Feira Hippie e da Madrugada será concluída em novembro

0
229
Foto: Wesley Costa

A Feira Hippie e da Madrugada, na Praça do Trabalhador, está com a reforma em reta final. O maquinário está asfaltando a via central entre a Rua 44 e a Avenida Goiás Norte. A reforma teve início em 17 de junho e deve cumprir o prazo de cinco meses para ser concluída. Segundo o secretário municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Dolzonan Mattos, a área deverá ser entregue até dia 30 de novembro. Por enquanto, a Feira Hippie e a Feira da Madrugada estão sendo realizadas em locais alternativos.

O prédio administrativo já está quase concluído e vai abrigar a sede da Rádio Hippie e da Associação dos Feirantes. Com a reforma, a praça vai ganhar um posto da Guarda Civil Metropolitana, sanitários e uma enfermaria. Todas essas estruturas visam oferecer conforto aos feirantes e à população. A interseção do BRT e da Avenida Leste-Oeste estão sendo feitas ao mesmo tempo em que a reforma, para evitar transtornos prolongados no comércio local.

“Combinamos com os feirantes de executarmos as obras do BRT na Avenida Goiás e da Leste/Oeste ao mesmo tempo em que as obras da reforma do local da feira esteja sendo executada”, afirma o secretário. Ele ainda diz que a área dos feirantes será concluída até dia 30 do próximo mês, mas toda revitalização do complexo da Praça do Trabalhador será entregue em março do próximo ano. A reforma vai garantir novo paisagismo, iluminação e mobiliário urbano. Além de recalcamento da Avenida Independência.

“Estamos acostumados a chamar apenas as áreas dos feirantes de Praça do Trabalhador, mas a revitalização dela corresponde a um complexo que envolve também a Estação Ferroviária, a reformulação das áreas ao redor da Rua 67, a estação do BRT e o prolongamento da Leste/Oeste. A conclusão de tudo isso será entregue até março do ano que vem”. O Secretário ainda afirma que os problemas de alagamentos na região serão solucionados com as obras de drenagem que estão sendo executadas no Centro.

Para a realização da reforma, a prefeitura apresentou uma proposta em maio para que as barracas das feiras Hippie e da Madrugada fossem transferidas para Avenida Oeste, no trecho em que parte da obra do BRT já estava concluída. No entanto, a proposta foi recusada pelos trabalhadores. Uma segunda proposta foi apresentada. A feira ocuparia uma viela na Rua 44 e alguns outros prontos próximos, mas esta opção também não agradou os feirantes.

Depois de uma terceira proposta, a Secretária de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMT), definiu que a Feira Hippie iria ocupar parte da praça do Trabalhador, e uma pista da Rua 44, entre a viela e Avenida Independência seria interditada no sentido Norte/Sul com o objetivo de acomodar todas as barracas.

Também ficou decidido, que os feirantes passariam a ocupar o trecho da 67-A, paralelo à Avenida Independência, entre a Rua 44 e a Goiás Norte. Para facilitar a circulação de pessoas no maior bloco da Feira Hippie, foi criada uma via central entre a 44 e a Goiás Norte, e a Feira da Madrugada passou a ocupar também Viela da 44. Considerada referência na venda no varejo na Capital, a Feira Hippie tem 48 anos de existência e quase 6 mil feirantes.

As barracas das Feiras Hippie e da Madrugada estão sendo instaladas em uma das pistas da Rua 44 interditada para o trânsito no sentido Norte/Sul. Os feirantes também estão ocupando um trecho da 67-A, paralelo à Avenida Independência, entre a Rua 44 e a Goiás Norte. Já a Feira da Madrugada está ocupando a viela da 44. Apesar da proximidade da conclusão, feirantes ainda não parecem satisfeitos com as mudanças.

Ottom Marcos tem uma barraca na feira hippie há um ano e meio. O trabalhador fica inseguro em relação à continuação das feiras na nova Praça do Trabalhador. Ele acredita que a existência da feira depende da vontade dos governantes em mantê-la. “Acho que a reforma da praça pode vir a beneficiar todos os feirantes, mas é fundamental que haja vontade da prefeitura em manter a feira forte, e não promover uma redução de barracas no novo espaço”.

De acordo com o feirante, atualmente são aproximadamente seis mil famílias que possuem barracas na Feira Hippie e Feira da Madrugada. Ottom afirma que desde o início das reformas houve transtornos aos feirantes. “Muita gente teve que ficar no barro ou na poeira por causa das obras”, afirma. Ele também acredita que haverá uma redução de barracas quando houver a transferência de volta para a Praça do Trabalhador.

O titular da Seinfra, Dolzonan Mattos, afirma que haverá espaço para aproximadamente 4,5 mil barracas de feirantes na área reformada. E que todos os trabalhadores da Feira Hippie e da Madrugada cadastrados na Sedetec terão espaço para montagem das barracas. “Eles dizem que são seis mil feirantes, mas não tem esse tanto de gente cadastrados na Sedetec. A Seplanh tem feito esse levantamento e a área vai garantir trabalho para todos aqueles que estiverem regularizados”, afirma Dolzonan.

O feirante acha difícil que as obras terminem no prazo prometido. Na opinião dele, mesmo se for concluída em novembro, a volta para a Praça do Trabalhador causará mais transtornos do que a permanência nos locais improvisados. “Acho que eles não conseguem terminar tudo no prazo. Mas se conseguirem, vai ser ruim para o feirante porque a mudança causará transtornos justamente na época de maior venda das feiras”.

De acordo com a prefeitura, ao fim das obras, a Feira Hippie deverá voltar a funcionar na Praça do Trabalhador, às sextas, sábados e domingos, com bancas padronizadas, e a feira da Madrugada retornará suas atividades, às quartas e quintas-feiras. Nos dias em que as feiras não estiverem montadas, o espaço deve servir de estacionamento para todos os tipos de veículos, com um total de 1.272 vagas.

Com investimento de quase R$ 7 bilhões, a obra de revitalização da Praça do Trabalhador iniciadas em junho conta com um novo sistema de drenagem para evitar alagamentos e a construção de banheiros públicos. Com prazo para execução dos trabalhos de cinco meses, a obra deve ser entregue no início do período chuvoso.

Além da administração municipal, mais três empresas participam das obras de revitalização da Praça do Trabalhador. A empresa, Caiapó que ganhou licitação para os 8,1 quilômetros da Leste Oeste que vai passar pela praça; o Consórcio BRT, que fará a estação do terminal e a Ventuno, que está reformando a área da Feira Hippie e da Madrugada.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here