Centro-Oeste e Sul querem compensação por perda de arrecadação e suspensão de dívidas com bancos públicos

0
205

Em reunião com o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, os governadores das regiões Centro-Oeste e Sul pediram novas medidas de ajuda durante o período de epidemia do coronavírus, sob a alegação de que o pacote oferecido na véspera aos Estados do Nordeste e Norte não atende às duas regiões.

De acordo com os governadores de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), o pacote que, entre outras medidas, suspende o pagamento das dívidas com a União e a recomposição do Fundo de Participação dos Estados não altera a situação das duas regiões.

“Nossa demanda em função dos anúncios é porque o Rio Grande do Sul, assim como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Goiás, já não pagam a dívida com a União, seja porque já aderiram ao regime de recuperação fiscal, como é o caso do Rio, seja por força das liminares que foram conquistadas no STF”, explicou Leite. “Então o que foi anunciado pela União pouco atende esses Estados em dificuldade financeira. É necessário ampliar essas medidas.”

No caso do FPE, Caiado explicou que nos Estados do Norte e Nordeste o fundo representa em vários casos um valor significativo da arrecadação do Estado, mas essa não é a realidade das demais regiões.

“No Centro-Oeste temos previsão de queda de arrecadação que pode chegar a 4,6 bilhões de reais até dezembro. Isso afeta nossa economia, nossa condição de quitar nossos compromissos e provoca ainda efeito dominó, porque 25% do ICMS é repassado aos municípios”, disse Caiado.

Os governadores do Centro-Oeste pediram ao governo federal a reposição desse ICMS perdido e as perdas da Lei Kandir, em discussão desde o governo Fernando Henrique Cardoso, que impediu os Estados de taxarem exportações.

Já os Estados do Sul, segundo Leite, pediram ainda a suspensão também dos pagamentos das dívidas junto aos bancos públicos e que a União assuma as parcelas dos contratos de financiamentos feitos com organismos internacionais durante o período de crise. Esses valores seriam depois incluídos nos valores das dívidas dos Estados com a União.

Os governadores pediram ainda que os depósitos de PIS/Pasep e INSS devidos a União sejam suspensos e direcionados para investimentos em saúde durante esse período.

“O governo federal ainda está estudando, não há uma resposta efetiva. O ministro (da Economia, Paulo Guedes) se mostrou bastante aberto e solícito. Foi uma boa reunião”, disse Leite.

Na segunda, em reunião com os governadores do Norte e Nordeste, o governo ofereceu um pacote de ajuda que chega a 85 bilhões de reais. A suspensão do pagamento das dívidas com a União levaria um alívio de 12,6 bilhões de reais. A maior parte dos recursos, cerca de 40 bilhões, seria em operações de facilitação de crédito.

O presidente ainda não se reuniu com os governadores do Sudeste, o que deve acontecer na manhã de quarta-feira. Os governadores de São Paulo, João Dória (PSDB), e Wilson Witzel (PSC), do Rio de Janeiro, têm entrado em constantes atritos com Bolsonaro por terem tomados medidas duras de controle da epidemia. (Reuters)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here