Professores da rede estadual estimulam o aprendizado com o uso de HQs

0
685
Foto: Divulgação

Aprender brincando. Essa é a estratégia de um grupo de professores da rede pública de Goiás, que tem usado a linguagem da história em quadrinhos em sala de aula para motivar os alunos a buscar conhecimento. A metodologia faz sucesso entre os estudantes e ajuda a despertar novos talentos.

No Colégio Estadual Deputado José Luciano, em Goiânia, o professor de matemática Clodoaldo Gomes de Oliveira resolveu ensinar sua disciplina de uma forma diferente. Há dois anos, ele propôs aos alunos do 1º ano do Ensino Médio que fizessem histórias em quadrinhos sobre o uso da matemática no dia-a-dia. O resultado surpreendeu o docente, que resolveu adotar a metodologia também nas outras turmas.

“É uma atividade interdisciplinar que tem o objetivo de despertar o interesse do aluno, para que ele perceba que a matemática está contida em qualquer lugar, em tudo o que a gente faz e que não é um bicho de sete cabeças”, explica o professor que está há seis anos na rede estadual de Goiás.

Clodoaldo ressalta que o estudante aprende mais quando se envolve em algum trabalho, pois fica mais motivado e criativo. Além de estimular o interesse dos alunos pela disciplina, o professor conta que descobriu muitos artistas em sua sala de aula. “Há alunos com talento incrível para o desenho, mas com dificuldades em matemática. Os estudantes têm muita inteligência, cada um de uma forma diferenciada, e me surpreendem a cada dia com algo que traz inovação para eles”, comemora.

Um desses estudantes é Gustavo Rodrigues Aires, que hoje está no 3º ano do Ensino Médio, mas que há dois anos produziu um gibi que impressionou e emocionou o professor pela história criada e qualidade dos desenhos. Nos quadrinhos, Gustavo fez de Clodoaldo um super herói. “O desenho dele é tão bem feito. Fiquei muito surpreso com a criatividade. Descobri um ótimo desenhista, um novo talento”, comemora

Desenrolando o espanhol 
O espanhol também passou a ser uma língua mais presente no dia-a-dia dos alunos depois que a professora Lidiane da Silva Pires, do Colégio Estadual da Polícia Militar de Goiás (CEPMG) Ely da Silva Braz, em Luziânia, adotou a história em quadrinhos na sala de aula. A docente, que é psicopedagoga e especialista em ludopedagogia, decidiu usar os gibis na turma do 6º ano do Ensino Fundamental na hora de ensinar a difícil gramática espanhola aos pequenos.

“Os alunos do 6º ano são menores, e o espanhol é uma língua mais difícil para eles, então deve ser trabalhado de modo lúdico, porque assim os estudantes conseguem assimilar e aprender, sem ficar cansativo para eles”, explica a professora.

Durante o exercício feito em sala de aula, os alunos tiveram contato com gibis nacionais e da língua espanhola. Na sequência, foram estimulados a desenhar seus próprios quadrinhos. Quem teve dificuldade com a arte, recortou os já existentes e então todos construíram suas próprias histórias em espanhol.

“Os personagens são os mesmos das histórias em quadrinhos famosas, mas eles criaram suas próprias histórias, com a criatividade deles. Foram seis aulas para concluir os trabalhos e cada um apresentou o seu e leu em espanhol”, conta Lidiane, orgulhosa de seus alunos que, segundo ela, não tem mais dificuldade com o espanhol e já lêem textos da língua com facilidade.

A atividade foi apoiada pelo diretor do CEPMG Ely da Silva Braz, capitão José Wilton Fernandes de Lira. Ele conta que os alunos aprenderam a gostar do espanhol com o uso dos gibis em sala de aula. “Eles desenvolveram o gosto por essa nova língua através de algo que eles já gostam, que é a história em quadrinhos. Essa parte lúdica é um atrativo para o estudante se interessar.”

Estímulo ao diálogo
A Secretaria de Estado da Educação de Goiás (Seduc) apóia e estimula esse recurso didático nas salas de aula. Segundo a superintendente do Ensino Fundamental, Gisele Faria, as histórias em quadrinhas são um tipo de literatura lúdica muito presente na vida de todos, o que ajuda o professor a se aproximar da realidade dos estudantes, e facilita o diálogo e a interação. “A história em quadrinhos fez parte da vida dos nossos pais e avós. É um recurso literário que vem de gerações, rico em linguagem, em recursos linguísticos e imagens. O professor tem mais facilidade em ensinar por meio desses recursos, pois o diálogo com a turma fica mais interativo.”

Gisele ainda acrescenta que esse tipo de metodologia aumenta o interesse do aluno pela disciplina e também estimula a criatividade, além de despertar talentos. “É um meio de se expressar por meio da arte. Hoje em dia os alunos são tão podados de se expressar, e poder fazer isso em sala de aula é fantástico”.

Espaços gratuitos
O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secult), mantém a única biblioteca de gibis do Estado no Centro de Goiânia. Localizada na Praça Cívica, no Centro Cultural Marietta Telles, a Biblioteca Jorge Braga possui um acervo de seis mil gibis e oito mil livros que estão à disposição para empréstimo gratuito. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas.

Até o final de junho, outro espaço com gibis em seu acervo será inaugurado no Centro Cultural Oscar Niemayer (CCON). Com 4,6 mil exemplares, a biblioteca infantil tem um acervo formado de livros de renomadas editoras nacionais e internacionais de literatura infanto-juvenil informativa, cordel, poesia e ainda história em quadrinhos. Funcionará no 1º piso do prédio principal, e ficará aberta ao público de terça a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 16h. A entrada é gratuita.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here