não é raivoso, é um homem público que sabe exatamente o que está fazendo, pois é muito preparado. Em pouco tempo na Câmara dos Deputados já virou presidente da Comissão de Constituição e Justiça. Vocês sabem o quanto é difícil chegar a este posto, a disputa que tem lá dentro pela CCJ”, afirmou o candidato ao Senado. “O fato é que hoje ele já participa diretamente das principais decisões do País”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here