Em Fórum de Governadores, Caiado diz que é preciso foco para fugir de pautas ilusórias

0
490
Foto: Cristian Ark

“Foco e diálogo com os três poderes. Só assim nós, os 27 governadores, vamos construir uma pauta que não seja ilusória”. Esta foi a mensagem deixada por Ronaldo Caiado durante o IV Fórum de Governadores, realizado na manhã desta terça-feira (23/4), em Brasília. Na ocasião, Caiado defendeu que o Fórum solicite uma audiência conjunta com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Também confirmou presença no Congresso Nacional para reunião com os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado Federal, Davi Alcolumbre, quando deve apresentar o resumo das propostas chanceladas pelos governadores. O encontro está previsto para dia 8 de maio.

A pauta desta edição do Fórum contemplou, dentre outros assuntos, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), o avanço da discussão sobre Programa Emergencial para Recuperação Fiscal dos Estados e do Distrito Federal e ainda a Reforma de Previdência.

Sobre a Reforma, o governador foi categórico e afirmou que não é hora para teorias, mas para a prática. “No papel tudo é bonito. Agora, na prática, é a vida como ela é. E na vida como ela, a Previdência Social está totalmente quebrada. É a realidade. Por que procrastinar uma situação que gera cada vez mais a insegurança de aposentados e de servidores públicos e uma situação de colapso, como já vimos no Rio de Janeiro?”, argumentou. E fez uma comparação: “O bom médico não é aquele que não assume o paciente. O bom médico faz o diagnóstico, mesmo não sendo o que o paciente quer ouvir”.

Foto: Cristian Ark

O Pacto Federativo, preocupação constante de governadores, também foi assunto desta edição. Caiado ressaltou que a abertura do ministro Paulo Guedes o deixa esperançoso a respeito do avanço dessa questão. “É a primeira vez que o ministro da Economia assume essa luta. Antes, quando era para fazer qualquer concessão aos estados e municípios, o governo federal sempre achava uma maneira de não dar quórum, de a bancada da base não votar ou a matéria ser vetada. Agora temos o ministro dizendo que quer inverter essa distribuição da arrecadação do governo federal”, ressaltou.

Questões orçamentárias
No Supremo Tribunal Federal (STF), os governadores vão se reunir dia 9 com o presidente, o ministro Dias Toffoli, para solicitar que o Tribunal julgue processos que impactam diretamente na gestão financeira dos estados. “Como Caiado antecipou, sintetizando o que os demais governadores entendem, algumas ações do STF delimitam muito as questões orçamentárias, por exemplo, aquelas voltadas para a Saúde”, explicou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Um dos principais temas que será discutido com o presidente do STF diz respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal. “A questão é: se recebemos os gastos do Estado acima da linha prudencial como podemos nos adequar à Lei de Responsabilidade?”, perguntou o governador, lembrando que assumiu o Tesouro com 64,5% de gastos com folha de pagamento, quando o limite seria de 54%. “Acredito que a maioria dos governadores já entrou condenado pela Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirmou Caiado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here